Escolha uma Página

Claudio MafrafecharAutor: Claudio Mafra Nome: Claudio MafraAcerca: Economista e jornalista.Ver os posts do autor (71)

Com a vitória da Dilma, e a quase certeza da volta de Lula, estamos correndo o perigo de uma ditadura sindicalista? Os analistas dizem que sim, mas sem usar essas palavras. ”Ditadura sindicalista” não é bom, tem cheiro de mofo e, sobretudo, é RADICAL. Vamos trocar: usaremos autoritarismo. “Sindicalista”, definitivamente, é para ser jogada fora, e “ditadura” é uma palavra perigosa que deve ser evitada. Também não devemos empregar “esquerdista”, pois incorre em riscos. O melhor é “petista”, que é restrita e diminui a possibilidade de radicalização. Ficaremos portanto com o “autoritarismo petista”. Esse comportamento de evitar certas palavras, que foram muito empregadas no passado recente, pode ser chamado de Síndrome do Golpe de Estado. Ele só se revela quando o governo é de esquerda. É o trauma de 1964.
De qualquer forma, os formadores de opinião estão projetando um cenário sombrio para a democracia no período Dilma-Lula. Analisam o comportamento do Congresso com ampla maioria governista; o Judiciário com um número muito maior de ministros esquerdistas nos Tribunais Superiores; a Imprensa com a liberdade ameaçada; alertam para modificações na Constituição; chamam a nossa atenção para o risco de estarmos caminhando na mesma direção de alguns países da América Latina; estão certos quanto à nomeação de milhares e milhares e milhares de militantes para tornar a máquina governamental uma fortaleza imbatível. E assim vamos tomando conhecimento da enorme lista de pesadelos que temos pela frente. (A minha contribuição é a de que a Receita Federal vai virar uma Gestapo). Mas esses analistas não escrevem nenhuma palavra a respeito das Forças Armadas! Ficam aterrorizados com a hipótese de serem acusados de golpistas. Novamente, e agora com muito mais importância: trata-se da Síndrome do Golpe. Dessa maneira, a análise fica capenga. Como se pode ignorar que houve uma intervenção militar em 1964 justamente por medo de uma violenta guinada para a esquerda? As condições mudaram? Sim, e muito, mas é importante especular sobre o que pensam as Forças Armadas.
Algumas perguntas devem ser feitas: Os militares, hoje, são completamente diferentes daqueles que depuseram Jango? Vão apoiar tudo o que o próximo governo fizer, desde que a Constituição não seja desrespeitada? Vão permitir um governo de frequentes consultas populares, como acontece em países de governos esquerdistas? Desde que não aconteça quebra de hierarquia, como houve no passado, vão permanecer nos quartéis, mesmo que os rumos do país se tornem cada vez mais socializantes? Com maior apoio do governo ao terrorismo (Farc, Irã, etc), eles continuarão “disciplinados”? (Precisamos projetar um cenário em que esse apoio vá muito mais longe. Afinal, uma ex-terrorista não-arrependida foi eleita, e a tentação é grande). De que maneira explicar o murro que deram na mesa a respeito do Programa de Direitos Humanos, quando se ameaçou quebrar a palavra empenhada da anistia para os dois lados? Pode ser considerado indisciplina? (Não passou pela cabeça de ninguém discutir esse aspecto). Como explicar o recuo rapidíssimo do governo depois que os generais gritaram que NÃO concordavam? (Lula chegou a dizer que não havia lido o documento, tal a vontade de se justificar perante eles). O que os militares entendem por “respeito à Constituição”? Até que ponto o rearmamento (necessário) que o governo está promovendo conquistou as Forças Armadas? Até que ponto oficiais das três armas podem ter sido convertidos ao petismo?
Queremos e precisamos ser informados a esse respeito, mas infelizmente não está acontecendo. O assunto “militares”é tabu: nossos analistas correm léguas para não tocar nele.
Nós não somos a Noruega. Temos que colocar as Forças Armadas em nosso cenário. E o próprio presidente, sem querer, chamou a atenção para isso. Poucos meses atrás, Lula disse : “Foi uma benção eu haver perdido a eleição para o Collor. Se eu tivesse sido eleito, ou faria uma revolução ou seria derrubado em seis meses”. Quem seriam os que o derrubariam? O Congresso votando um impeachment, ou os militares? Os dois em comum acordo? Não fomos nós que levantamos a questão, mas o próprio Presidente da República. E, bem curioso: de que maneira Lula “faria uma revolução”? Não foi perguntado!
Ninguém quer ser acusado de estar pregando um golpe de estado. É o medo da patrulha petista, o medo da difamação e, sobretudo: estar compulsoriamente no clube dos radicais, sendo censurado até pelos amigos. Então vamos continuar fazendo análises excluindo os militares, como se eles não existissem, não fossem responsáveis por várias intervenções na vida política do país.
Como explicar uma oposição que não processou Lula no episódio do mensalão? A alegação é que houve cuidado para “preservar as instituições”. Como? Alguém de fato entendeu o que se passou? Sabemos que seria um processo normal, respeitados os preceitos constitucionais. Um pedido de impeachment por corrupção. Deveria ter sido encarado como um dever da Oposição, e poderia ter sido aprovado, ou não. O que houve para nem ter sido proposto? A Síndrome do Golpe.
A respeito da “virada”- que Serra ainda acha possivel – uma articulista escreveu: “A oposição quer fazer em 40 dias o que não conseguiu em 8 anos”. Parece um pouquinho arrogante que o sarcasmo sobre a pouca coragem dos oposicionistas tenha vindo dos que nunca conseguiram dizer uma palavra sobre o fator militar no episódio do mensalão, e muito menos quando surgiu o problema no Programa de Direitos Humanos. A imprensa apenas noticiou – muito diferente de analisar. A síndrome do Golpe.
Instituto Millenium(Publicado em “Reflexões Radicais”)
Skip to content