Proteção Social Militar: “Vivemos numa nação de mentirosos!”

PROTEÇÃO SOCIAL MILITAR - DEFESA

 

Recebi este texto na área de comentários. Vale a leitura.

 

Vivemos numa nação de mentirosos! Quando diz que “Em 2023, as despesas com o Sistema de Proteção Social dos Militares das Forças Armadas somaram R$ 58,8 bilhões, um aumento de 85% em relação há dez anos. O gasto com aposentadorias do funcionalismo federal foi de R$ 94 bilhões, avanço de 46% no mesmo período. O saldo deficitário foi similar: R$ 49,7 bilhões para os militares (aumento de 67,8%) e R$ 54,8 bilhões para os servidores civis (incremento de 47%), segundo o TCU.”

Os militares contribuem com 10,5% de seus vencimentos para custear suas pensões e inatividade. A contribuição deveria compor um fundo para garantir pensões aos dependentes. Considerando uma taxa de retorno média das letras do tesouro de 0,89% ao mês, um cálculo simples demonstra que a união não deveria pagar nada aos pensionistas, pois o montante acumulado das contribuições individuais seria mais do que suficiente para cobrir as pensões. Na prática, tudo isso revela uma grande mentira e má gestão dos fundos previdenciários, lesando os contribuintes.

Vamos apenas aos fatos:

  • Apropriação dos Recursos pelo Estado: O Estado se apropria dos recursos das contribuições previdenciárias através de artifícios como a Desvinculação de Receitas da União (DRU). Isso permite ao governo redirecionar até 30% desses valores para outras áreas do orçamento, desviando fundos que deveriam ser exclusivamente usados para pensões e aposentadorias.
  • Criação de Autarquias e Conselhos Políticos: O Estado cria autarquias com muitos e bem remunerados funcionários para administrar esses fundos. Essas autarquias, além de serem caras, muitas vezes não são necessárias, pois a administração dos fundos poderia ser realizada por sistemas de informação eficientes, como qualquer conta bancária ou fundo de investimento.
  • Benefícios a Interesses Políticos: Conselhos políticos são formados para gerenciar esses valores, beneficiando-se diretamente deles. Isso gera uma administração ineficiente e com interesses alheios ao bem-estar dos contribuintes.
  • Desvinculação de Receita: O uso do artifício da desvinculação de receita permite ao Estado se apropriar de uma parte significativa dos valores destinados aos fundos previdenciários. Essa prática beneficia o governo, não apenas com este fundo, mas com todos os fundos previdenciários vinculados ao Estado.

Conclusão
Essas práticas indicam que o Estado está se beneficiando indevidamente dos recursos previdenciários. Em vez de garantir que as contribuições dos militares e servidores sejam usadas exclusivamente para suas aposentadorias e pensões, os recursos são desviados e mal administrados, resultando em prejuízos significativos para os contribuintes

Para entender e necessário uma análise objetiva.

Vamos calcular o montante acumulado ao longo de 35 anos, considerando a contribuição mensal de R$ 1.485,96 e uma taxa de remuneração média de 0,89% ao mês.

Para isso, utilizaremos a fórmula do valor futuro de uma série de pagamentos:

[ FV = P \times \left( \frac{{(1 + r)^n – 1}}{r} \right) ]

Onde:

( P ) é o pagamento periódico (R$ 1.485,96)
( r ) é a taxa de juros por período (0,89% ou 0,0089)
( n ) é o número total de pagamentos (35 anos * 12 meses/ano = 420 meses)

Vamos calcular usando os valores fornecidos:

( P = R$ 1.485,96 )
( r = 0,0089 )
( n = 420 )

Primeiro, calculamos ( (1 + r)^n ): [ (1 + 0,0089)^{420} ]
Subtraímos 1 do resultado: [ (1 + 0,0089)^{420} – 1 ]
Dividimos o resultado pelo valor de ( r ): [ \frac{{(1 + 0,0089)^{420} – 1}}{{0,0089}} ]
Multiplicamos o resultado pelo pagamento periódico ( P ): [ FV = 1.485,96 \times \frac{{(1 + 0,0089)^{420} – 1}}{{0,0089}} ]

Calculando esses passos, obtemos um valor futuro acumulado ao longo de 35 anos, considerando as contribuições mensais constantes e uma taxa de retorno mensal fixa de 0,89%, que é aproximadamente R$ 6.732.708,95. Esse montante representa o total acumulado no fundo ao final desse período.

Entendido? Para calcular o valor que o Estado estaria “usurpando”, precisamos determinar a diferença entre o valor que o contribuinte poderia retirar mensalmente do fundo acumulado e o valor que ele efetivamente recebe.

Dado:

Valor da aposentadoria atual: R$ 11.450,00 por mês
Valor da retirada mensal calculada: R$ 68.034,02 por mês
Calculamos a diferença mensal entre esses valores:

[ \text{Diferença Mensal} = \text{Valor da Retirada Calculada} – \text{Valor da Aposentadoria Atual} ]

Substituindo os valores:

[ \text{Diferença Mensal} = R$ 68.034,02 – R$ 11.450,00 = R$ 56.584,02 ]

Portanto, o valor que o Estado está “usurpando” mensalmente é R$ 56.584,02. Esse montante representa a diferença entre o que o contribuinte não está recebendo em comparação ao que poderia retirar mensalmente do fundo acumulado ao longo de 35 anos, com base nas contribuições e na taxa de retorno média das letras do tesouro.

27 respostas

    1. Esse texto inteiro já é uma falácia! Pois o dinheiro “dos militares” que “deixam” como contribuição, já é dinheiro da união, do povo! Dinheiro gasto inutilmente, diga-se…

  1. Os ataque que o governo fez mês passado foi parte de um teatro para um arrocho salarial para os militares. Está claro que nesse governo nada virá.

  2. Eu tenho algumas perguntas para fazer e isso independente da ideologia política. O arrocho salarial é do governo lula ou de outro governo????! Porque o Lula devia dar o reajuste dos outros governos que poderam dar e não terem? E quem disse que o Lula até o final do governo não vai dar um reajuste? Se ter um reajuste até o final do governo vai ser o governo que as forças armadas não passaram em branco. Quem os presidentes quer as forças armadas passaram em branco seu reajuste??????! Isso só para frescar a memória de alguns que se acham mais que os outros.

    1. Os ministros Esther, Haddad e tebet já deixaram claro que odeiam militares e que se depender deles não saíram um centavo para caserna pelo contrário queriam piorar ainda mais a situação. Vc acha vc que virá algum reajuste? Boa sorte!!!

    2. Eu acho que você veio de outro planeta. De 2002 a 2018 quem governou o País foi o Partido dos Trabalhadores com suas coligações e nos transformou no pior salário do Executivo, de 2019 a 2022 foi o Bolsonaro, a princípio sem partido que fez uma reestruturação boa para alguns, razoavel para outros e péssima para os QE e seus dependentes, quanto a falta de reajuste nesse período se forçar a memória verá que houve uma pandemia com uma lei aprovada no Congresso que congelou os nossos salários por dois anos, e para concluir a pessoa que está sentada na cadeira da Presidencia é Chefe de Governo e Chefe de Estado, e não um defensor de uma determinada categoria em detrimento, ódio ou rancor de outra.

    3. simplismente porque alguem tem que corrigir as distorções , seja elas quais forem , ou vai chamar o presidente anterior pra corrigir???? ele não tem mais a caneta , voce é muito sábio mesmo…

    4. Realmente algumas perguntas ficam sem respostas. Quanto ganha um professor. Nos 14 anos do governo PT, o que foi feito de bom para os professores.

  3. As ideologias impedem uma análise isenta do momento que estamos vivendo. A esquerda, apesar de tudo que falam, até agora não tem nós prejudicado. Quando vemos deputados radicais de partidos, como o novo por exemplo, afrontando militares, não estão vociferando uma simples mágoa por não terem apoiado o golpe de Bolsonaro, mas sim demonstrando aquilo que têm como projetos ideológicos. Não podemos nos esquecer que a direita tem um projeto de reforma administrativa no congresso, Lula descartou. Fato, o perigo Não está na esquerda mas na extremadireita com suas idealogias.

  4. O presidente lula em nenhum governo deixou de dar reajuste aos militares e não vai ser nesse que vai passar em branco, mas o pessoal quer que ele resolva as cagadas que o ex presidente fez e os nossos superiores sem se importar com as praças e pensionistas e VETERANOS a
    ainda quiserem dar um golpe e lógico o governo tem razão de deixar nos de molho, de quem é a culpa????. Essa da Simone Tebet o ministro Haddad , Esther não adianta nada porque eles já quiserem mexer na previdência dos militares e lula disse não . E nós não temos comandantes muito menos no governo Bolsonaro que só pensarem em seu próprio umbigo e agora todos forrados e bolsos cheios também não olham para o pessoal. Só vai resolver o problema quando a gente começar gravar vídeos e compartilhar em grandes veículos de comunicações e entre o povo brasileiro para o pessoal saber a verdade. Pois já vi nas comissões representantes de generais e os próprios generais mentirem descaradamente e ninguém fez ou faz nada por serem generais…E só fazer a conta quando custa só um general na ativa? ……. vamos colocar o motorista, taifeiro, casa, segurança, diária, mudança….. Quanto custam por mês????? É só fazer um transição justa e acabar com os generais e no máximo chegar a tenente coronel para não ficarem mamando nas tetas no final de carreira. Com certeza isso daria para repor a inflação a cada ano já. Tem muita coisa obscuras aí não tem como defender os superiores se eles não olhem para o grosso modo a tropa e ficando pensando somente em seus próprios umbigos.

  5. Embora o texto tenha utilizado uma série de cálculos para a argumentação, a afirmação da quanto ao déficit é falsa pelo simples motivo que o militar não contribui para os vencimentos na inatividade, onde o próprio texto erra. O Pagamento dos militares ativos e inativos é de natureza orçamentária e não previdenciária com A contribuição servindo para o Pagamento Das pensões. Simplesmente não pode existir déficit sobre o que sequer existe e se existe tem que ser calculado sobre as pensões e não sobre o salário dos inativos.

    1. O militar também não começa contribuindo com o valor utilizado.
      A maioria do efetivo é de praças. Comecam com a base de cálculo de 3o sargento, nao de 11 mil…

    1. Não é eu e nem você e nem o governo que vai acabar com os generais e sim o povo. Vamos aguardar o que vai acontecer daqui alguns anos em tempo de paz para que generais????

  6. As condições para a inatividade, os proventos e a pensão para os dependentes dos militares das Forças Armadas deveriam estar explicitamente previstas na Constituição Federal, considerando suas particularidades, evitando assim discussões políticas a cada novo governo.

    O atual art. 142 da CF faz referência apenas aos militares e sua remuneração, sem mencionar a pensão para seus dependentes e os proventos na inatividade.

    Proposta de alteração ao art. 142 da CF:

    “Art. 142, § X – A inatividade dos militares das Forças Armadas e a pensão de seus dependentes observarão as disposições específicas desta Constituição.”

    Esta alteração garantiria que as questões relativas à inatividade, proventos e pensão dos militares e dependentes das Forças Armadas sejam tratadas de maneira estável e constitucional, evitando a dependência de debates políticos a cada novo governo.

    MEDIDA PROVISÓRIA No 2.215-10, DE 31 DE AGOSTO DE 2001.

    Art. 4º A remuneração e os proventos do militar não estão sujeitos a penhora, seqüestro ou arresto, exceto nos casos especificamente previstos em lei.

  7. Temos Generais, brigadeiros e Almirantes demais, tem que reduzir a quantidades de cargos para automaticamente diminuir número de oficiais generais, sabemos que seus vencimentos.superam muito a de vários Praças. A conta não vai fechar mais.

  8. O mais importante é que esse desgoverno derrete e o apedeuta Biden da SIlva encerrará sua maldita carreira política em 2026; quiçá antes. Anotem, seja mortadela ou isentão.

  9. Muito bacana o calculo.
    O problema é que nem a previdência do civil, nem a do militar, segue a regra da poupança.

    Ela segue outra regra, a da contrapartida, que é a geração economicamente ativa custeando a inativa.

    Para se instituir a lógica da poupança, que é outra forma de gestão previdenciária, seriam necessários os 35 anos de depósitos para aí então falar em um fundo superavitário.

    Pelo que me conste, na época do montepio militar era assim. Mas hoje nem mesmo o inss é assim.

    De toda maneira, meus parabéns para o comentarista. Não deixa de ser um bom argumento.

  10. Vejo o pessoal defendendo ou acusando político A ou B, e isso não ajuda em nada nos nossos problemas. Vamos aos fatos:

    -Lula, em seus governos anteriores, distribuía sua “migalhas”. Não mudavam nossa situação financeira, mas pelos menos acompanhávamos a inflação. Porém, no governo atual, Tem nos deixado de fora dos reajustes do funcionalismo público.

    -Bolsonaro Passou a vida pública inteira reclamando dos salários. Quando teve sua chance de realmente reestruturar nossa Carreira, o q fez? Privilegiou os Estrelados. Como um mero efeito colateral, alguns praças tbm foram beneficiados.

    – Já o alto comando, este é constante em todos os governos. Se apegam aos seis cargos e esquecem totalmente da tropa.

    Percebam como não Existem heróis e vilões nessa história, somente o desprezo pelo pracinha.

  11. Parece que o autor do texto não sabe para que serve o desconto para a Pensão Militar. O desconto é para os beneficiários da pensão e não para os militares e é descontado durante toda a vida do militar e não durante 35 anos. Os militares recebem é do orçamento da União, ativos e inativos.

  12. Ninguém vai ler todos esses comentários pq não sabem dos seus direitos. É para deixar de sermos idiotas e acreditar que temos uma instituição preocupada com seus comandandos . Somos atrasados, desqualificados, ultrapassados e sobrevivemos as custas de dedicação, que não enche um.prato e ficamos esmola do reajuste de 2, 3,%

  13. Essa Discursão já é de tempos. Nada vai mudar, se conformem. Os novos se tornaram velhos e velhos que estavam, muitos já se foram e esse assunto sempre em pauta em qualquer governo.
    Enquanto podem cuidem se suas Famílias. Se preparem para reserva. Se o vencimento não superar suas dividas, arrume algo para fazer, o que não é o correto, Pois em mais de 30 anos ainda não conseguiu uma estabilização financeira, algo está errado. Sei que existe suas exceções.
    O que vi nos meus 30 anos, 4 meses e dois de serviço foi muita reclamações, mas também percebi que nada faziam para melhorar. Depois voltam como PTTC alegando motivos sem pé e nem cabeça, mostrando que deixaram de fazer o principal: cuidarem de suas famílias.
    Terminado…. nada mudará, se você não mudar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo