Escolha uma Página
Exército recepciona alagoanos vindos do Haiti
Homens cumpriram missão de paz da ONU no país devastado por terremoto em janeiro do ano passado.
Tropa acompanha execução do hino nacional brasileiro (Foto: Bruno Soriano)
O comando do 59º Batalhão de Infantaria Motorizado recepcionou, na tarde desta segunda-feira (08), os 26 homens que participaram de missão de paz, por durante seis meses, da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti, devastado por terremoto de magnitude sete, em janeiro do ano passado, deixando mais de 200 mil pessoas, incluindo brasileiros, além de 300 mil feridos, quatro mil amputados e cerca de um milhão de pessoas desabrigadas.
Na ocasião, o comandante do Batalhão, coronel Frederico Pinto Sampaio, discursou aos militares presentes – que estiveram acompanhados de amigos e familiares –, congratulando-os pelo trabalho desempenhado no país que ainda enfrenta muitas dificuldades para se reerguer.
“Estes jovens militares representam o que temos de melhor nas Forças Armadas. Foram selecionados por meio de um processo rigoroso, tendo sido submetidos a treinamentos árduos, cumprindo uma missão que muitos gostariam de cumprir”, comentou o comandante.
Frederico Sampaio também destacou o iminente risco de morte dos militares designados à tarefa de construção da paz em um país vulnerável em vários aspectos e que registrava, até pouco tempo, grande número de saques. 
“Isso é um motivo de orgulho para este Batalhão e para todos os familiares”, reforçou o comandante, ressaltando que todos regressaram com saúde, com a exceção do soldado Warner Dias, que se encontra em Recife se submetendo a exames médicos e que deve retornar a Alagoas, por precaução, somente nesta terça-feira (09) – Pinto Sampaio não especificou o problema de saúde.
Cabo Augusto foi recebido com carinho pelos familiares
Após a execução do hino nacional brasileiro, com a tropa passando em revista pelo comandante, Pinto Sampaio também parabenizou a liderança do tenente Montenegro, formado na academia dos Agulhas Negras e que comandou os 26 homens – sendo 21 alagoanos – no Haiti, cuja população, em sua maioria, recepcionou o Exército brasileiro ‘como uma mão amiga’. 
“Este foi o décimo quarto contingente militar brasileiro a desembarcar no Haiti. Nós tivemos como missão dar continuidade a este processo de pacificação naquele país. Vimos muito sofrimento, tendo de nos adaptar a um país estranho, mas conseguimos alcançar nosso objetivo”, comentou o tenente Montenegro.
Entre os expectadores, quem se enchia de orgulho era a mãe do cabo Augusto, Roseane da Silva Cândido. Ela destacou à reportagem da Gazetaweb que o filho, ao ingressar no Exército, realizara um grande sonho. 
“Ele sempre quis ser militar e nós apoiamos o seu desejo desde o primeiro momento. A gente fica com um pouco de medo, mas o orgulho compensa”, afirmou Roseane, sobre a inesquecível experiência do filho. “Esta viagem me motivou ainda mais a seguir carreira”, reforçou Augusto, militar do Exército já há três anos.
GAZETA WEB
Skip to content