Escolha uma Página
Confira abaixo algumas manchetes dos jornais brasileiros em março e abril de 1964. Antes da interpretação ligeira de que eram apenas grandes empresas apoiando um golpe contra os interesses do povo, observe a descrição das grandes manifestações populares em todo o País. Elas não foram fruto da imaginação dos barões da mídia. Ocorreram de fato e de forma espontânea. Esta é a verdade, comprovada pelos fatos. Verdade que, há trinta anos, vem sendo recontada ardilosamente pelos derrotados de então, donos do poder nos dias de hoje.

Pesquisa da jornalista Cristiane Costa:
“O Brasil já sofreu demasiado com o governo atual. Agora, basta!” 
(Do editorial “BASTA”, 31 de março de 1964 – Correio da Manhã – Rio de Janeiro)
“Só há uma coisa a dizer ao Sr. João Goulart: Saia!” 
(Do editorial “FORA!”, 1° de abril de 1964 – Correio da Manhã)
“Desde ontem se instalou no País a verdadeira legalidade … Legalidade que o caudilho não quis preservar, violando-a no que de mais fundamental ela tem: a disciplina e a hierarquia militares. A legalidade está conosco e não com o caudilho aliado dos comunistas” 
(Editorial do Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 1º de Abril de 1964)
“Golpe? É crime só punível pela deposição pura e simples do Presidente. Atentar contra a Federação é crime de lesa-pátria. Aqui acusamos o Sr. João Goulart de crime de lesa-pátria. Jogou-nos na luta fratricida, desordem social e corrupção generalizada.” 
(Jornal do Brasil, edição de 1º de abril de 1964.)
“Minas desta vez está conosco”(…) “Dentro de poucas horas, essas forças não serão mais do que uma parcela mínima da incontável legião de brasileiros que anseiam por demonstrar definitivamente ao caudilho que a nação jamais se vergará às suas imposições.” 
(Estado de S. Paulo – 1º de abril de 1964)
“Multidões em júbilo na Praça da Liberdade. Ovacionados o governador do estado e chefes militares. O ponto culminante das comemorações que ontem fizeram em Belo Horizonte, pela vitória do movimento pela paz e pela democracia foi, sem dúvida, a concentração popular defronte ao Palácio da Liberdade. Toda área localizada em frente à sede do governo mineiro foi totalmente tomada por enorme multidão, que ali acorreu para festejar o êxito da campanha deflagrada em Minas (…), formando uma das maiores massas humanas já vistas na cidade” 
(O Estado de Minas – Belo Horizonte – 2 de abril de 1964)
“A população de Copacabana saiu às ruas, em verdadeiro carnaval, saudando as tropas do Exército. Chuvas de papéis picados caíam das janelas dos edifícios enquanto o povo dava vazão, nas ruas, ao seu contentamento” 
(O Dia – Rio de Janeiro – 2 de Abril de 1964)
“Escorraçado, amordaçado e acovardado, deixou o poder como imperativo de legítima vontade popular o Sr João Belchior Marques Goulart, infame líder dos comuno-carreiristas-negocistas-sindicalistas” 
(Tribuna da Imprensa – Rio de Janeiro – 2 de Abril de 1964)
“Fugiu Goulart e a democracia está sendo restaurada”… “atendendo aos anseios nacionais de paz, tranqüilidade e progresso… as Forças Armadas chamaram a si a tarefa de restaurar a Nação na integridade de seus direitos, livrando-a do amargo fim que lhe estava reservado pelos vermelhos que haviam envolvido o Executivo Federal”. 
(O Globo, 2 de abril de 1964)
“Lacerda anuncia volta do país à democracia.” 
(Correio da Manhã, 2 de abril de 1964)
“A paz alcançada. A vitória da causa democrática abre o País a perspectiva de trabalhar em paz e de vencer as graves dificuldades atuais. Não se pode, evidentemente, aceitar que essa perspectiva seja toldada, que os ânimos sejam postos a fogo. Assim o querem as Forças Armadas, assim o quer o povo brasileiro e assim deverá ser, pelo bem do Brasil” 
(Editorial de O Povo – Fortaleza – 3 de Abril de 1964)
“Ressurge a Democracia! Vive a Nação dias gloriosos. Porque souberam unir-se todos os patriotas, independentemente das vinculações políticas simpáticas ou opinião sobre problemas isolados, para salvar o que é de essencial: a democracia, a lei e a ordem.
Graças à decisão e ao heroísmo das Forças Armadas que, obedientes a seus chefes, demonstraram a falta de visão dos que tentavam destruir a hierarquia e a disciplina, o Brasil livrou-se do governo irresponsável, que insistia em arrastá-lo para rumos contrários à sua vocação e tradições.
Como dizíamos, no editorial de anteontem, a legalidade não poderia ter a garantia da subversão, a ancora dos agitadores, o anteparo da desordem. Em nome da legalidade não seria legítimo admitir o assassínio das instituições, como se vinha fazendo, diante da Nação horrorizada …” 
(O Globo – Rio de Janeiro – 4 de Abril de 1964)
“Feliz a nação que pode contar com corporações militares de tão altos índices cívicos”(…) “Os militares não deverão ensarilhar suas armas antes que emudeçam as vozes da corrupção e da traição à pátria.” 
(Estado de Minas, 5 de abril de 1964)
“A Revolução democrática antecedeu em um mês a revolução comunista”
(O Globo, 5 de abril de 1964)
“Pontes de Miranda diz que Forças Armadas violaram a Constituição para poder salvá-la!” 
(Jornal do Brasil, 6 de abril de 1964)
“Congresso concorda em aprovar Ato Institucional”. 
(Jornal do Brasil, 9 de abril de 1964)
“Milhares de pessoas compareceram, ontem, às solenidades que marcaram a posse do marechal Humberto Castelo Branco na Presidência da República …O ato de posse do presidente Castelo Branco revestiu-se do mais alto sentido democrático, tal o apoio que obteve” 
(Correio Braziliense – Brasília – 16 de Abril de 1964)
“Vibrante manifestação sem precedentes na história de Santa Maria para homenagear as Forças Armadas. Cinquenta mil pessoas na Marcha Cívica do Agradecimento”
(A Razão – Santa Maria – RS – 17 de Abril de 1964)
Blog da BrHistória/montedo.com

Skip to content