Escolha uma Página

Diego Lage

A tristeza tomou conta ontem da avenida John Sanford, em Sobral, na região Norte do Estado. Foi um dia para parentes, amigos e vizinhos prestarem solidariedade à família do jovem Germano Leôncio de Oliveira Filho, 23. “Não para de chegar de gente aqui“, comentava a mãe, Vera Lúcia Santos Oliveira. O rapaz era aluno do Curso de Formação de Sargentos (CFS) do Exército e, na última quarta-feira, foi encontrado morto na Serra do Penedo, em Maranguape, onde funciona um campo de instrução militar.
Germano participava de atividades de instrução. Segundo a 10ª Região Militar, na tarde de terça-feira a ausência do rapaz foi notada por colegas. As buscas, iniciadas imediatamente, foram feitas por instrutores, alunos e militares. Uma nota oficial diz que o corpo foi localizado quarta-feira, às 6 horas.
O caso é acompanhado pela Delegacia de Maranguape. O Comando do 23º Batalhão Exército abriu inquérito. Segundo o Instituto Médico Legal (IML), o laudo deve ficar pronto em 30 dias. Já o inquérito tem prazo de 40 dias, prorrogáveis por mais 20. O corpo não apresentava sinais de violência e estava em estado de putrefação.
O POVO teve acesso a um ofício, assinado pelo tenente-coronel Evandro Belém Gondim Júnior, em que é apontada como causa suspeita “parada cardiorrespiratória“. Dois homens do Exército, na manhã de ontem, compareceram ao IML, mas não conversaram com a imprensa. O POVO apurou que ambos teriam ido buscar amostras de sangue, mas a informação não foi confirmada pela 10ª Região.
O corpo foi reconhecido pelo pai, Germano Leôncio, no fim da manhã. Por volta de 16 horas, ele retornava a Sobral e disse que o enterro seria realizado ainda ontem, assim que estivesse de volta à cidade. O advogado da família, Flávio Aragão, adiantou que será pedida a prioridade na elaboração do laudo, para que o documento esteja pronto antes do prazo.
“Era um menino maravilhoso. Não bebia, não fumava, nem ia a festas. Ajudava muito em casa. E nunca me deu trabalho. Todo dia ele ligava para mim“, lamentava a mãe. Segundo ela, Germano deixou Sobral em 30 de maio, após sua aprovação para o curso, com duração de 18 meses. “Ele dizia, no início (do curso), que era muito pesado, mas já estava se acostumando“, contou ela. A mãe informou ainda que o sepultamento seria no cemitério São Francisco.
Hoje seria um dia especial para seu Germano, dona Vera e os irmãos de Germano Filho. Ele iria a Sobral passar a folga de quatro dias com a família. “É uma família humilde, mas educada e decente. Ele era muito estudioso, tanto que passou no curso. A conduta dele era exemplar“, reitera um vizinho, José Fonteles Júnior, 41.
Skip to content