Ucrânia deve se adaptar à redução na ajuda militar do Ocidente, diz comandante

omandante das Forças Armadas da Ucrânia, Valerii Zaluzhnyi, disse que seu assistente era um "amigo próximo".
28/06/2023Seviço de Imprensa da Presidência da Ucrânia/Divulgação via REUTERS

Declarações são do General Valerii Zaluzhnyi, que deve ser dispensado das Forças Ucranianas pelo presidente Volodymyr Zelensky nos próximos dias

O chefe do exército da Ucrânia, Valerii Zaluzhnyi, diz que a Ucrânia deve se adaptar a uma redução na ajuda militar dos seus principais aliados e se concentrar cada vez mais fortemente na tecnologia se quiser vencer a guerra contra a Rússia.

Em um artigo exclusivo para a CNN, apresentado no meio de um turbilhão de rumores em torno do seu futuro, Zaluzhnyi também abordou o desafio da mobilização em massa, uma fonte de tensão entre ele e o Presidente Volodymyr Zelensky.

O artigo do general não faz referência à sua relação com o presidente, nem a relatos de que Zelensky está prestes a anunciar a sua demissão após quatro anos no cargo, uma medida que uma fonte disse que poderá ocorrer dentro de dias.

Em vez disso, o comandante militar procura desenvolver um argumento em um ensaio publicado há três meses, além de comentar pela primeira vez uma série de reveses políticos no país e no estrangeiro.

Nesse primeiro artigo, publicado no Economist, Zaluzhnyi destacou a importância dos veículos aéreos não tripulados (drones) e das capacidades de guerra eletrônica, como uma prioridade para a Ucrânia, antes de concluir: “Novas abordagens inovadoras podem transformar esta guerra de posição em uma guerra de manobra”.

A caracterização da situação por Zaluzhnyi como uma guerra de posição – definida pelo desgaste e pela falta de movimento no campo de batalha – representou um reconhecimento de que a contraofensiva ucraniana, lançada com grande alarde no início de 2023, estava efetivamente terminada.

As expectativas no início do ano eram grandes de que a Ucrânia pudesse atacar e avançar, conduzindo uma guerra de manobra para recapturar quantidades significativas de território perdido para a Rússia em 2022.

Mas os profundos campos minados e o fogo pesado da artilharia da Rússia, juntamente com a rápida proliferação de drones de visão em primeira pessoa (FPV) nas linhas de frente, tornando os ataques furtivos muito mais difíceis de superar.

No sul, foco principal do esforço, as forças ucranianas avançaram cerca de 20 quilômetros; a esperança era que conseguissem chegar à costa, a cerca de 70 quilômetros de distância.

Quando Zaluzhny – em uma outra entrevista – se referiu à situação como um “impasse”, o gabinete de Zelensky explodiu, dizendo que tal declaração só ajudou a Rússia.

No seu artigo para a CNN, parece claro que Zaluzhnyi não vê o estado da guerra de forma diferente.

Agora, porém, ele acredita claramente que os líderes militares da Ucrânia também devem ter em conta uma série de desilusões e distrações fora do campo de batalha.

Indiretamente, ele faz referência ao fracasso dos Estados Unidos em chegar a um acordo sobre um novo pacote de ajuda militar para a Ucrânia, bem como ao fato de que os acontecimentos no Oriente Médio que tiveram início em outubro chamaram a atenção internacional em outros lugares.

Além disso, “a fraqueza do regime de sanções internacionais significa que a Rússia… ainda é capaz de mobilizar o seu complexo militar-industrial e conduzir uma guerra de desgaste contra nós”.

Ele não o diz com tantas palavras, mas o artigo parece sugerir uma sensação crescente de que, em última análise, o destino da Ucrânia está nas suas próprias mãos.

É claro que uma atitude de auto-ajuda não é novidade na Ucrânia.

Isso ajudou a priorizar a indústria local de drones, por exemplo, obtendo sucessos tanto no seu programa de drones marítimos, atingindo alvos navais russos no Mar Negro, como com os seus drones aéreos de longo alcance, voando centenas de quilômetros para atingir locais dentro e no entorno das maiores cidades da Rússia.

Mas os problemas internos são claramente uma preocupação, como quando Zaluzhnyi faz referência à aparente relutância dos seus mestres políticos em Kiev em apoiar totalmente o seu apelo a uma maior mobilização de até meio milhão de recrutas, um reconhecimento do número esmagador superior de tropas da Rússia.

“Devemos reconhecer a vantagem significativa desfrutada pela [Rússia] na mobilização de recursos humanos e como isso se compara com a incapacidade das instituições estatais na Ucrânia para melhorar os níveis de mão-de-obra das nossas forças armadas sem o uso de medidas impopulares”, escreve ele.

Em uma sociedade possivelmente relutante em colocar um grande número de jovens, homens e mulheres, diretamente em perigo, os drones controlados remotamente proporcionam um tipo mais aceitável de operação de combate, como ele reconhece.

A tecnologia, escreve ele a certa altura, “ostenta uma superioridade indubitável sobre a tradição”.

Mas a sua importância vai muito mais longe, diz ele, ao expor a sua convicção de que os veículos aéreos não tripulados, juntamente com outras capacidades de alta tecnologia, revolucionaram não apenas as operações de combate, mas também a abordagem global da estratégia.

Só o fim do “pensamento ultrapassado e estereotipado” pode ajudar os exércitos modernos a alcançar a vitória na guerra, escreve ele.

CNN Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo