Escolha uma Página
O Grupo de Trabalho Tocantins começa amanhã (11/08) a executar a terceira etapa do trabalho de buscas por corpos de guerrilheiros e militares mortos durante a “Guerrilha do Araguaia”. O trabalho de campo com escavações deverá durar até 31 de outubro. O coordenador do grupo de trabalho, Cleso Fonseca, consultor jurídico do Ministério da Defesa, e o coordenador de campo do MD no grupo de trabalho, Edmundo Theobaldo Müller Neto, acompanharão em Marabá o início das escavações. Os primeiros locais a serem escavados serão o pátio do DNIT em Marabá e a região identificada como Tabocão, também no Pará. Na quinta-feira passada (06/08) os integrantes do Comitê Interinstitucional de Supervisão das Atividades do Grupo de Trabalho Tocantins (GTT) reuniram-se pela primeira vez e acompanharam um balanço da etapa inicial das atividades de campo do grupo de trabalho. A reunião, que aconteceu no Ministério da Defesa, foi presidida pelo ministro Nelson Jobim e contou com a participação dos seguintes integrantes do Comitê Interinstitucional: ministro Paulo Vannuchi, Secretário Especial de Direitos Humanos, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Antonio Herman de Vasconcellos e Benjamin, Marco Antônio Barbosa, o presidente da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, Belysário dos Santos Júnior e Diva Santana, integrantes da Comissão de Mortos e Desaparecidos, o ex-procurador-geral da República Cláudio Fonteles, o ex-ministro da Justiça José Gregori, e a presidente da Ordem dos Advogados do Brasil-seção Distrito Federal (OAB-DF), Stefania Viveiros. Apenas o jornalista Ricardo Kotscho não pode comparecer à reunião por problemas de agenda. Antes da apresentação do balanço dos trabalhos, o ministro Jobim fez uma retrospectiva da decisão judicial e da conseqüente criação do Grupo de Trabalho Tocantins e do Comitê Interinstitucional de Supervisão das Atividades do GTT. O coordenador de campo do Ministério da Defesa no grupo de trabalho, Edmundo Theobaldo Müller Neto, apresentou fotos e informações sobre os 17 pontos visitados pelo GT nas duas etapas da fase de reconhecimento, que foi feita entre os dias 7 e 28 de julho. Dos 17 pontos visitados, 10 apresentaram indícios suficientes para serem submetidos a escavações. Essas áreas passarão, entre agosto e outubro, por uma varredura com radares de solo. Esses equipamentos apontarão com mais precisão os locais onde as escavações deverão ser feitas. A quarta fase do trabalho deverá ter início em novembro e consistirá na análise do material coletado, cruzamento de informações e elaboração dos relatórios. Leia mais.
Skip to content