Jovens em situação de vulnerabilidade terão preferência no ingresso nas Forças Armadas

Deputados Eduardo Pazuello (PL-RJ) e Simone Marqueto (MDB-SP), relator e autora do projeto de lei, respectivamente. (Imagem: divulgação)

Parecer do relator da CREDN, deputado Eduardo Pazuello, foi aprovado por unanimidade na Câmara Federal na última quarta-feira (22).Publicado 19 horas atrás em 23 de novembro de 2023

A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara dos Deputados aprovou, por unanimidade, na última quarta-feira (22), o parecer do deputado federal General Eduardo Pazuello (PL-RJ) ao Projeto de Lei, de autoria da deputada Simone Marquetto (MDB-SP) que institui a política de atendimento ao jovem desligado de instituições de acolhimento.

A iniciativa é um dos resultados concretos da CPI dos Maus Tratos, realizada no Senado Federal, em 2018. O projeto propõe que os jovens em situação de vulnerabilidade, ao completarem 18 anos, tenham preferência para ingressar como membros temporários nas Forças Armadas por até 8 anos. Atualmente, ao atingirem a idade adulta, eles são dispensados.

Segundo o relator, ainda são muitas as dificuldades, particularmente socioeconômicas, enfrentadas pelos jovens que atingem a idade adulta, na condição de egressos de instituições e/ou programas de acolhimento.

tupi.fm

20 respostas

    1. Não tendo nada pra fazer…vamos fazer merda.

      Muito se ouve e se fala da não discriminação no ingresso nas FA, mas agora que está com os bolsos cheios, fod@-se o EB.

    2. Sr Damocles. É inacreditável q alguns(a) decisóes de parlamentares “bem intecionados(a)”, trazem, sem necessidade nenhuma, mais problemas complexos para toda a sociedade brasileira. é o mais incrível q um GENERAL, temporariamente Deputado Federal, apoiei e endosse tal idéia transloucada. preferência de “Jovens em situação de vulnerabilidade” nas fileiras das FFAA por até OITO anos é um absurdo sem tamanho. e após sairem, irão para os exércitos particulares das inúmeras Facçoes criminosas, vide o Hell de janeiro. EsMB 1995!!!

  1. Pronto, talvez esse novo requisito para ingresso nas Forças Armadas, os futuros militares “Ex Infratores” já entram com experiências.
    Boa sorte aos supervisores e encarregados dos futuros militares.

  2. Existia uma época em que os senhores mandavam o escravos em seu lugar e dos familiares para a guerra, isso parece que está voltando de outra maneira com os mais vulneráveis que terão o ônus da defesa do país.

  3. Outra piada pronta, isso daí sempre existiu e o nome se chama cotas. Ainda mais, sempre existiu para entrada na carreira de Praças.

  4. Não confundam instituições de acolhimento, os antigos orfanatos, com instituições socieducativas de internação de jovens infratores (criminosos).

    Nos orfanatos ficam as crianças e adolescentes rejeitados pelas famílias ou que sofreram abusos e/ou maus tratos dos pais. Não são criminosos, ao contrário, são vítimas. Uma criança só pode ficar no orfanato até ser adotada ou completar 18 anos de idade quando, “sem eira nem beira”, precisa desocupar a vaga no orfanato porque atingiram a maioridade. É para estes jovens que acabaram de completar 18 anos que o projeto em discussão foi criado.

    1. Tanto o Senhor quanto o deputado conhecem muito pouco da realidade do serviço militar. A maioria dos casos de depressão nos recrutas são consequência da desestrutura familiar e situação de vulnerabilidade social, esses jovens sequer concluem o tempo de serviço militar obrigatório pois são portadores de diversos transtornos de saúde mental, todos preexistentes. O ambiente do serviço militar não é o ideal para essas pessoas as quais certamente tem profundas cicatrizes emocionais por permanecerem toda a infância e adolescência abrigados, muitos dos quais sendo devolvidos por casais que desistem da adoção.
      Imaginaram o impacto emocional ao perceberem a proximidade do término do tempo de serviço? Se atualmente diversos militares temporários entram em crise com o fim do tempo de serviço, imagina esses, que sequer base familiar possuem. O ideal é implementar o acolhimento durante o período de internação nos orfanatos para que esses jovens tenham a oportunidade de capacitação para participarem de processos seletivos junto a iniciativa privada.

  5. Inacreditável!!

    Um general que está deputado concordar com isso. Mandar “jovens” que nunca tiveram uma estrutura familiar, muitos dos quais com predisposição a ser trombadinha, tirar serviço de madrugada com um fuzil!!

    Aqueles que nunca passaram por essas “casas de acolhimento”, que moram com a família, que têm pai e mãe, já “aprontam” durante o servico Militar, que dirá esses “vulneráveis”.

    Só posso acreditar que esse general fez isso interessado em “estar bem” no “conceito” dessa moça deputada.

    Olha aí o resultado em votar em militar para cargos políticos. E não se esqueçam do “Hélio Negão”.

    FA não é reformatório.

    FA não é instrumento de “inclusão social”.

  6. As Forças Armadas sempre foram instituições de acolhimento por isso o termo “Praça” é designado aos militares de baixa graduação e era o local onde se recrutava os desajustados, sem ou com pouca referência social já que as praças são locais públicos que abrigam toda sorte de desajustados em oposição aos portadores da “Fé de ofício”. A revolta dos balaios ou Balaiada, foi uma revolta popular e se agravava justamente na época do “pega” ou recrutamento forçado e foi justamente devido o combate Aos Balaios, que o Patrono do Exército recebeu a alcunha de “Caxias”
    Relativo à localidade de mesmo nome no Maranhão e local de parte dos conflitos.

  7. Apenas lembrando que 99% das vezes quem faz a seleção complementar são os sargentos que depois serão os responsáveis em formar esse pessoal.
    Eu pensaria 2 vezes antes de dar um ok na ficha.
    Alguém dessa comissão vai lá inspecionar?

  8. Kkkkkkkkkkkkkkkk

    Qualquer zé mané ver a estupidez disso e um general adere a uma sandice dessas. Mais uma prova da incapacidade total desses generais de Banânia.

    Frouxas Desarmadas são puro embuste. O país está completamente indefeso.

    Mas as fotos nas redes sociais estão bombando. Vão tomar vergonha na cara.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo