Escolha uma Página
Vitor Abdala
Imagem: Portal São Francisco
O Monumento Nacional aos Mortos da 2ª Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, completou ontem (5) 50 anos. O memorial, inaugurado em 1960, guarda os restos mortais de 462 soldados brasileiros que morreram durante as batalhas da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Itália, na década de 40.
O monumento poderá, em breve, ser tombado como patrimônio histórico nacional. Segundo o diretor de Patrimônio Histórico e Cultural do Exército, general Juarez Aparecido de Paula Cunha, o tombamento do conjunto arquitetônico deverá ser discutido na próxima reunião do Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A reunião ainda não tem data marcada, segundo informou a assessoria de imprensa do Iphan.
“[O tombamento] favorece o monumento de várias maneiras. Primeiro, pelo reconhecimento pela nação brasileira como patrimônio nacional. Segundo, que temos alguma facilidade até mesmo em termos de recursos para a manutenção do monumento”, disse o general.
Os restos mortais dos mais de 400 soldados brasileiros que morreram na Itália permaneceram durante muitos anos no Cemitério de Pistoia, em território italiano. Em 1952, o governo brasileiro resolveu trazer os corpos para o país e construir um monumento em homenagem aos soldados.
O conjunto arquitetônico, que reúne um museu e o mausoléu, é marcado por uma plataforma, uma escultura metálica em forma de avião e um grande pórtico que guarda o túmulo de um dos 13 “soldados desconhecidos” mortos na guerra.
“O Brasil teve uma participação durante a 2ª Guerra Mundial muito importante. Nós mandamos para a Itália uma divisão expedicionária com 25 mil homens, que fizeram um trabalho operacional em defesa dos nossos princípios e dos nossos valores”, afirmou Cunha, ao lembrar que muitos desses jovens acabaram morrendo. “Eles foram e são nossos heróis, por isso temos que reverenciar a memória deles”, afirmou.
Segundo o general, apenas o corpo de um soldado permaneceu no Cemitério de Pistoia, na Itália, como um símbolo da presença brasileira em terras italianas durante a guerra.
Edição: Juliana Andrade
Skip to content