Lula exclui Forças Armadas de organização da COP-30, e logística e segurança preocupam militares

MILITARES / RIO

Preparação não inclui Ministério da Defesa e as Forças Armadas
MONICA GUGLIANO

Passada a COP-28, em Dubai, e faltando dois anos para organizar um evento com essa magnitude, o governo brasileiro já se mobiliza para os preparativos. Um decreto de junho, do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), criou o Conselho Nacional para a 30ª Conferência, e nas redes sociais autoridades, como a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), comemoraram recentemente a oficialização da escolha do Brasil.

Os preparativos que vão envolver toda a Esplanada e o governo do Pará, até agora, não incluem o Ministério da Defesa e as Forças Armadas. E, o fato tem sido motivo de preocupação entre militares que já participaram da organização de grandes eventos, como os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo, na década passada. Na opinião desses oficiais seria arriscado excluir as Forças Armadas desde o começo da organização. Procurado, o Ministério da Casa Civil, designado para responder sobre o assunto, não se manifestou.

Eles assinalam que, diferentemente da Olimpíada, que ocorreu no Rio de Janeiro, uma cidade com uma consolidada estrutura para receber turistas, Belém é uma capital menor, está localizada no Norte do País e, não sendo por via aérea, só há uma estrada (a Belém-Brasília) que permite chegar lá.

Embora estejam previstos, por exemplo, muitos investimentos em rede hoteleira, atualmente, existem apenas 5.712 quartos de hotel em todas as categorias em Belém – dados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Pará (ABIH-PA) – que, somados a hostels e leitos em áreas mais distantes, devem chegar a aproximadamente 12 mil. Por enquanto, 14 chefes de Estado já foram convidados para a Cúpula da Amazônia.

O ponto do decreto que mais preocupa os militares é o que autoriza a deliberar sobre os procedimentos necessários para a preparação da ”infraestrutura e da logística da COP-30″. Oficiais observam que as Forças Armadas têm plenas condições para ajudar nesses pontos, bem como para assumir a organização da área de defesa e segurança, inclusive pela necessidade de tropas especiais de combate ao terrorismo, à guerra química e bacteriológica e outras áreas altamente especializadas.

Até agora, o Conselho Nacional é composto pelos titulares dos seguintes órgãos: Casa Civil da Presidência da República, que fará a coordenação; Ministério das Cidades; Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima; Ministério do Planejamento e Orçamento; e Ministério das Relações Exteriores.

Segundo o decreto, eles vão promover a interlocução com os órgãos e as entidades federais, estaduais, distritais e municipais e com a sociedade civil relativas à preparação da República Federativa do Brasil para a realização da COP-30; aprovar plano de atividades para a realização da COP-30; deliberar sobre os procedimentos necessários para a preparação da infraestrutura e da logística da COP-30; e estabelecer a estrutura de governança e de deliberação para a preparação e o acompanhamento da organização da COP-30.

O evento, assim como ocorreu em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, deve durar cerca de duas semanas e será fundamental para a ação global contra as mudanças climáticas. Além dos chefes de Estado e de Governo, está prevista a participação de diplomatas de 200 países. Contando com Organizações Não Governamentais (ONGs) e outras entidades, acredita-se que cerca de 70 mil pessoas estejam em Belém durante o período da COP-30.

ESTADÃO

9 respostas

  1. Militar não tem que se envolver em policiamento de ruas, favelas, estradas, eventos e etc. Militares devem estar voltados para a defesa da pátria contra um agressor EXTERNO e só. Depois quando se diz (acertadamente) que os eua querem os Militares Brasileiros Somente para atacar (glo) a própria população brasileira, ficam com raiva. Certo o governo.

  2. De novo esse blá blá blá de ameaça americana para tentar justificar uma necessidade de FFAA.

    Preocupação americana é com o avanço chinês na região. Exército da Banânia não faz cócegas em nada para os EUA. Pra isso não precisa nem de militares, basta um ataque especulativo nas finanças e uns apagãos de satélites que a Banânia volta para a idade da pedra.

  3. Para quem acreditava ser o poder moderador e enviados de deux com sabedoria e competência incontestável, foi um duro golpe.

    Sem diárias, sem mídia, sem moral. Herança maldita do cavalão e seus Burros Amestrados.

  4. O problema é que não incluem as FFAA no planejamento a longo prazo, chegando na véspera do evento, decretam uma GLO meia boca e jogam no peito dos milicos toda a logística e Segurança do evento.

  5. Vão entupir Belém com terceirizados, empresas de segurança dos companheiros, verba pra todos os companheiros. Vão ser mais um motivo pra arrecadar pra campanha aguardem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo