Escolha uma Página
Clóvis Brigagão: cientista político da Universidade Cândido Mendes; para analista, Brasil está “mudando de padrão internacional”, mas ainda tem problemas a resolver pela frente.
Wilson Tosta
O cientista político Clóvis Brigagão, da Universidade Cândido Mendes, não vê exagero na ideia de que o Brasil está ganhando importância internacional. “De uma espécie de baleia, está se transformando num peixe mais ágil”, diz. Pondera, porém, que o País não deve virar “uma superpotência”.
Em entrevista ao Estado, Brigagão aponta ainda rumos a corrigir. “O Brasil precisa ter uma política de defesa.”
O que há de exagero e verdade sobre crescimento da importância do País nas relações internacionais?
Acho que o Brasil está mudando de padrão internacional. Vamos usar uma figura: de uma espécie de baleia, está se transformando num peixe mais ágil. Não digo que seja um tubarão, mas um peixe mais ágil nesse mar internacional. Estou usando a imagem em função da questão do pré-sal, que vai ter um padrão diferente, e também pela necessidade de, em função deste pré-sal, o Ministério da Defesa reaparelhar num padrão mais alto as Forças Armadas, principalmente a Marinha, com submarinos convencionais e de propulsão nuclear. Se adquirirmos esses equipamentos, junto com o pré-sal, com novas compras que o Brasil vai fazer junto à França, aos Estados Unidos ou à Suécia, isso reequipa o Brasil para um status mais alto. Não digo que vá virar uma superpotência, mas vai adquirir uma postura.
O País estaria virando uma potência média?
O Brasil já é uma potência média, no sentido econômico. Está entre os Brics, dirige o G-20, foi incorporado ao G-8, está querendo assumir uma cadeira no Conselho de Segurança, é um ator global, no sentido econômico estratégico. Agora, está alçando um voo um pouco mais alto, com essa questão da ligação entre a descoberta do pré-sal e um sistema de defesa mais elevado, mais sofisticado.
 Temos condições de dar conta de tudo isso no plano internacional?
Temos. Talvez o que nos falte seja gestão de recursos humanos. O Itamaraty tem os seus mil e tantos diplomatas experientes, profissionais, está formando cem por ano, mas isso é pouco para o que o Brasil pretende ser como ator global. Então, é preciso formar mais profissionais na área econômica, na área tecnológica, na área política, na área das missões de paz, na área do multilateralismo. Além do Itamaraty, têm de entrar as universidades e as corporações empresariais.
A ideia de um Brasil mais assertivo nas relações internacionais, então, não é megalomania?
Não, não é megalomania não. Isso é coisa do atual governo? É do atual governo, porque é mais ativo, mas é dos governos do Brasil, mais recentes, e também de todos os para trás. É uma política de Estado.
As compras de armas fazem sentido, do ponto de vista estratégico?
O que o Brasil precisa é ter uma política de defesa. Temos ainda uma política do Exército, uma da Marinha e uma Aeronáutica que toma conta de aeroporto. Temos que ter uma política de defesa integrada – os nossos objetivos são esses.
O senhor acha que há uma corrida armamentista na região?
Não acho, mas está havendo uma capacidade de compra das Forças Armadas, o que pode levar a uma corrida. Um vai querer igualar o outro.
Fonte: O Estado de São Paulo
Do blog DEFESA BRASIL
Skip to content