General negro expõe pouca diversidade no topo do Exército

General Ribeiro

Raridade no Exército, general comanda Região Militar
FABIO VICTOR
Em dezembro passado, o general André Luiz Aguiar Ribeiro assumiu o comando da 6ª Região Militar (RM), responsável por tropas e atividades do Exército nos Estados da Bahia e de Sergipe.

Foi uma cena rara. Militares da pele preta como ele existem em profusão nos estratos inferiores das Forças Armadas. À medida que a patente aumenta, o embranquecimento também.

Segundo o pesquisador e jornalista Sionei Leão, autor do livro “Kamba’Race – Afrodescendências no Exército Brasileiro”, Ribeiro é apenas o terceiro negro a atingir o segundo degrau da patente mais importante da força terrestre —general de Divisão, três estrelas.

Como passou a liderar uma organização militar de relevância (e como não há outro com essa cor e essa patente entre os oficiais-generais da ativa), o novo comandante da 6ª RM em tese tem chances de atingir o degrau mais alto da carreira militar, general de Exército (quatro estrelas) —algo que nenhum negro alcançou em mais de 200 anos de história do Exército.

Sionei Leão, que é negro e ex-militar, dedicou duas décadas de pesquisa ao tema de seu livro, inicialmente uma monografia de conclusão de pós-graduação. Seu trabalho mostra que o Exército Brasileiro teve somente 11 generais negros em sua história, a maioria no primeiro degrau da patente, general de Brigada (duas estrelas).

Como aponta Leão em “Kamba’Race”, para além das baixas patentes, há também presença significativa de negros na condição de oficiais de carreira na corporação. Mas o quadro muda mesmo quando se chega ao generalato.

O autor lembra que os coronéis concorrentes a generais de Brigada são escolhidos mediante análise do Alto Comando, composto por todos os generais de Exército da ativa.

“Os critérios são de responsabilidade absoluta desse mesmo Alto Comando, que submete a escolha ao presidente da República. Isso significa que, embora os méritos profissionais e intelectuais de cada concorrente à nova patente sejam levados em conta no momento de composição da lista, nenhum dos candidatos tem a absoluta certeza de que seus dotes lhes garantirão o acesso”, afirma Leão.

“Em suma, essa etapa, diferente das demais, reveste-se de caráter político e não somente técnico.”

Um levantamento feito em 2021 pelo jornal O Globo mostrou que, entre os 400 oficiais-generais das três Forças Armadas então na ativa, havia somente 7 pretos (1,75% do total). O Exército tinha (e tem) a cúpula mais branca entre as Forças: o único oficial-general preto da corporação verde-oliva era (e continua sendo) André Luiz Ribeiro.

Apesar de o debate sobre a pouca diversidade étnico-racial em posições de poder no Brasil ter cada vez mais espaço na sociedade, o tema continua a representar um tabu para o Exército. Procurado, o general Ribeiro informou que não daria entrevista por não se sentir confortável com a pauta —no pedido, a reportagem mencionou que a questão da diversidade seria um dos tópicos de interesse.

O Exército também silenciou. Solicitou que enviasse questões, mas, instado a comentar a trajetória do general Ribeiro na força terrestre, os desafios dele no Comando da 6ª RM e a relação entre a cor de pele e promoção na corporação, não respondeu.

A Sionei Leão —que baseou sua pesquisa em documentos históricos, fotografias e entrevistas— o Exército negou em duas ocasiões possuir dados sobre cor/raça na corporação. Numa delas, respondeu: “A promoção aos postos previstos na carreira é baseada no desempenho profissional e na competência do militar, não sendo levados em consideração outros aspectos como, por exemplo, o citado no questionamento em tela”.

Leão conta que, durante a pesquisa para o capítulo sobre generais negros em “Kamba’Race”, alguns entrevistados evitaram falar por considerarem que ele pretendia tratar de cotas ou políticas afirmativas. “Eles não querem de forma alguma serem conhecidos como militares que ingressaram nesse patamar por serem negros. Isso é uma postura, um pilar, e uma questão de honra, no modo de pensar na caserna”, diz o autor.

Para Leão, a questão racial deveria ser colocada de outra forma. “Por que raramente se verifica um general afrodescendente no Exército Brasileiro? Uma instituição que se reconhece como popular e costuma fazer apologia da contribuição dos negros em vários momentos, a começar com o mito de Guararapes [da Batalha dos Guararapes, tida como marco da formação do Exército]. O Exército para esse assunto de racialidade é bem conservador e até refratário, chega a ser contraditório.”

Carioca, torcedor do Botafogo e casado com uma soteropolitana, o general Ribeiro, 56, é filho de pai e mãe com poucas posses, também cariocas. Ele comentou sua origem “muito humilde” em entrevista ao jornal baiano A Tarde, na qual não foi abordada a sua afrodescendência.

“A minha educação, apesar da simplicidade dos meus pais, foi uma educação cartesiana, eivada de princípios, que só veio encontrar uma total união com os valores, os princípios e a ética militar.”

Formado aspirante em infantaria em 1989 na Aman (Academia Militar das Agulhas Negras), fez o curso Joint Senior Command Staff Program (JSCSP) no South African National War College em 2010. Antes de assumir a 6ª RM, foi assessor especial no Ministério da Defesa e, antes disso, comandante da 10ª Brigada de Infantaria Motorizada, no Recife.

A 6ª Região Militar possui quatro batalhões, sendo dois em Salvador, um em Feira de Santana (BA) e outro em Aracaju, além de unidades de combate e de apoio e tiros de guerra. É subordinada ao Comando Militar do Nordeste, com sede no Recife. Segundo o Exército, a 6ª RM é a região militar mais antiga do Brasil e o primeiro grande comando criado na corporação.

A 6ª RM já foi comandada pelo general Gonçalves Dias, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Lula, que caiu após o 8 de Janeiro. Na 6ª RM, GDias, como é conhecido, foi exonerado depois de críticas por confraternizar com PMs que faziam greve, em 2012.

No fim de 2023, dias após assumir o cargo na Bahia, o general Ribeiro se reuniu com o governador Jerônimo Rodrigues (PT) e com o secretário de Segurança Pública da Bahia, Marcelo Werner. A conversa teve um tom institucional, mas houve promessas de lado a lado para uma atuação em sintonia entre governo e Exército.

O governo baiano tem apostado em ações integradas de combate à violência com instituições federais como a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal. A parceria com o Exército é mais tímida, focada sobretudo no compartilhamento de informações.

A Bahia enfrenta um cenário de crise na segurança nos últimos anos, sendo o estado com maior número absoluto de mortes violentas e maior letalidade policial. O número de mortos em ações da polícia cresceu 15% entre 2022 e 2023, saindo de 1.468 para 1.689 casos.

Apesar da disposição do Exército e do Ministério da Defesa em voltar a realizar operações de GLO (Garantia da Lei e da Ordem), usando militares em crises de segurança pública, na cúpula do governo baiano a avaliação é que não há indicativo de uma possível ação do tipo no estado.

Outro desafio do general à frente da 6ª Região Militar é garantir a efetividade da Operação Carro-Pipa, com a distribuição de água por meio de caminhões em localidades da zona rural.

A Bahia enfrentou no ano passado uma seca mais severa e prolongada do que o comum. Ao todo, 195 dos 417 municípios do estado tiveram emergência decretada por conta da estiagem.

FOLHA

23 respostas

  1. A maioria dos generais que conheci eram pardos. Pretos e pardos são maioria.
    Todos entram na AMAN, as provas são as mesmas, o desafio é o mesmo, na esao também, na eceme também, essa classificação determina o destino.

    1. O cerne da matéria não é sobre pardos, de todos os oficiais-generais no último posto da carreira das três forças armadas apenas 7 (sete) são pretos. A questão é estrutural e remonta ao período colonial perpassando o império até os dias de hoje e, no quesito educação, a ascensão acadêmica da população preta sempre foi dificultada, basta consultar a lei nº 1, de 14 de janeiro de 1837, que vedava expressamente sua matrícula em escolas:

      Artigo 3º São prohibidos de frequentar as Escolas Publicas:
      1º Todas as pessoas que padecerem molestias contagiosas.
      2º Os escravos, e os pretos Africanos, ainda que sejão livres ou
      libertos.

      No mesmo sentido, a Lei de terras, lei nº 601, de 18 de setembro de 1850, que não previa sua aquisição por escravizados, as destinava aos colonos livres oriundos do estrangeiro, cujo transporte e emprego realizou-se às custas do tesouro. Assim, sem terras, sem educação e sem emprego, a condição social dos pretos brasileiros não é estruturada à semelhança das demais etnias, pois a desvantagem é replicada desde a origem da formação do país.

      Massacre de soldados pretos nas tropas brasileiros não são casos isolados, além desse evento Kamba’Race, há o Massacre dos Porongos, ocorrido em 14 de novembro de 1844 e, o descumprimento da promessa feita a Henrique Dias quanto ao dote de suas filhas, durante o período colonial.

        1. Afaste a ideologia do seu discurso pois sob a ótica da historiografia Porongos foi um massacre de soldados pretos, não um combate. A tropa de lanceiros que lutou nas fileiras do exército republicano na Revolução Farroupilha era composta de escravos incorporados de três maneiras, arrebatados violentamente das fazendas, “convidados” sob a falsa promessa de alforria, ou entregues (vendidos) para lutar no lugar dos fazendeiros, que seriam indenizados.

          “O combate de Porongos, que mais foi uma matança de um so lado do que peleja…” (Tristão de Alencar Araripe – Guerra Civil no Rio Grande do Sul – Instituto Histórico e Geográfico do Brazil.1881).

          Terminada a guerra foram os Soldados Pretos sobreviventes vendidos à Coroa, como cativos. Portanto, Porongo não é mito, mas evento histórico.

        1. Ao Anônimo de 5 de fevereiro de 2024 às 09:31.

          Anônimo, eu não sou seu filho. Não, André Rebouças não é um fantasma e, apesar dos notórios feitos, dele e dos irmãos, o flagelo do preconceito racial sempre os acompanhou, como a todos os brasileiros pretos e pardos, a exemplo da revolta dos marinheiros em 1910, que não era para discussão de platitudes.

    2. nesse caso em tela,para o pesquisador PARDO não é preto,mas se for para militar a favor de cotas,aí ele bota os PARDOS no pacote do negros e bombar, entende? Por exemplo para dizer que o PT colocou mais preto nas universidades, aí eles põem os pardos juntos com os pretos !!! Aí eles tem o resultado que querem,suam também nas estatisticas de violêcia e lotação de presídios, BINGO !!! já para o número que ele busca no EB, pardo não é preto, mas nós sabemos que grande parde do EB é composta de militares pardos e entre eles generais,conheci vários.

  2. Provavelmente o problema é a má qualidade do ensino recebido pelos negros, pobres e da periferia ou escolas públicas, sem condições de ingressar nas academias Militares, e não necessariamente racismo nas FA.

    1. Eis uma amostra do universo de adjuntos de comando, veja o enorme número de militares pretos nessa função (contém ironia).

      “https://www.defesanet.com.br/terrestre/7a-reuniao-dos-adjuntos-de-comando-do-alto-comando-do-exercito-promove-o-debate-sobre-a-carreira-das-pracas/”

      O preto é um cidadão invisível na sociedade, o imaginário coletivo não o enxerga como ser consciente e detentor de capacidades comuns a todos não sentindo-se representada, tanto que infelizmente é comum o discurso rotulando-os de vitimistas, etc. Não fosse essa postura abjeta, matérias como o desse post seriam desnecessárias, no entanto, a verdade é o oposto.

  3. A reportagem menciona que nesses últimos 200 anos o Brasil nunca teve um militar negro a atingir o posto de general de Exército.

    Mas esqueceu – de propósito? – de citar o caso do marechal João Baptista de Mattos, primeiro negro a ser promovido ao posto de marechal. Sim, o brasil teve um marechal do Exército que era negro, promovido na década de 1950.

  4. A maioria, digo, a grande maioria dos militares do eb sao pretos e pardos.
    Ta na hora de mostrar isso e acabar com esse mimimi e Com esse sistema de cotas.
    Mostrem os dados e verao.

    1. Prezado, preto não é pardo. A maioria dos militares do EB são pretos e pardos, mas quantos comandante de organizações militares e quantos Oficiais-Generais pretos você conhece? A esmagadora maioria dos suboficiais e sargentos das três forças armadas não pretos e pardos, no caso do exército não há preto dentre todos os seus adjuntos de comando e, certamente dentre as organizações militares você encontrará raríssimas exceções. O que há é uma falsa narrativa sobre a inexistência de racismo no Brasil, ele é sutil, materializa-se na resistência em admitir um preto ou uma preta em postos de poder decisório, em todos os cantos. Como exemplo consulte a lista de todos os técnicos da seleção brasileira de futebol e conte quantos pretos você encontra, isso no país de origem do maior jogador da humanidade, que era preto retinto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo