Escolha uma Página
Exército tentará liberar jogadores da Seleção de basquete
Nezinho                                                             Artur
Convocados para a Seleção Brasileira que treinará para o Pré-Olímpico e para a equipe nacional que disputará os Jogos Mundiais Militares, no Rio de Janeiro, Nezinho e Arthur vivem dias de indefinição. 
Logo após o chamado de Rubén Magnano, os dois interromperam os treinos com o time do Exército e se comprometeram a se apresentar no dia 4 de julho para realizar exames médicos e integrar a equipe da CBB. 
Apesar disso, o Exército ainda não abriu mão de contar com os atletas para a competição que ocorre entre 16 e 24 de julho. Segundo o técnico Alberto Bial, os militares tentarão a liberação dos jogadores do Brasília para disputarem a partida de estreia, as quartas de final, a semifinal e a final. 
– Já conversei com o Magnano sobre isso e ficamos de acertar os detalhes em um jantar no dia 4. Um Mundial é uma competição importante e acho que ele entenderá a situação – afirmou Bial. 

Apesar de receber salário para representar o Exército, Arthur deixou claro que seu foco no momento é jogar o Pré: – É a prioridade. Todo mundo sabe.

Comentário de Ricardo Montedo:

Em janeiro deste ano, a respeito do post 
“Resumo da ópera: seja a responsabilidade das FA, da CBDA ou da Fina, o Exército (leia-se a nação) pagou por meses os nadadores, como se sargentos fossem, para vê-los pedir baixa às vésperas da competição. E o dinheiro público, mais uma vez, vai pelo ralo. 
Ao militar temporário comum, é exigido que cumpra, ao menos, a metade do tempo ao qual se obrigou a servir, para depois solicitar a baixa, que poderá ser concedida ou não. Pelo visto, a regra não vale para os atletas.”
Voltando…
No caso dos dois atletas do basquete, a coisa toma ares de deboche. O fato de serem militares e receberem vencimentos aparece como mero detalhe: o pré-olímpico é prioridade. “Todo mundo sabe”, declara Arthur.
E lá vai o treinador militar pedir “penico” ao colega da seleção principal para contar com militares numa seleção…militar!!!
Cá entre nós, os milicos nunca desceram tão baixo.

Skip to content