Exército resgata e liberta 96 tracajás na região amazônica

Comando de Fronteira Solimões/8º Batalhão de Infantaria de Selva

Operação Itaquaí combate crimes ambientais e dá segurança para indígenas

Foto: Comando de Fronteira Solimões/8º Batalhão de Infantaria de Selva Fonte: CFSOL/8º BIS

Tabatinga (AM) – Militares do Comando de Fronteira Solimões resgataram e libertaram 96 cágados tracajás. Durante missão de apoio à Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI), na quinta-feira, 21 de dezembro, os militares encontraram uma canoa suspeita, abandonada às margens do Rio Ituí. Ao inspecionar a embarcação, a equipe encontrou os animais aprisionados. Nenhuma pessoa foi avistada no local.

Após verificarem que todos os animais estavam em bom estado de saúde, os agentes da FUNAI, juntamente com os militares do Exército, procederam à imediata soltura dos tracajás, conforme prevê a legislação vigente. Os tracajás são cágados típicos da região amazônica, que sofrem com a caça predatória e irregular.

Foto: CFSOL/8º BIS

Operação Itaquaí
O apoio do Exército à FUNAI na patrulha de rios e terras indígenas é parte da Operação Itaquaí. Seu objetivo é a fiscalização e controle das terras indígenas no Vale do Javari, a fim de prevenir crimes ambientais e prover mais segurança para a população indígena. A presença da Força Terrestre na Amazônia Ocidental evidencia a prontidão operacional do Exército e o seu compromisso com a proteção da Amazônia, dos povos indígenas e do meio ambiente.
EB – Edição: Montedo.com

8 respostas

  1. Eita ebzao…
    Atividade fim que é bom, nada…
    Salvandk as tatarugas…
    Amanhã é obturação em índio
    Semana que vem é ideologia de gênero e mulher piloto….
    CCOMCEXZao querendo a todo jeito agradar a opiniao do Chefe Lula, o exército que procura o que fazer entre os orgãos de defesa civil dos municípios…..

    Isso ai e bom demais num sarapatel

  2. Huahuahuahuahua

    Os caras publicam isso como se fosse a coisa mais extraordinária.

    É muito desespero pelo embuste.

    O Brasil está completamente indefeso.

  3. Aí o camarada vai servir na selva todo prosa e passa dois anos fazendo trabalho de assistência social e de guarda florestal, mas cheio de embustes.

    Tem um PEF (Surucucu) cuja missão é, basicamente, servir de transporte de alimento para aldeias indígenas ao estilo entregador do Ifood.

    As “patrulhas” saem com mochilas cheias de comida (cesta básica), andam 20min na mata, deixam a comida nas aldeias e depois retornam. Missão cumprida! “Missão real de patrulha”, dirão os embusteiros depois que voltarem a servir na cidade grande.

  4. Olha, sinceramente é uma vergonha esse tipo de reportagem pra imagem do exército, cadê as drogas, garimpos, armas etc… Vergonhoso esse exército Brasileiro, cada reportagem que dá vergonha!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo