Escolha uma Página
Alunos da Eceme conhecem potencialidades do Ceará
O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), Roberto Proença de Macêdo, recebeu na Casa da Indústria, no dia 30 de setembro, oficiais do Exército alunos do curso de Altos Estudos Militares da Escola de Comando do Estado Maior do Exército (Eceme). O evento fez parte da visita que os oficiais realizaram por três capitais nordestinas (Salvador, Recife e Fortaleza), dentro da grade curricular do curso de dois anos que ficará concluído no próximo mês de dezembro. A missão da Eceme é preparar oficiais superiores para o exercício de funções de estado-maior, comando, chefia, direção e de assessoramento aos mais elevados escalões da força terrestre.
Reconhecida no exterior, a escola recebe anualmente para cursos oficiais da América, Europa, Ásia e África, durante os quais os alunos e estagiários da Eceme realizam viagens a diversas regiões do país e mesmo ao exterior. A finalidade é analisar aspectos conjunturais, econômicos, políticos e sociais nas áreas visitadas. Após o término do curso, os oficiais assumem funções de assessoramento aos comandantes das corporações e, em dez ou 15 anos, deverão estar ocupando esses postos.
A visita à FIEC teve o objetivo de conhecer as potencialidades do Ceará no aspecto econômico e ouvir do setor produtivo as expectativas com relação ao atual momento por que passa o país. Nesse aspecto, Roberto Macêdo fez uma apresentação do Sistema FIEC, abrindo um parêntese para situar os oficiais sobre o processo democrático e de fortalecimento sindical pelo qual a entidade tem passado nos últimos anos.
O dirigente classista também relatou as possibilidades que devem surgir para o Ceará em futuro breve, a partir dos projetos estruturantes previstos. Roberto Macêdo se disse preocupado com um possível processe de desindustrialização, que tende a se agravar com a protelação das reformas necessárias para o país avançar. “De nossa parte, o que nos resta é estar procurando fazer a nossa parte como setor produtivo, apesar de sabermos que muitas vezes as coisas para andarem não dependem de nós.”
Já o diretor do Instituto de Desenvolvimento Industrial da FIEC (INDI), Carlos Matos, acrescentou que o estado vivenciou nos últimos 20 anos uma preparação para o que agora se apresenta, em termos de infraestrutura. Segundo ele, os projetos previstos, como Copa do Mundo, implantação de parques de energias renováveis, projeto Minha Casa, Minha Vida, entre outros, serão capazes de transformar a realidade do Ceará. Matos, todavia, alertou que para garantir um desenvolvimento sustentável é preciso que se pratique uma economia sustentável. Com relação a isso, apontou como importantes vetores de desenvolvimento a serem buscados pelo setor no Ceará, a competitividade sustentável, inovação, integração e cooperação, conexão mundial, e valorização de pessoas. “Apenas 40% de nossas empresas faz inovação”, citou um exemplo.
A comitiva dos oficiais da Eceme, comandada pelo subcomandante da instituição, coronel Marcos Antônio, esteve acompanhada do comandante da 10ª Região Militar, general de divisão Geraldo Gomes de Mattos.
FIEC ONLINE
Skip to content