Escolha uma Página
Os 1.200 militares brasileiros que integram a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah) vão ser substituídos por um novo grupo de fuzileiros e engenheiros militares. Nesta quinta-feira (25), 48 fuzileiros seguiram para o Haiti, onde vão se reunir aos 115 infantes que viajaram na última segunda-feira (22). Mais 1.037 militares deverão chegar ao país caribenho até o próximo dia 9.
A pretexto de garantir a lei e a ordem e proporcionar a estabilização política do país, considerado o mais pobre do hemisfério ocidental, os militares recrutados pela 11ª Brigada de Infantaria Leve do Exército, com sede em Campinas, São Paulo, passaram por um treinamento específico para o tipo de atividade que irão executar por, no máximo, sete meses.
Segundo o tenente-coronel José Mateus Ribeiro, da assessoria da 12ª Brigada de Infantaria Leve do Exército, unidade de origem de 150 dos fuzileiros sediada em Caçapava, São Paulo, o processo de seleção dos voluntários para servir no Haiti começou em outubro do ano passado e contou com avaliações física e psicológica, além de avaliação da formação profissional militar.
Além de se prepararem para atuar em conflitos em ambientes urbanos, garantir a segurança de instalações militares ou civis e fazer a escolta de autoridades, os militares também foram capacitados a desenvolver atividades sociais que beneficiem o povo haitiano. De acordo com Ribeiro, se for necessário, os brasileiros estão aptos a usar armas letais em conformidade com os procedimentos estabelecidos pela própria Organização das Nações Unidas (ONU).
Há cinco anos o Brasil coordena as tropas da Minustah, com o aval da ONU, cujo conselho autorizou a presença de militares estrangeiros na antiga colônia francesa, arrasada por anos de guerra civil, instabilidade política e seguidos desastres naturais.
Este é o 11º contingente a ser enviado ao país. Dos atuais 1.200 militares brasileiros a serviço no Haiti, há mil infantes (fuzileiros, médicos e dentistas) do Exército e da Marinha e 200 engenheiros militares. Com o contingente que assumirá a missão, viajarão cinco oficiais e 25 praças paraguaios, que irão atuar conjuntamente com os militares brasileiros.
Voluntário a seguir com as tropas, o tenente-coronel Ribeiro diz que todos os seus companheiros que já estiveram no Haiti voltaram chocados com a situação social haitiana. “O pessoal fica muito chocado com a experiência [de viver] em um país tão pobre, onde o nosso trabalho para manter a paz é muito importante, ajudando o país a se reorganizar”.
Questionado sobre a repercussão, entre as tropas, das críticas à presença militar estrangeira, o tenente-coronel se limitou a comentar que foi o próprio governo haitiano quem solicitou a ajuda internacional, que a ONU ainda entende ser necessária. “O processo de paz local precisa ser consolidado e amadurecido e é isso que estamos vendo ocorrer com o Haiti”, concluiu o militar. Leia mais.
Skip to content