Servidores levam ao governo contraproposta de reajuste. Veja

REAJUSTE

Na contraproposta, os servidores propõem reajustes divididos em três parcelas iguais em 2024, 2025 e 2026
Flávia Said
O Fórum Nacional Permanente das Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), as Centrais Sindicais e o Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) chegaram a um acordo e apresentaram ao Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) uma contraposta única.

As três entidades se reuniram no início da tarde desta quarta-feira (31/1). Como havia uma convergência nos documentos das Centrais Sindicais e do Fonasefe, o fórum que representa as carreiras típicas de Estado aceitou subscrever e entregar uma proposta unificada ao governo federal.

Na contraproposta protocolada ao Ministério da Gestão, constam dois blocos de recomposição salarial:

  • reajuste de 34,32% dividido em 3 parcelas iguais de 10,34%, em 2024, 2025 e 2026, para os servidores federais que, em 2015, firmaram acordos por dois anos (2016 e 2017); e
  • reajuste de 22,71% dividido em 3 parcelas iguais de 7,06%, em 2024, 2025 e 2026, para os servidores que, em 2015, fecharam acordos salariais por quatro anos (2016 a 2019).

No início de janeiro, o Fonacate havia apresentado uma proposta diferente ao governo. Eles haviam sugerido a recomposição salarial em três parcelas: a primeira de 9%, e a segunda e a terceira de 7,5%, a serem implementadas, respectivamente, nos meses de maio de 2024, 2025 e 2026.

Proposta do governo
Na prática, a oferta do Governo Lula (PT) para este ano congela os salários dos servidores federais e promete reajuste de 9%, a ser pago em duas parcelas de 4,5%: a primeira em maio de 2025 e a segunda em maio de 2026.

O governo ainda propôs aumento nos valores dos auxílios, com vigência a partir de maio de 2024. O auxílio-alimentação será elevado de R$ 658 para R$ 1.000,00; o per capita referente ao auxílio-saúde passará do valor médio de R$ 144,00 para R$ 215,00; e o auxílio-creche irá de R$ 321,00 para R$ 484,90. Isso representa 51,06% de reajuste nos auxílios.

“A proposta de reajuste zero para 2024, além de reforçar a exclusão de aposentado(a)s e pensionistas, desconsidera o arrocho salarial dos últimos anos”, dizem as três entidades no documento apresentado nesta quarta. Aposentados e pensionistas não recebem auxílio-alimentação nem auxílio-creche.

“Os percentuais diminutos para 2025 e 2026, associados a zero de reajuste em 2024, não contemplam a necessidade efetiva de recomposição salarial do(a)s servidore(a)s públicos federais em atividade, aposentado(a)s e pensionistas”, completam.

Auxílios
A proposta unificada dos servidores ainda traz o pedido de equiparação dos benefícios do Executivo aos dos Legislativo e Judiciário. Eles reclamam de defasagem com relação aos outros dois poderes, que tiveram ajuste nos auxílios de 19,03%, com implementação em três parcelas iguais de 6%, sendo que a segunda será paga já em fevereiro de 2024, e a terceira, em fevereiro de 2025.

Quanto à pauta não-remuneratória, as entidades pedem a revogação imediata de algumas medidas, como a Instrução Normativa (IN) 2, que dificulta a atividade sindical; uma posição contundente do governo contra a PEC 32/2020, da reforma administrativa; e o fim da contribuição previdenciária para os servidores públicos aposentados (PEC 555/2006).

Com a apresentação, feita nesta quarta, de uma contraproposta unificada, as entidades dizer esperar que o MGI agende a próxima reunião da Mesa Nacional de Negociação Permanente “o mais breve possível” para dar resposta aos servidores.

A ministra da Gestão, Esther Dweck, havia dito ao Metrópoles que a pasta aguardava a manifestação dos demais servidores para marcar a data dessa reunião, a primeira de 2024.

METRÓPOLES

36 respostas

      1. A reestruturação fez com que as altas patentes tivessem gordos soldos o resto….daí o governo entende que os militares não precisam de aumento…

  1. Não sei pq publicam no blog esse tipo de matéria, ela não contempla os militares, é (como escrito no texto) destinado aos servidores federais (não somos servidores) e uma reinvidicação de “Centrais Sindicais”! (Nem o QE sindicato tá nessa)

    1. É que se nem os servidores civis receberem reajuste aí que não tem chance dos milicos receberem separados, tem que torcer pros civis receberem pra ver se os milicos vão na carona depois…

  2. Soldos defasados e Congelados desde 2016!!

    Situação de Penúria semelhante às PM nos anos 90 e dos controladores de voo nos anos 2000!!

    Precisamos de reajuste nos soldos urgentemente!!!

  3. E os Nossos Bravos Comtes de Forças e o MD já levaram alguma reivindicação de reajustes dos soldos ou só levaram cestas básicas pros yanomamis?

  4. Eita pessoalzinho preocupado com os QEs. A pergunta que não quer calar? Vocês não tem família? Pois deixa os QEs em paz maioria são casados e essa raiva, ódio, rancor, recalcados, paixões platônicas pelos QEs. Os QEs tem a vida deles e vocês pagam a conta deles todos os meses? Água,luz, iptu,internet,aula da faculdade dos filhos, comida, calçados, vestuário, gasolina etc.. Vocês que pagam isso?? Se não com todo respeito vão cuidar da família de vocês. Pois os QEs vocês querendo ou não vocês falando ou não e isso já foi acordado com o Lula até o final do mandando dele sai a promoção a Subtenentes todos por turma. Agora não chola não em x de cholar corra atrás do interesse de vocês,pois infelizmente se tornou isso depois que aprovaram a lei 13.954. E os traidores já estão começando a ter medo pois o tempo está chegando aí. Agora é assim e infelizmente tudo culpa maioria dos altos coturnos militares que só pensaram em si e no dinheiro e esqueceram a maioria no governo Bolsonaro. O ex presidente Jair Messias Bolsonaro o falso Messias o espalhador de fakes, ódio e usa em Deus em vão em breve estará pedindo mais Pix para o patriootarios que + de 100 mil reais que ganha por mês somando tudo não vai dar. O tempo é o senhor absoluto da razão.

    1. Chupa pessoal de carreira recalcados e mal amados. Até o final do mandato de painho que vai se reeleger e vai até o final de 2030 e até esta data sai nossa promoção, já foi acordado. O tempo é o senhor absoluto da razão. Chupa!!!!

  5. Realmente a coisa tá feia, de Janeiro de 2019 até o momento, o salário mínimo que era R$ 998,00, foi reajustado até o momento em + de 41%, aumento real, assim, até mesmo nossos famigerados e olho maior que a barriga, Generais, já Começam a perder também, pior ainda para Of intermediários e pracinhas, com exceção aos Sub Oficiais com QQAO é claro, o que não atinge talvez nem 50% do efetivo, todos perdendo agora, uns + outros -, todo mundo fuçado, nem um horizonte de melhorar, até porque, Lula já falou em outros tempos, dê qualquer esmola para os milicos que eles ficam satisfeitos. Concordo plenamente com o Presidente, pois mesmo todos sendo atingidos com maior ou menor intensidade, o que permeia as redes na quase totalidade, é os QE.
    Bravo, bravo, é de aplaudir e o pensamento é, se eu estou fuçado, o outro tem de estar igual ou pior.

  6. Os Comandantes das Forças, senhores Generais, fazem de tudo para agradarem o Lula, mas ele retribui com um chute nas ventas da tropa. Para eles não falta nada, salários gordos, mas uma parte da tropa nem recebeu Altos Estudos. Desde a MP 2215 os militares acumulam perdas de direitos, até a Lei 13.954, mas nenhuma delas atingiu os Generais, não perderam nada, e a tropa perdeu até os 28,86%. Estou na reserva, e já espero uma nova rasteira antes de ir para a cova.

  7. Esses “comentaristas” só falam dos milicos e das carreiras Típicas. Os civis que não são das Carreiras típicas de Estado, ativos e aposentados, estão completamente esquecidos quanto aos reajustes salariais e aos proventos de aposentadoria.

  8. Sem reposição salarial em 2024, não tem o q comentar, caso os sindicatos aceite essas propostas de aumento em cima de auxílios, deixando aposentados e pensionista de foram. E bom lembrar q um dia todos vão se aposentar ou falecer,como fica sua família?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo