Escolha uma Página
Atualização das 12:00h
O Comando da Aeronáutica informou que foi localizado hoje (1º) o corpo do suboficial Marcelo dos Santos Dias, o único que continuava desaparecido depois do acidente com a aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB). O corpo foi localizado próximo do avião



Atualização das 09:00h

Sobreviventes descrevem atos de coragem e heroismo de suboficial
Sobreviventes do acidente informaram que o suboficial, mecânico do avião, foi arrastado pela correnteza junto com a carcaça do avião, depois de ajudar a salvar a vida de vários colegas de viagem. Os atos de coragem e heroísmo de Santos Dias foram descritos ao diretor do Hospital Geral de Juruá, Marcos Melo, pelos sobreviventes, resgatados na sexta-feira.

Numa roda de conversa no hospital, os sobreviventes foram unânimes em atribuir à perícia e à habilidade dos pilotos da Força Aérea Brasileira (FAB) e também “à vontade de Deus” a responsabilidade pela sobrevivência do grupo .
Segundo Melo, Santos Dias ajudou a tirar vários passageiros do avião e, cansado com o desgaste físico, não teve forças suficientes para escapar como os demais sobreviventes. Ele teria permanecido dentro da aeronave, levado pela correnteza do rio. ( Memória: acidentes com aeronaves da FAB )

– Alguns sobreviventes disseram, no hospital, que ele (Santos Dias) ajudou bastante os passageiros a sair da aeronave. Ele teria ficado cansado e foi arrastado pela correnteza – diz o médico.
A partir daí, os sobreviventes não sabem o que aconteceu com o suboficial. Alguns deles relataram a Melo que o funcionário da Funasa também desaparecido ficou paralisado com o desastre e, quando tentou esboçar reação, já era tarde demais. Ele também teria permanecido dentro do avião, arrastado pelas águas do rio.

– A correnteza é muito forte – afirma Melo.

 

Atualização das 20:00h
A FAB divolgou há pouco que foi encontrado o corpo de João de Abreu Filho, funcionário da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que estava desaparecido. Permanecem as buscas ao suboficial  Marcelo dos Santos Dias, mecânico da aeronave.

Uma clareira com dimensões oficialmente ainda não informadas foi aberta na área onde a Força Aérea e o Exército Brasileiro encontraram o avião C98 Caravan, que havia desaparecido na manhã da última quinta-feira (29).

O local fica ao norte da cidade acreana de Cruzeiro do Sul, mas em território amazonense, mais precisamente no município de Atalaia do Norte, a cerca de 1.138 quilômetros de Manaus.
A informação foi confirmada pelo comandante do 7º Comando Aéreo Regional, major-brigadeiro, Jorge Cruz de Souza e Mello.
Ele apresentou novas informações sobre as ações de busca que continuam, para localizar dois, dos 11 passageiros que estavam no avião. O servidor da Fundação Nacional de Saúde, João Abreu Filho, e o suboficial Marcelo dos Santos Dias são tidos como desaparecidos. Ainda existe a expectativa de que eles estejam vivos.
“Os sobreviventes estão muito abalados e as informações que eles prestaram ainda não podem ser levadas totalmente em consideração. Existe uma confusão normal diante do que eles testemunharam”, disse Souza e Mello.
Os nove sobreviventes que foram resgatados ontem já receberam alta médica. Os militares que estavam no avião chegaram a Manaus na noite de ontem. Os passageiros civis também já saíram de Cruzeiro Do Sul – onde foram atendidos – e desembarcarão em Tabatinga nesta tarde.
Desde as primeiras horas da manhã deste sábado (31), as equipes de resgate estão concentradas nas atividades feitas no local do acidente. A prioridade é resgatar os desaparecidos. O primeiro foco da ação são as buscas feitas por helicóptero e por mergulhadores no Igarapé Jacuratá. Outros militares estão tentando cessar a aeronave, que está totalmente submersa, para checar se um dos desaparecidos se encontra dentro dela.
A FAB ainda não sabe como a aeronave será retirada do local. Equipes estão analisando a situação para encontrar a melhor alternativa. Não há data para essa retirada. Esse é o primeiro acidente registrado com avião modelo Caravan da FAB.

FAB: HÁ INDÍCIOS DE SOBREVIVENTES
Atualização das 15:00h
O resgate das duas pessoas que continuam desaparecidas após o acidente com o C-98 Caravan da FAB, na Amazônia, é a prioridade do Comando da Aeronáutica, segundo informa o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica. As buscas aéreas, que foram interrompidas na sexta-feira à noite e foram retomadas na manhã de hoje, tentam encontrar João de Abreu Filho, funcionário da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), e o suboficial Marcelo dos Santos Dias, mecânico da aeronave.
Em entrevista coletiva, o Brigadeiro Souza Melo, da Aeronáutica, afirmou que há indícios de que pode haver sobreviventes da aeronave. As buscas continuam com um helicóptero, a ajuda de equipes do Exército, da Marinha, do Corpo dos Bombeiros de Cruzeiro do Sul (AC) e de índios. Uma clareira já foi aberta no local e as equipes contam com botes e equipamentos de mergulho. Ainda durante a madrugada quatro militares da FAB continuaram a operação por terra e no rio Ituí durante a madrugada.
Na entrevista, o Brigadeiro informou que passam bem os nove ocupantes da aeronave que foram resgatados. Os seis civis pernoitaram em Cruzeiro do Sul, no Acre, e devem seguir hoje em voo da FAB para Tabatinga, no Amazonas. Os três militares chegaram ontem em Manaus, onde foram recebidos por seus familiares e amigos. De acordo com a FAB, ainda não se sabe a causa do acidente, e a investigação não tem prazo para ser concluída. A tripulação do C-98 Caravan foi entrevistada pela comissão que investiga o acidente, a fim de que o maior número de dados possíveis seja coletado, para a prevenção de acidentes aeronáuticos.
YAHOO NOTÍCIAS
AVIÃO POUSOU EM IGARAPÉ E ESTÁ SUBMERSO A CINCO METROS
Atualização das 00:00h
Amanda Mota

Manaus – O major-brigadeiro, Jorge Cruz de Souza e Mello, comandante do 7º Comando Aéreo da Amazônia informou há pouco, em Manaus, que a aeronave C-98 Caravan encontra-se submersa no Igarapé Jacurapá, na margem direita do Rio Ituí, no estado do Amazonas. Ele confirmou que o avião realizou pouso forçado e foi encontrado dez milhas fora de sua rota. “O piloto tem mais de mil horas de voo no Caravan e com certeza tomou a melhor decisão ao pousar no rio. Tudo indica que a aeronave está submersa 5 metros neste igarapé”.
O local do acidente é uma área de mata fechada e de difícil acesso, o que dificultou o resgate dos nove sobreviventes. As operações de busca aos outros dois ocupantes desaparecidos: João de Abreu Filho, funcionário da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e o suboficial Marcelo dos Santos Dias, mecânico do avião, continuam sendo realizadas e irão continuar ao longo da noite, se necessário.
O trabalho de busca é executado por equipes de resgate da Força Aérea Brasileira (FAB) e do Exército Brasileiro que contam com oito aeronaves entre helicópterros e aviões. Mergulhadores da FAB foram acionados para ajudar nesta localização.
Indígenas da tribo Marubo também participam das operações de busca dos desaparecidos, fornecendo informações por meio de rádio amador, com auxílio da Fundação Nacional do Índio (Funai). Os três tripulantes resgatados moram em Manaus e devem retornar para a cidade ainda hoje. Os seis funcionários da Funasa, residem em Atalaia do Norte e Tabatinga e devem retornar as suas casas assim que forem liberados da avaliação médica. No momento, eles permanecem em Cruzeiro do Sul, no Acre, no Hospital Geral do Juruá.
Antes do acidente, a aeronave voava a 9 mil pés e emitou um sinal de alerta ao Salvaero, órgão da FAB responsável por operações de busca e resgate no país, 58 minutos após a decolagem de Cruzeiro do Sul, às 8h 30 no horário local. A dificuldade para localizar a aeronave, segundo Souza e Mello, ocorreu porque o sinal de alerta não informa o local onde a aeronave se encontrava.

Atualização das 18:00
Os nove sobreviventes:1° Tenente Carlos Wagner Ottone Veiga, o 2° Tenente José Ananias da Silva Pereira e o 1° Sargento Edmar Simões Lourenço. Também foram resgatados seis funcionários da Funasa: Diana Rodrigues Soares, Marcelo Nápoles de Melo, Maria das Dores Silva Carvalho, Maria das Graças Rodrigues Nobre e Marina de Almeida Lima e Jositéria Vanessa de Almeida.

SOBREVIVENTES JÁ ESTÃO EM CRUZEIRO DO SUL. MORRERAM UM MILITAR DA FAB E UM SERVIDOR DA FUNASA
Atualização das 16:00h
Ivan Richard
Enviado da Agência Brasil

Os nove sobreviventes do acidente com o avião da Força Aérea Brasileira (FAB), ocorrido ontem (29), na Região Norte, chegaram hoje (30) ao aeroporto de Cruzeiro do Sul (AC). Os corpos das duas pessoas mortas no desastre ainda não foram resgatados.

A aeronave Caravan C-98 da FAB, que partiu de Cruzeiro do Sul com destino a Tabatinga (AM), fez um pouso forçado no Rio Ituí, afluente do Rio Javari, entre as aldeias Aurélio (da tribo dos matis) e Rio Novo (da tribo dos murgos). O avião foi localizado por índios da tribo dos matis, que avisaram as autoridades sobre o desastre.
Segundo o major Sivieri, da assessoria de Aeronáutica, os sobreviventes estavam conscientes no momento do resgate e foram levados para um centro de convenções ao lado do aeroporto de Cruzeiro do Sul, onde estão sendo atendidos.
Ainda segundo o major, um dos mortos é um militar da FAB e o outro é servidor da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

AVIÃO FEZ POUSO DE EMERGÊNCIA EM RIO

Atualização das 15:00h
O Comando da Aeronáutica informou que a aeronave da Força Aérea Brasileira conseguiu pousar no Rio Ituí, afluente do rio Javari, entre as aldeias Aurélio e Rio Novo
A Fundação Nacional de Saúde (Funasa) confirmou que nove pessoas que estavam a bordo da aeronave C-98, desaparecida ontem (20), sobreviveram. Um dos técnicos da instituição ainda está preso às ferragens do avião – não se sabe se vivo ou morto – e um militar da Força Aérea Brasileira (FAB) está desaparecido.

AVIÃO LOCALIZADO. HÁ INDÍCIOS DE SOBREVIVENTES

Atualização das 13:30h
A FAB confirmou que há indícios de sobreviventes, mas não confirmou quantos são.

Atualização das 13:00h

O Comando da Aeronáutica anunciou que índios da tribo Matis disseram à Funai que encontraram o avião desaparecido. Ele estaria em meio à Floresta Amazônica, entre as Aldeias Aurélio e Rio Novo. Há relatos de sobreviventes, mas o Comando da Aeronáutica não confirmou.

AGÊNCIA BRASIL



DIVULGADOS OS NOMES DOS PASSAGEIROS DO VÔO

No fim da manhã, o Comando da Aeronáutica divulgou os nomes dos quatro tripulantes que estavam na aeronave. São eles: Carlos Wagner Ottone Veiga, 1° tenente, José Ananias da Silva Pereira, 2° tenente, Marcelo dos Santos Dias, suboficial, e Edmar Simões Lourenço, 1° sargento. Da FUNASA, os técnicos Diana Rodrigues Soares, João de Abreu Filho,  Marcelo Nápoles de Melo, Maria das Dores Silva Carvalho, Maria das Graças Rodrigues Nobre e Marina de Almeida Lima e a enfermeira Jositéia Vanessa de Almeida.

Atualização de 30/10, as 12:00h
RIO – As buscas pelo avião modelo C-98 Caravan da Força Aérea Brasileira (FAB), que desapareceu na manhã de quinta-feira , com 11 pessoas a bordo, na Amazônia, continuam nesta sexta-feira. No fim da manhã, o Comando da Aeronáutica divulgou os nomes dos quatro tripulantes que estavam na aeronave. São eles: Carlos Wagner Ottone Veiga, 1° tenente, José Ananias da Silva Pereira, 2° tenente, Marcelo dos Santos Dias, suboficial, e Edmar Simões Lourenço, 1° sargento. ( Memória: acidentes com aviões e helicópteros da FAB nos últimos oito anos )
De acordo com a FAB, as buscas prosseguiram durante toda a madrugada, mas até agora não há sinais da aeronave. Oito aviões – sete da Força Aérea e um do Exército – participam das buscas nesta sexta-feira. São dois helicópteros H-60L BlackHawk, um helicóptero HM-3 Super Cougar (Exército), um KC-130 Hércules, um SC-95 Bandeirante, dois C-105 Amazonas e um R-99.
“Até o momento, não houve qualquer avistamento por parte das equipes de buscas”, diz trecho da nota divulgada.

O GLOBO

FAB INICIA BUSCAS AO AVIÃO QUE DESAPARECEU NA AMAZÕNIA
Atualização das 22:20h
O avião que desapareceu nesta quinta-feira na Amazônia emitiu sinal de emergência 58 minutos após a sua decolagem, realizada em Cruzeiro do Sul, no Acre. A informação é do Salvaero, órgão da FAB (Força Aérea Brasileira) que coordena as operações de busca da aeronave, que viajava para Tabatinga, no Amazonas. Onze pessoas estão dentro do avião, sete delas funcionários da Funasa (Fundação Nacional da Saúde).
Com base nestas informações do ELT e dos últimos contatos pelo radar e rádio com o controle de tráfego aéreo, o Salvaero estabeleceu uma área para o início da procura.
Há sete aeronaves da FAB e uma do Exército Brasileiro participam das buscas ou estão em deslocamento para a região: dois helicópteros H-60L Blackhawk, um helicóptero HM-3 Super Cougar (Exército), um KC-130 Hércules, um SC-95 Bandeirante, dois C-105 Amazonas e um R-99.
O trabalho irá prosseguir durante a noite, com uma aeronave de reconhecimento R-99, que tem sensor para varredura térmica. Este modelo foi usado nas buscas dos destroços Airbus da Air France, desaparecido no oceano Atlântico em maio deste ano.
A equipe de funcionários da Funasa que estão na aeronave da FAB é formada por um enfermeiro e seis técnicos de enfermagem. No entanto, não há informações se havia mais pessoas dentro do avião. O grupo partiu de Cruzeiro do Sul e seguia para Tabatinga, onde iria de barco até Atalaia do Norte, para participar da operação gota, uma campanha de vacinação do Ministério da Saúde em parceria com a FAB para áreas de difícil acesso, principalmente em áreas indígenas.
CORREIO DO POVO

AVIÃO DA FAB CAI NA AMAZÔNIA COM ONZE PESSOAS A BORDO
Amanda Mota

Equipes da Força Aérea Brasileira (FAB) procuram pelo avião que desapareceu na manhã de hoje (29), depois de ter partido de Cruzeiro do Sul, no Acre, com destino a Tabatinga, no sudoeste do Amazonas. O avião é um C-98 Caravan da FAB. A confirmação do desaparecimento foi feita pelo Comando da Aeronáutica há pouco.
Dois helicópteros H-60 Blackhawk e um avião C-105 Amazonas da FAB já se encontram na região entre Tabatinga e Cruzeiro do Sul para fazer as buscas. A área entre as duas cidades compreende a terra indígena do Vale do Javari, onde as únicas presenças humanas são do destacamento de fronteira do Exército Brasileiro e de povos indígenas.
A aeronave tinha 11 pessoas a bordo que participavam de ação de vacinação do Ministério da Saúde. O avião pertence ao 7º Esquadrão de Transporte Aéreo e tem capacidade para transportar 14 pessoas e quatro tripulantes.
Os prováveis viajantes eram seis profissionais da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), uma servidora da prefeitura de Atalaia do Norte, município amazonense, e quatro tripulantes: um piloto, um co-piloto e dois mecânicos, mas o Comando da Aeronáutica ainda não confirmou oficialmente a lista de passageiros.
O modelo C-98 Caravan foi desenvolvido no início dos anos 80 nos Estados Unidos para transporte de pequenas cargas e passageiros em curtas distâncias. No Brasil é utilizado desde 1987 em tarefas de apoio, utilitárias e de evacuação aeromédica. Também é usado pelo Correio Aéreo Nacional e em ações cívico-sociais do Exército Brasileiro.
Imagem:O GLOBO

Skip to content