Escolha uma Página
General diz que governo já fez tudo para esclarecer suposto encontro entre Dilma e Lina
O ministro Jorge Armando Félix (Gabinete de Segurança Institucional) disse nesta quarta-feira que o governo já “fez o possível” para esclarecer o suposto encontro entre a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira e a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil). Lina disse que teria recebido de Dilma um pedido para “agilizar” as investigações na Receita sobre familiares do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Dilma nega o encontro.
O general afirmou que está à disposição dos parlamentares para prestar esclarecimentos no Congresso e ainda para mostrar como o sistema de segurança do Palácio do Planalto funciona.
“Já fizemos o que era possível para esclarecer. Inclusive foi feito um convite por intermédio dos presidentes da Câmara e do Senado, estendendo o convite a qualquer deputado e senador que queira ir conhecer o funcionamento do sistema de segurança do Palácio. Continuamos à disposição. Os parlamentares que quiserem ir, agora, mais que isso, se tiver que vir aqui esclarecer eu virei”, disse.
A oposição questiona a resposta da Casa Civil entregue aos deputados informando que o Palácio do Planalto não tem como fornecer cópias das gravações do circuito interno e externo de segurança porque as imagens são descartas após 30 dias.
Os líderes da oposição tiveram acesso a um relatório informal elaborado por um técnico do governo que mostra que o equipamento utilizado para monitorar as entradas e saídas do palácio é de última geração e tem capacidade para guardar as imagens por mais de um ano e ainda é capaz de conferir a partir da captação da placa do carro a identificação do proprietário do veiculo.
O software pode ainda verificar se há outros registros de acesso ao prédio de determinado carro.
“A resposta da Casa Civil e do GSI [Gabinete de Segurança Institucional] não são compatíveis com o dado que recebemos. O relatório mostra que há uma interação no sistema que é um dos mais modernos e sofisticados capaz de armazenar imagens. É difícil acreditar que o Palácio ainda tenha um sistema tão arcaico que descarta imagens”, disse o líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO).
No ofício encaminhado, no mês passado, a primeira-secretaria da Câmara, a Casa Civil afirmou que os “veículos que transportam autoridades, após reconhecidos, não têm suas placas anotadas” e ainda que “conforme as especificações do contrato relativo ao sistema de segurança, assinado em 2004, o período médio de armazenamento das imagens varia em torno de 30 dias e como as câmeras são acionadas por sensores de movimento, o número de dias depende do trânsito de pessoas pela área”.
A oposição entregou um requerimento pedindo que a Mesa Diretora da Câmara solicite à Casa Civil cópia de todos os contratos de segurança e dos aditivos para checar as especificidades da prestação de serviço.
O requerimento está nas mãos do vice-presidente da Casa, deputado Marco Maia (PT-RS), desde 31 de agosto e ainda não foi encaminhado ao governo. “Nós vamos esperar a cópia desses contratos que são importantes para mostrar quem está faltando com a verdade”, afirmou.
A oposição também estuda aceitar o convite do ministro Jorge Felix (Gabinete de Segurança Institucional) para conhecer como funciona o esquema de segurança do Palácio do Planalto.
A ideia é constranger o general Felix, questionando as informações prestadas pelo Planalto em relação ao registro de entrada e saída de autoridades do prédio. “Nós vamos aceitar esse convite desde que possamos ir acompanhados de técnicos que possam avaliar as informações prestadas pelo governo”, afirmou
da Folha Online
Skip to content