Escolha uma Página
Exército acaba com espera dos anfitriões por primeiro ouro
No início da Olimpíada, os militares britânicos salvaram o país de um vexame, após a empresa G4S ter admitido que não daria conta de prover sozinha a segurança necessária aos Jogos.
Ontem, coube também a uma militar salvar a Grã-Bretanha da seca de medalhas de ouro.
Capitão Heather Stanning, do Exército Britânico (Mail Online)
Oficial da Artilharia Real, Heather Stanning e sua parceira, Helen Glover, puseram fim à aflição nacional, estampada nas capas dos jornais britânicos pela manhã. Afinal, como poderia o país anfitrião, que logrou o quarto lugar em Pequim-2008, ter passado longos quatro dias sem subir ao topo do pódio?
Mas logo ao fim da manhã, a sede britânica pelo ouro foi saciada em Eton Dorney, instalação do remo localizada a cerca de 45 km de Londres.
Stanning e Glover lideraram de ponta a ponta a final do dois sem timoneiro, arrancando o grito entalado da torcida que embalava orgulhosa as bandeiras do país.
Deixaram para trás representantes das ex-colônias inglesas. Australianas chegaram em segundo, seguidas de perto por neozelandezas.
O primeiro ouro britânico veio de um dos esportes que mais renderam glórias ao país. Na história, a modalidade rendeu 24 ouros, 20 pratas e dez bronzes ao “Team GB”.
Mas, curiosamente, até a medalha de ontem apenas os homens tinham alcançado o lugar mais alto do pódio.
“Espero que esse ouro tenha o efeito de bola de neve. Trabalhei como professora de educação física e sei o quanto as meninas podem se sentir inspiradas”, disse Glover.
Ela mesma afirmou ter-se inspirado em Kelly Holmes, uma ex-atleta britânica de meio-fundo que obteve dois ouros em Atenas-2004, nas provas de 800 m e 1.500 m.
Ao lado da parceira Helen Glover, Heather Stanning mostra a primeira medalha de ouro conquistada pelo Reino Unido nos Jogos de Londres, na prova do remo (01/08/2012) AFP PHOTO / DAMIEN MEYER
Aliviado com o ouro, o chefe de missão da BOA (Associação Olímpica Britânica), Andy Hunt, tratou de congratular a dupla. “Ganhar a primeira medalha de ouro no remo feminino é uma conquista que vai resistir ao tempo. Nossos parabéns vão para Heather, Helen e todos da equipe de remo britânica.”
A festa não se restringiu ao território britânico. Bem longe dali, no Afeganistão, oficiais do Exército que trabalharam com Stanning celebraram o feito da colega.
Para eles, a remadora mandou um recado pela TV logo que deixou seu barco. “Obrigada por todo o apoio. Sei que vocês devem ter me assistido e me apoiado. Estou orgulhosa por estar associada a vocês e espero vê-los quando voltarem para casa.”
Stanning foi comandante de tropa durante um ano e meio. Parou para se dedicar exclusivamente ao remo nos dois últimos anos.
The 32 Regiment Royal Artillery, currently deployed in Afghanistan, roared with excitement as they watched their captain Heather Stanning in action this morning
O 32 Regimento Real de artilharia, atualmente no Afeganistão, vibrou ao assistir a capitão Heather Stanning em ação
(Mail OnLine)
“Devo voltar [a servir] em setembro, mas ainda não parei para pensar nisso”, disse.
Seu destino como campeã olímpica já havia sido anunciado durante sua adolescência. Na escola, foi escolhida pelos colegas como a estudante que tinha mais chances de conquistar uma medalha olímpica no futuro.
“É engraçado [ser reconhecida pelos colegas] porque na escola eu era uma espécie de pau para toda obra, sempre matando aula e evitando ficar dentro da sala”, recorda.
Skip to content