Deixado sozinho após revelação de Cid, almirante Garnier dizia que Forças eram ‘grande família’

Foto: Isaac Amorim/MJSP

Marinha se distância do comportamento de ex-comandante, que não perdia oportunidade para demonstrar sua fidelidade a Bolsonaro; antes da delação, ele já era alvo de crítica no ExércitoUma fotografia, a primeira, publicada em 14 de junho de 2021, mostrava o espírito do mais novo oficial tuiteiro do governo de Jair Bolsonaro. “As Forças Armadas são uma grande família a serviço da Pátria e assim vão permanecer até o fim dos tempos; sempre estarão unidas sob a direção do ministro da Defesa. Que ninguém se engane!” A imagem estava na então recém-aberta conta do Twitter do almirante Almir Garnier dos Santos, nomeado dois meses antes para comandar a Marinha.

Na foto, além do próprio marinheiro, estavam o ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, futuro candidato à vice-presidência na chapa de Jair Bolsonaro (PL), o então comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, e o comandante da Aeronáutica Carlos Almeida Baptista Júnior. Os quatro formaram a cúpula militar depois da crise que levou o presidente à demissão dos chefes anteriores, em março de 2021. Todos iriam desempenhar papéis importantes em outra crise: a que se seguiu à derrota do chefe nas eleições de 2022.

Braga Netto buscava manter o ânimo dos militantes bolsonaristas após a derrota. Paulo Sérgio, promovido a ministro da Defesa, pilotava a tarefa de “fiscalizar as urnas eletrônicas”, enquanto Baptista Júnior tivera a ideia de entregar o cargo ao seu sucesso antes da posse do presidente eleito – acabou sendo demovido da ideia. E Garnier? Qual o papel ocupado pelo comandante da Marinha? A delação do tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid aponta que ao almirante coube o papel de garantir a prontidão de suas tropas para um golpe.

Mas quem era o almirante Garnier, o homem que, segundo o chefe da Ajudância de Ordens de Bolsonaro se dispunha a enfiar a Força naval naquilo que o atual comandante do Exército, general Tomás Miguel Ribeiro Paiva, classificou como “uma aventura maluca”? Com que tropas, questionou o comandante da Força Terrestre, o almirante esperava contar para a intentona bolsonarista?

Tomás já criticava Garnier muito antes de a delação de Cid se tornar conhecida. O general nunca perdeu de vista o episódio que ele qualificava como “ridículo”: o desfile de carros de combate SK-105 Kürassier e dos CLAnf (Carro Lagarta Anfíbio) AAV-7A1 do Corpo de Fuzileiros Navais pela Esplanada dos Ministérios no dia 10 de agosto de 2021, quando a Câmara dos Deputados ia votar a proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Voto Impresso, que acabou derrotada.

Proposto a Bolsonaro pelo almirante, o desfile foi, segundo os líderes da então oposição, um dos principais episódios de ameaças às instituições registradas no governo anterior. “Foi só uma coincidência de datas”, afirmou então Garnier. “Uma infeliz coincidência”, afirmou então o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

O almirante dizia orgulhar-se de ter entrado na Marinha aos dez anos, em 1971 e, após mais de 900 dias passados no mar em fragatas como a Independência e União, ter sido responsável por projetos na área de tecnologia de informação e comunicações na Força Naval. Guarda Marinha da turma de 1981, Garnier passou ainda em sua carreira pela comissão naval em Washington e, durante quatro anos, assessorou quatro ministros da Defesa: Celso Amorim, Jaques Wagner, Aldo Rebelo – durante gestões petistas – e Raul Jungmann, no governo de Michel Temer (MDB).

Logo no começo do governo de Bolsonaro, em 2019, Garnier foi nomeado secretário-geral do Ministério da Defesa. Logo sua mulher e seu filho também ganhariam cargos no governo – ela na secretaria-geral da Presidência e ele no Empegron, a empresa estatal da Marinha. Com a queda do almirante Ilques Barbosa, em 2021, Garnier assumiu a Força Naval. Foi o momento em que Bolsonaro preencheu os cargos da cúpula militar com oficiais de sua confiança.

Depois de proporcionar ao país o desfile de carros de combate em Brasília, o almirante voltou à carga contra as urnas eletrônicas em maio do ano seguinte, durante uma entrevista ao jornal O Povo. “Como comandante da Marinha, eu quero que os brasileiros tenham certeza de que o voto deles vai valer.” O militar continuou com seu raciocínio, defendendo mais transparência e auditoria do voto. “Não é só o presidente que critica.” E alertou: “O presidente da República é meu chefe; é o meu comandante. Ele tem o direito de dizer o que quiser”.

O homem estava já acostumado ao uso das redes sociais. Tinha então 198 mil seguidores e quase 300 publicações. No dia seguinte ao segundo turno da eleição, escreveu aos seus seguidores: “Parafraseando o grande almirante Barroso, digo-lhes: ‘Não parem de lutar’.” O almirante parecia entrar no labirinto do questionamento do resultado das urnas enquanto o chefe se mantinha em silêncio no Palácio do Planalto.

As frentes dos quartéis se encheram de manifestantes enquanto, segundo o coronel Cid, minutas com decreto para se dar um golpe de estado eram apresentadas ao presidente Bolsonaro. Foi quando o tema teria sido tratado pelo presidente com o almirante. O golpe não houve. E, no dia 30 de dezembro, Garnier publicou em sua conta do Twitter uma mensagem para o almirante Marcos Sampaio Olsen, que assumiria a Força no governo Lula, desejando ao colega “bons ventos e boas águas”.

O desejo ficou restrito à rede social. No dia 5 de janeiro, quando devia passar o comando a Olsen, o almirante resolveu novamente inovar para o escândalo dos colegas. Garnier se tornou o primeiro comandante da Marinha da Nova República a não comparecer à cerimônia de passagem de comando para seu sucessor. Queria demonstrar – três dias antes da intentona do dia 8 de janeiro – que não prestaria continência ao governo de Lula.

Após os eventos do dia 8, o clima azedou de vez na Marinha. Dois ex-comandantes da Força – Ilques Barbosa e Eduardo Leal Ferreira – deixaram os grupos de WhatsApp com seus colegas almirantes em razão das discussões políticas. “Quem faz a opção pela violência, armada ou não, sempre perde”, escreveu Ilques. Ao deixar o serviço ativo, Garnier mergulhou no silêncio. Fez apenas nove publicações desde então, parte delas depois de ser dispensado do conselho da Câmara de Comércio Exterior (Camex) por Lula.

Nesta sexta-feira, dia 21, o almirante completará 63 anos. Antes teve tempo para ler a nota divulgada pela Marinha em que a Força afirmou “que eventuais atos e opiniões individuais não representam o posicionamento oficial da Força e que permanece à disposição da Justiça para contribuir integralmente com as investigações”. A grande família comemorada por Garnier na rede social parece se distanciar do almirante.

ESTADÃO

18 respostas

  1. Ridículo e medroso por que não levou sua ideia adiante? Porque ficou com o medo do óbvio, de ir direto para a cadeia, mas ainda há tempo para isto, digo ir para a cana.

  2. Como vcs acreditam nos jornais de esquerda ,o próprio advogado de Mauro Cid desmentiu em uma nota publicada ontem qualquer envolvimento de Bolsonaro com as forças armadas a um possível golpe,Cid disse ai da que irá entrar contra todos os jornais que publicaram essas matérias tendenciosas e irá pedir danos morais de indenização.

  3. A defesa do Mauro Cid publicou nota oficial desmentindo, mais uma vez, os vazamentos fakes da delação do cliente.

    É a esse papel decadente que se presta a imprensa ‘profissional’ hoje no Brasil, sempre que as cagadas do desgoverno começam a repercutir eles tiram um factoide desses do orifício rugoso – e será assim até a divulgação do conteúdo.

    Só que dessa vez nós matamos a charada. Eles estão usando publicações em redes sociais da própria direita pra construir as narrativas. A questão dos posicionamentos da Marinha e da Aeronáutica foi amplamente explorada e discutida aqui mesmo no Twitter no início do ano.

    1. A nota desmentindo é da defesa de Bolsonaro. A defesa de Mauro Cid não se pronunciou a respeito alegando que os depoimentos são sigilosos. Mas caso exista tal nota desmentindo, onde pode ser acessada?

  4. Dura Lex Sed Lex” Quando O Sr. Mencionou Que CFN Seria Um Comando “A Parte” Parei De Ler O Texto. Apenas Evidência Os Leões De Alojamento Rugindo Em Local Inapropriado E De Maneira Errônea.

    1. Procure se informar, muito embora exista o CM, Almirantado o CFN é um mundo a parte, tem sua própria diretoria de pessoal, etc. Quando me refiro um comando a parte, porque realmente o é, você que deve estar desinformado. Armada é uma coisa CFN e outra, apesar de serem Marinha.

  5. Tem gente que dão créditos demais ao que publicam.

    “A imprensa é muito séria, se você pagar eles até publicam a verdade”. Juca Chaves.

  6. Esse Almirante Garnier sequer sabe cantar a Canção Cisne Branco por completo. Se tivesse feito CFC, saberia. É um borra-botas.

  7. Verdade ou não, Bolsonaro propagou durante anos que usaria “o seu Exército”, fez sobrevoo no STF, desfile de militares em dia de votação da PEC do voto impresso com o Comandante da Marinha de uniforme de Fuzileiro e este chegou a se ausentar na passagem de comando a seu sucessor. Fica difícil desacreditar …

  8. Esse sujeito foi entregue à própria sorte. Precisam Rápidamente entregar um “gnu” aos leões e o escolhido foi esse Otário. Quanto ao “se o senhor for em frente com isso serei obrigado a prende-lo”, tudo conversa fiada. Foi a forma encontrada para se safarem já que o “bicho tá pegando Geral…..a casa tá pra cair”. Agora Todo mundo tentando se salvar de qualquer jeito. Se essa “estorinha” “colar”, coisa que duvido, o general sairá como o grande herói dessa loucura toda. Sairá como O “cara que salvou” o Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo