Escolha uma Página
Durante a comemoração da vitória do Flamengo sobre o Corinthians, na madrugada de segunda-feira, o paraquedista do Exército Bruno Mariano da Rocha Souza, de 26 anos, o cabo Mariano, acabou reconhecido e sequestrado por traficantes na saída de um bar, em Trindade. Horas depois, seu carro, Fiat Uno verde musgo, foi encontrado depenado no mesmo bairro. Ontem, o corpo do militar apareceu boiando em um valão no Jardim Catarina. Frequentadores do bar afirmaram que o crime teria ocorrido a mando do traficante Bruninho BR, que controla o tráfico na Favela Três Campos, em Trindade, e no Morro do Martins, em Neves.
A descontração com a vitória do clube de coração, que havia acabado de assumir a liderança do Campeonato Brasileiro, e a confiança em recém-conhecidos podem ter sido as causas do assassinato do cabo Mariano. Lotado no 27º Batalhão de Infantaria Paraquedista, em Deodoro, no Rio, ele deixou sua casa no Bairro Antonina, no domingo, e foi assistir ao jogo no bar. A comemoração acabou se estendendo e, ao raiar do dia, o militar jogava sinuca com um homem branco, tatuado no braço esquerdo.
Segundo clientes do estabelecimento, traficantes do local tomaram conhecimento da patente do Exército da vítima e armaram uma emboscada. “Quem estava lá disse que quando os bandidos descobriram que ele era militar planejaram a execução na hora”, contou um amigo.
O desaparecimento do cabo Mariano foi registrado no mesmo dia na 72ª DP (Mutuá). O carro foi encontrado pouco tempo depois sem o rádio e a bateria. Os documentos do Exército estavam no porta-luvas. Ontem, às 10h, a família aguardava a remoção do corpo do valão, situado no final da Rua 18, no Jardim Catarina. Em estado de decomposição, a vítima foi reconhecida pelos nomes dos filhos, tatuados nos braços. “Temos certeza que ele foi morto porque era militar. Não roubaram a pulseira de ouro, mas levaram o cordão do brevê de paraquedista”, frisou um parente.
O militar servia há sete anos em Deodoro, era casado há cinco, e deixou dois filhos. Policiais da 74ª DP (Alcântara) investigam o crime. O corpo será enterrado, hoje, em São Gonçalo.
Skip to content