Escolha uma Página

Fabricante dos caças F-18 Super Hornet, que disputam a concorrência FX-2 para fornecer os novos caças de ataque da Força Aérea Brasileira (FAB), a Boeing Company, dos EUA, confirmou hoje que se ofereceu ao governo do Brasil para pagar uma multa pelo não-cumprimento de eventuais obrigações contratuais.

PUBLICIDADE
(function(){
var mp=’http://l.yimg.com/x/i/img2/201003/’,e=’adswf6024733′,w=300,h=250;
YahooAd = [{
t:’flash’,ver:’7′,e:e,w:w,h:h,src:mp+’minsaude_influenza_populacao_yahoo_300x250_noticias.swf’,flashparams:{wmode:’opaque’,loop:’true’},flashvars:{
clickTAG:’http://br.ard.yahoo.com/SIG=15mepkm6r/M=765208.14002528.13956688.4309149/D=brnews/S=97671274:LREC/_ylt=AiXbuPeGTozztmJU.FIqxW9qWNIF/Y=BR/EXP=1268222825/L=zoAG5MiYqKv7qZuxStRPwgRMvQr_jEuXb0kABEBC/B=miELBsiYqD0-/J=1268215625291464/K=6dt3MC1z3zX9gXRuf1KlnA/A=6024733/R=0/id=flashlink/SIG=11s7fk6jc/*http://hrads.valuead.com/reference;bid=211,gid=49,pid=1047′
}},{
t:’image’,e:e,w:w,h:h,src:mp+’minsaude_influenza_populacao_yahoo_300x250_noticias.gif’,
click:’http://br.ard.yahoo.com/SIG=15mepkm6r/M=765208.14002528.13956688.4309149/D=brnews/S=97671274:LREC/_ylt=AiXbuPeGTozztmJU.FIqxW9qWNIF/Y=BR/EXP=1268222825/L=zoAG5MiYqKv7qZuxStRPwgRMvQr_jEuXb0kABEBC/B=miELBsiYqD0-/J=1268215625291464/K=6dt3MC1z3zX9gXRuf1KlnA/A=6024733/R=1/id=altimg/SIG=11s7fk6jc/*http://hrads.valuead.com/reference;bid=211,gid=49,pid=1047′
}];
})();

<a href=”http://br.ard.yahoo.com/SIG=15mepkm6r/M=765208.14002528.13956688.4309149/D=brnews/S=97671274:LREC/_ylt=AiXbuPeGTozztmJU.FIqxW9qWNIF/Y=BR/EXP=1268222825/L=zoAG5MiYqKv7qZuxStRPwgRMvQr_jEuXb0kABEBC/B=miELBsiYqD0-/J=1268215625291464/K=6dt3MC1z3zX9gXRuf1KlnA/A=6024733/R=2/id=noscript/SIG=11s7fk6jc/*http://hrads.valuead.com/reference;bid=211,gid=49,pid=1047″ target=”_blank”><img src=”http://l.yimg.com/x/i/img2/201003/minsaude_influenza_populacao_yahoo_300x250_noticias.gif” width=”300″ height=”250″ border=”0″ /></a>

if(window.yzq_d==null)window.yzq_d=new Object();
window.yzq_d[‘miELBsiYqD0-‘]=’&U=13fse6t3t%2fN%3dmiELBsiYqD0-%2fC%3d765208.14002528.13956688.4309149%2fD%3dLREC%2fB%3d6024733%2fV%3d1’;
<img width=1 height=1 alt=”” src=”http://row.bc.yahoo.com/b?P=zoAG5MiYqKv7qZuxStRPwgRMvQr_jEuXb0kABEBC&T=13uic1gaa%2fX%3d1268215625%2fE%3d97671274%2fR%3dbrnews%2fK%3d5%2fV%3d2.1%2fW%3dHR%2fY%3dBR%2fF%3d4082616938%2fQ%3d-1%2fS%3d1%2fJ%3d74A898C8&U=13fse6t3t%2fN%3dmiELBsiYqD0-%2fC%3d765208.14002528.13956688.4309149%2fD%3dLREC%2fB%3d6024733%2fV%3d1″>

A empresa ressaltou, porém, que o oferecimento foi feito apenas como “demonstração de confiança”, não por incerteza do cumprimento de qualquer item que venha a ser contratado. Em nota, a empresa afirmou ainda não acreditar que a FAB vá pedir a penalidade e fez um breve histórico de sua atuação na transferência de tecnologia. O maior temor do País é que, no futuro, o governo ou o Congresso americano vetem a cessão de itens tecnológicos aos brasileiros.
“A Boeing tem um registro excelente em seus programas de transferência de tecnologia no mundo. Já completamos mais de R$ 60 bilhões em programas de participação industrial, todos cumpridos integralmente antes ou dentro do prazo estipulado. É este histórico que faz a Boeing confiante de que executaremos todas as obrigações de transferência de tecnologia que fizemos no Brasil como parte da concorrência pelo programa FX-2. A Boeing não acredita que a FAB irá requerer uma penalidade financeira para obrigações não satisfeitas. No entanto, ofereceu a penalidade como demonstração de confiança, e não por incerteza do não cumprimento de qualquer obrigação”, diz o texto.
A nota foi uma reação a declarações do ministro da Defesa, Nelson Jobim. Na última sexta-feira, ele afirmou que a empresa oferecera, por carta, um seguro de 5% do valor da tecnologia a ser transferida (caso não ocorra a transferência) e disse que a oferta gerara no governo a percepção de que nem a Boeing tinha segurança sobre a possibilidade de transferência. Os americanos disputam a concorrência, de US$ 10 bilhões, contra o Rafale-C, da francesa Dassault – que tem a preferência do governo – e contra o Grippen NG, da sueca Saab.
Os EUA iniciaram recentemente uma ofensiva para tentar vencer a concorrência. O porta-aviões USS Carl Vinson, com Super Hornets a bordo, esteve no Rio. E vieram ao País autoridades americanas, como a secretária de Estado, Hillary Clinton, e o secretário de Comércio, Gary Locke.
ESTADÃO ONLINE

Skip to content