Escolha uma Página
Moradores rejeitam reforço do Exército e pedem UPP no Morro do Alemão
Faixa exibida por um morador dizia: “Chega de Exército, queremos UPP”
Deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) exibe cartaz que moradores da favela da Grota, uma das comunidades do Complexo de Favelas do Alemão
Foto:Wilton Junior, AE
Os moradores e comerciantes do Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, voltaram a viver, na noite de terça-feira, uma experiência que já não fazia parte de suas vidas desde a ocupação do morro pelas Forças de Pacificação, em novembro de 2010. Assustados com o tiroteio e sem fazer ideia do que estava acontecendo, fecharam portas e casas, esconderam-se atrás de balcões, sofás, o que havia para se proteger.
Passada a tensão das balas traçantes, de ruas bloqueadas, do tiroteio, moradores se dividiram entre os que culpam a truculência por parte dos soldados e os que acreditam que uns poucos estão agindo sob influência dos traficantes para enfraquecer as forças de segurança.
Só há um consenso entre os moradores. Todos querem que a UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) substitua os soldados do Exército.
Uma faixa exibida por um morador dizia:
“Chega de Exército, queremos UPP”
A instalação de uma UPP no Alemão, prevista para o primeiro semestre deste ano, foi adiada, na semana passada, para junho do próximo ano. Hoje, o dia foi mais tranquilo.
Para alguns moradores, os policiais de UPPs saberiam lidar melhor com a comunidade.
— Eles (soldados da Força de Pacificação) não estão preparados. Nos abordam só na base da força. Ao invés de chegarem com arma, por que não dão um tapinha no braço — disse o auxiliar administrativo Leandro Henrique Silva, de 22 anos.
O clima de tensão ficou evidente quando militares tentaram desfazer ontem uma barreira montada supostamente por traficantes, de ontem para hoje, na rua Joaquim de Queiroz. No fim da tarde, um grupo de nove soldados tentou, por mais de 40 minutos, devolver as pesadas tampas à galeria de esgoto. À cada tentativa malsucedida, risadas e gozações de alguns moradores mais jovens.
Houve endurecimento nas ações de revista para quem entrava e saía do Alemão. Carros e motos foram parados por militares em todas as entradas do complexo. Pela manhã, cinco artefatos explosivos de fabricação caseira foram encontrados. Quatro estavam detonados e teriam sido arremessados contra os militares ontem à noite. Hoje, não houve registro de confronto.
Exército alega manobra de traficantes:
Nesta quarta-feira, o chefe do Comando Militar do Leste (CML), general Adriano Pereira Junior, disse que o ataque ao Complexo do Alemão, no Rio, foi realizado por traficantes de fora que querem voltar a dominar a região. Ele acredita que foi tentativa de desmoralizar a presença do Exército no conjunto de favelas na Zona Norte.
Skip to content