Escolha uma Página
Homem do Exército é acusado de matar
Da Sucursal de Cáceres
Até a manhã de ontem, o final de semana registrava índices anormais de violência em Cáceres. Foi encontrado, pela manhã, o corpo do taxista Antonio José Neto, de 54 anos. Ex-motorista de ônibus da empresa Transporte Jaó, ele estava trabalhando como taxista há dois meses, no carro de propriedade de Hilário Frank Júnior, com ponto na estação rodoviária do Centro de Cáceres. Na sexta-feira, por volta das 19 horas, ele recebeu um chamado e foi buscar o passageiro em frente a uma autoelétrica da rua Padre Cassimiro. De lá, dirigiu-se até outros dois locais, pegando mais dois passageiros. Logo a seguir, foi morto por asfixia. 
Seu corpo foi levado para desova na região do Facão, a 10 Km de Cáceres, na localidade conhecida como Periquito. No local, os três assassinos viram que a vítima não estava morta e terminaram de matá-la a pedradas. Ainda enterraram o corpo. 
De volta à cidade, os três passaram em vários bares, beberam e pegaram uma prostituta que faz ponto na avenida São Luiz, para “festejar” com eles. A última parada foi o Bar do Marinho, no Posto Bandeirantes, onde compraram cervejas e cigarros e saíram dando cavalinhos-de-pau. Numa dessas manobras eles capotaram o carro, que caiu numa vala. 
Acionada, a guarnição da Polícia Militar chegou em minutos, mas não encontrou mais ninguém. Em contato com o pronto-socorro, verificou a entrada de um jovem com ferimentos na cabeça. Através dele, prendeu o outro e identificou o terceiro. 
Um deles é Alessandro de Souza Lima, recruta do 2º Batalhão de Fronteira do Exército em Cáceres, morador do Centro da cidade. Também está preso o menor E.L.A., de 16 anos, morador do bairro São Luiz, que estava no pronto-socorro e “entregou” todo o serviço à PM; ainda identificado outro menor, J.C.L.P.J., de 15 anos, conhecido como Zeca e considerado muito violento. Foi ele que fez a chamada ao taxista, usando para isso o celular do namorado de sua mãe. Até o início da tarde de ontem ele estava foragido. 
A PM acredita que os jovens estavam drogados e que o crime foi premeditado e, mais, que tem ligação com o roubo de motos que vem acontecendo na cidade. Dois foram presos na noite de ontem por roubo de motos. Tanto o carro como as motos iriam para desmanches. 
O dono do carro de táxi, Júnior, lamentou muito o fato e deu toda a assistência à família. “O carro tem seguro e com certeza ele não reagiu, pois sempre foi instruído para isso. Ele era uma pessoa excelente e deixa esposa e filhos. O que fizeram foi uma covardia”. O sentimento de revolta é compartilhado pela categoria, que reclama da falta de segurança. “Trabalhamos 24 horas seguidas, carregamos qualquer tipo de pessoa. Tinha que haver um mecanismo de segurança para nós”, afirmaram alguns colegas. 
O corpo do taxista foi liberado pelo Instituto Médico Legal na tarde de ontem. Na segunda-feira, o Exército deve divulgar uma nota sobre a ação do recruta e sobre o seu comportamento dentro da corporação.
Skip to content