Escolha uma Página
Anna Ramalho
Fala-se muito no reaparelhamento das forças armadas, mas, pragmaticamente, isso tem se concentrado na Marinha, que deu a partida com a encomenda de cinco submarinos, sendo um de propulsão nuclear.
No Exército, o Sistema de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) não exige muita engenharia civil, especialidade das empreiteiras agora anunciadas como alavancadoras do projeto. Além disso, a compra de aviões para a FAB, queLula antecipou que seria feita da França, já está em estudos há dez anos.
Para especialista ouvido pela coluna, será difícil para o Brasil comprar tecnologia moderna, pois os estrangeiros só facilitam a cessão de métodos ultrapassados. O profissional dá com exemplo a Marinha, que anunciou a conclusão do desenvolvimento do motor foguete dos mísseis Exocet, tecnologia que a França já tem de última geração.
Também anda sendo criticada, em ambientes da área bélica, a declaração do generalAderico Mattioli, diretor do departamento de produtos do Ministério da Defesa: “Posso me dar ao luxo de não ter o melhor radar do mundo, mas ter um radar que é meu”.
Para o técnico isso é inaceitável. A fonte da coluna afirma que de nada adianta ter um radar “meu” se for de baixa qualidade ou se não puder ser feita importação de peças e sistemas para atualização constante.
Jornal do Brasil/montedo.com
Skip to content