Escolha uma Página
Peço licença aos leitores para fugir um pouco do foco principal deste blog e registrar a matéria do jornalista Carlos Wagner, da RBS, que, junto com o fotógrafo Mauro Vieira estão percorrendo as trilhas abertas pelos gaúchos nos países do Prata e nos mais longínquos rincões deste País.
Um pouco de bairrismo não faz mal à ninguém: “Êta, gauchada macanuda, tchê!”


Um encontro com um símbolo do Brasil de Bombachas
Carlos Wagner
No sábado à tarde, cheguei à casa do agricultor, comerciante e gaiteiro João Rohleder, 65 anos, em Humaitá, uma cidadezinha à beira do Rio Madeira, no Amazonas. A imagem dele com uma gaita debaixo de um dos braços foi utilizada para ilustrar a capa da série Brasil de Bombachas. Um conjunto de reportagens, depois transformado em livro.
Na ocasião, acompanhando pelo fotógrafo Ronaldo Bernardi e pelo motorista Dorli Fagundes, o Faísca, escrevi a história dos gaúchos que povoaram as terras ao norte do Rio Uruguai e arredores. Agora, com o fotógrafo Mauro Vieira e o motorista Everton de Jesus, estou cruzando os mesmos caminhos que andei em 1995 para escrever sobre o futuro do Brasil de Bombachas.
E claro que este encontro é parte importante da nova história. Logo que chegamos até a casa dele, nas primeiras palavras que trocamos, o João perguntou:
— E aquele povo que te acompanhou aquela vez. Onde anda?
Depois de sorver um gole de chimarrão, eu disse:
— Lá por Porto Alegre.

Nesta época do ano, chove todos os dias na Selva Amazônica. O nosso encontro foi durante a chuva. No final do ano passado, liguei avisando que estava vindo, e ele colocou a seguinte condição para falarmos:
— Vai lá na casa do Antônio Gringo e pede que ele me mande uns CDs.
Antonio Gringo é um afamado compositor e cantador da música gaúcha de raiz. Fui até a casa dele, no interior de Estrela, e transmiti o recado. Ele embrulhou com papel os CDs e mandou um emociado abraço ao João. No sábado, em Humaitá, a primeira coisa que fiz foi entregar a encomenda. O gaiteiro rasgou o embrulho e comentou:
– Baita presente! Para os gaúchos que estão foram do Rio Grande do Sul, a música de raiz é muito importante porque ela fala do cerne da nossa cultura.
Parece que os 16 anos não passaram para João. As marcas físicas deixadas pelo tempo são pequenas. Continua a mesma pessoa: contador de “causos”, de piadas, e um dos gaiteiros mais requisitados da região. Antes de migrar para Humaitá, em 1970, ele tocava nos bailes em São Borja e na costa Argentina. Perguntei o que aconteceu depois que foto dele virou capa do Brasil de Bombachas. Ele disse:
— Fui e ainda sou procurado por gaúchos espalhados por todos os cantos do Brasil.
Com a condição de que não levássemos equipamentos de filmagem nem blocos de anotações, ele marcou um jantar na noite de sábado no bar de um dos amigos. De bombachas, alpargatas e acompanhando pela esposa, Jurema, e pelo neto, Joaquim, um menino esperto, João chegou para o jantar. Perguntei o motivo da exigência de deixarmos os equipamentos no hotel. Respondeu de uma maneira direta:
– Se as pessoas da cidade me vissem aqui sendo filmado por vocês, iriam pensar que estou tentando me exibir. Amanhã, vocês trabalham. Hoje, vamos jantar e colocar os assuntos em dia.
O domingo amanheceu nublado. E, logo nas primeiras horas do dia, começou a chover forte. No meio da manhã, chegamos ao sítio da família para comer um churrasco, arrematar a conversa com o João e fazer as fotos. Enquanto o cheiro de carne assada inundava o galpão, a voz dele foi ficando emocionada. Foi quando pegou a gaita e o Mauro, o violão. Durante duas horas, os dois cantaram músicas de raiz da cultura gaúcha. Veja no vídeo abaixo:

O gaiteiro mostrou composições suas que contam, em bonitos versos, a saga dos desbravadores gaúchos do Amazonas.
A chuva não parou. Muito pelo contrário, aumentava cada vez mais. E foi assim, debaixo de muito água que, no meio da tarde, nos despedimos da família do João. Foi uma despedida emocionante, à moda gaúcha.

Acompanhe a viagem pelo blog Brasil de Bombachas ou pelo Twitter, BrdeBombachas.

Skip to content