Expulsão de envolvidos em suposta trama golpista levará anos, avalia cúpula das Forças Armadas

golpe

Ainda que sejam identificados, um processo de punição só poderia começar após as condenações

Renata AgostiniJussara Soares da CNN

Brasília – A expulsão de militares envolvidos na suposta trama golpista delatada por Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, levará anos para ocorrer, alertam membros da cúpula das Forças Armadas.

Ainda que sejam identificados os integrantes da caserna que trataram do plano de golpe, as forças só poderão atuar e iniciar um processo de punição ou expulsão após a condenação desses militares.

Seria necessário, portanto, que a Polícia Federal (PF) encontrasse provas corroborando o relato de Cid, o Ministério Público apresentasse denúncia, a Justiça aceitasse, considerado-os culpados e todos os recursos fossem esgotados.

Só então, após o chamado “trânsito em julgado”, com a confirmação da condenação, um processo de expulsão do Exército, Aeronáutica ou Marinha poderia ser concretizado.

Neste momento, no qual a delação de Mauro Cid está sob sigilo e nenhuma ação penal foi instaurada, não há meios para que as Forças atuem de ofício buscando responsabilizar os militares, indicam fontes da caserna.

CNN Brasil

5 respostas

  1. Bolsonaro e seus capangas Amestrados ficarão como almas penadas atormentando o Exército. Tudo que qualquer Comandante fizer, tudo! Não adiantará, nem com campanhas de propaganda, placas, visitas exercicios…a ferida ficará aberta e qualquer encontrão de uma Manchete, voltará a sangrar.

  2. Lá em 1988 sequer conseguiram punir um certo Capitão mequetrefe e poderiam ter mudado o curso da história com uma condenação, depois veio Pazuello, Comandante exonerado por defender justamente Mauro Cid, depois o comando pegando leve devido ao Cid pai e por aí vai …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo