Escolha uma Página
Justiça condena 2 PMs por morte de coronel do Exército em Porto Alegre
Juiz determina pena de mais de 20 anos aos réus do crime no ano passado.
Militar tinha documentos sobre a prisão de Rubens Paiva no DOI-Codi.

Do G1 RS
Dois policiais militares foram condenados pela morte do coronel reformado do Exército Júlio Miguel Molinas Dias, de 78 anos, ocorrida no dia 1º de novembro de 2012 em Porto Alegre. O juiz Luis Felipe Paim Fernandes, da 5ª Vara Criminal da capital gaúcha, aplicou a pena de 23 anos de prisão a um deles, e 22 anos e 10 meses ao outro, além de pagamento de multa.
Reprodução: Zero Hora
O militar foi morto por volta das 21h, quando chegava em casa no Bairro Chácara das Pedras, na Zona Norte da cidade. Segundo a polícia, ele foi atingido com pelo menos seis tiros. O corpo foi encontrado por vizinhos no lado de fora do veículo, e nada foi roubado. Imagens de câmeras de segurança mostram que o coronel foi seguido antes de morrer.
Os réus pertencem ao 11º Batalhão de Polícia Militar, responsável pelo policiamento da área. Segundo a sentença, eles usaram um carro com placas clonadas para cometer o crime, com o objetivo de roubar a coleção de armas que o militar guardava. Eles não estavam trabalhando no momento do crime.
“Resta evidente que os acusados no afã de subtrair os armamentos pertencentes a vítima, que possuía uma coleção de armas, premeditaram a ação, porquanto tinham total conhecimento da área e possivelmente da rotina da vítima, haja vista que a localidade era o território do batalhão a que serviam, escolhendo o dia e horário mais apropriados para a execução do delito”, escreveu Fernandes.

Leia também:
Coronel do Exército é morto a tiros em Porto Alegre. Polícia suspeita de execução.

RS: arma de PM matou coronel do Exército, aponta perícia

Perícia confirma: celular de PM suspeito de assassinar coronel do Exército estava no local do crime

Documento comprova a prisão de ex-deputado federal Rubens Paiva (Foto: Felipe Truda/G1)
Documento comprova a prisão de ex-deputado
federal Rubens Paiva (Foto: Felipe Truda/G1)
Coronel guardava documentos da época da ditadura

Molinas Dias fez parte na década de 1980 do Departamento de Operações e Informações – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) do Rio de Janeiro. Um documento que comprova a entrada do preso político Rubens Paiva no DOI-Codi durante a ditadura militar no Brasil, foi encontrado pela Polícia Civil na casa do coronel.
Ele atuou no DOI-Codi depois do desaparecimento do político, e mantinha um acervo com material da época. Os documentos foram repassados para a Comissão Nacional da Verdade e para os familiares de Paiva.
Rubens é um dos 183 desaparecidos políticos com o paradeiro a ser investigado pela Comissão Nacional da Verdade, criada pelo governo federal para examinar e esclarecer violações de direitos humanos praticadas durante o regime que vigorou entre 1964 e 1985. O deputado Rubens Paiva foi preso em 20 de janeiro de 1971.
G1/montedo.com
Skip to content