Caça às armas furtadas do Exército teria deixado um morto

METRALHADORAS RECUPERADAS

Homem participou da tentativa de comercializar as metralhadoras no Rio e teria sido executado por criminosos após repercussão do caso
Arthur Guimarães
São Paulo — O escândalo envolvendo o furto de 21 metralhadoras do Arsenal de Guerra de Barueri, na região metropolitana de São Paulo, tem mobilizado autoridades e tirado o sono de investigadores no Rio de Janeiro e em São Paulo — tem, também, movimentado as engrenagens pouco ortodoxas do crime organizado. Num desdobramento do caso, informações de inteligência recebidas pelos militares apontam que, nas últimas semanas, pelo menos uma morte relacionada ao furto teria ocorrido no Rio.

As 21 armas — 13 metralhadoras calibre .50, que podem derrubar aeronaves, e oito calibre 7,62, que perfuram veículos blindados — foram levadas para fora do quartel entre os dias 5 e 8 de setembro. Até agora, 19 delas foram recuperadas.

O furto só foi descoberto pelo Exército mais de um mês depois do crime, no último dia 10, durante inspeção no Arsenal de Guerra. Três dias depois, o caso veio a público em reportagem do Metrópoles.

Morte no Rio de Janeiro
O homicídio que chegou ao conhecimento dos militares é de um homem que trabalhava diretamente com Jesser Marques Fidelix, rapaz que seria o usuário do carro em que foram encontradas, na quarta-feira (1º/11), duas metralhadoras .50 do Exército.

O veículo com as armas, incluindo um fuzil 7.62 cuja origem ainda é desconhecida, estava estacionado, aparentemente abandonado, na Avenida Lúcio Costa, na Praia da Reserva, zona oeste do Rio (veja abaixo). Os investigadores dizem ter chegado até o carro após monitorar e seguir os passados do condutor. Ninguém foi preso.

Jesser, segundo a Polícia Civil do Rio de Janeiro, seria fornecedor de armas e drogas de organizações criminosas fluminenses. Natural do Espírito Santo, ele segue solto. O criminoso moraria em São Paulo, tem outros endereços no Rio e uma distribuidora de bebidas na capital fluminense.

Também conhecido como Capixaba, ele seria o responsável, de acordo com as investigações, por levar o armamento de guerra do Exército de São Paulo para o Rio. O comércio de bebidas de sua propriedade, assim como outros negócios atribuídos a ele, seria usado para a lavagem de dinheiro de transações criminosas.

Execução e investigação
A morte do homem ligado a Jesser teria acontecido entre os dias 10 — quando o extravio foi notado pelas Forças Armadas — e 19 de outubro — data em que a Polícia Civil do Rio encontrou as primeiras oito metralhadoras do Exército em um carro na entrada da Gardênia Azul, comunidade recentemente tirada das mãos da milícia pelo Comando Vermelho (CV).

Segundo a apuração do Metrópoles, a execução teria sido praticada por traficantes durante uma apuração clandestina para obter informações e descobrir o paradeiro das armas. O objetivo seria localizar os itens para devolver — ou vomitar, no linguajar do crime — as metralhadoras às autoridades, evitando, assim, uma eventual incursão das forças de segurança nas comunidades fluminenses.

O motivo da execução não está totalmente esclarecido, mas o que se sabe é que a vítima, homem de confiança de Jesser, seria uma das poucas pessoas com informações sobre o paradeiro do armamento de guerra e teria mentido aos criminosos sobre a localização dos itens furtados do Exército. Na ocasião, as metralhadoras ainda estavam rodando o Rio, sendo oferecidas a lideranças criminosas variadas.

Investigação do Exército
O Metrópoles apurou que, apesar de ter sido informado sobre esse homicídio, o Exército não tem seu esclarecimento como prioridade – há, inclusive, incertezas sobre a própria competência legal dos militares em conduzir essa apuração. Além disso, uma investigação minuciosa sobre o caso é tida como missão pouco provável.

Segundo apurou o Metrópoles, o corpo do homem morto teria sido desfeito, possivelmente queimado dentro de alguma comunidade.

As investigações apontam que Jesser e seu comparsa estiveram em várias comunidades do Rio tentando vender o armamento. Inicialmente, as informações apontavam que os itens não teriam sido adquirido por líderes criminosos por conta da ausência de peças.

Até hoje, não há provas sobre a efetiva compra ou não dos itens pelo CV. Não está descartada, por exemplo, a possibilidade de algum outro traficante, sem aval do comando da facção, mas ligado ao CV e “dono” de comunidade, ter comprado as armas com desconto no preço, como reforço para algum confronto em sua região, após fazer reparos nas metralhadoras. Leia mais.

METRÓPOLES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo