Em meio a escândalos envolvendo militares, confiança plena nas Forças Armadas recua para 20%, indica pesquisa

rio-de-janeiro-rj-25092017-forcas-armadas-no-quarto-dia-de-cerco-a-favela-da-rocinha-foto-gabriel-de-paiva-agencia-o-globo-1506353866499_615x300

Percentual era de 27% há um ano, mostra pesquisa ‘A Cara da Democracia’

Nicolas Iory 

São Paulo – A confiança da população nas Forças Armadas recuou no último ano, indica a nova edição da pesquisa “A Cara da Democracia”, realizada pelo Instituto da Democracia (IDDC-INCT). O levantamento indica que hoje só 20% dizem “confiar muito” nos militares, seis pontos percentuais abaixo dos 27% registrados na pesquisa anterior, de setembro do ano passado.

A taxa dos que afirmam “confiar mais ou menos” no Exército, na Marinha e na Aeronáutica variou de 30% para 33% no período, enquanto a dos que declaram não confiar “nem um pouco” nas Forças Armadas oscilou na direção oposta: passou de 26% para 30%.

'A cara da democracia': avaliação das instituições — Foto: Editoria de Arte
‘A cara da democracia’: avaliação das instituições — Foto: Editoria de Arte

A mudança na percepção pública sobre uma das instituições fundamentais para a estabilidade do país ocorre em meio a controvérsias que rondaram os quartéis nos últimos meses, o que passa diretamente pelo envolvimento de militares em questões políticas e pela proximidade desse grupo com tramas golpistas.

Uma das figuras que ilustram o primeiro cenário é o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro. Cid foi preso em maio por suposta fraude no cartão de vacinação do ex-mandatário e é investigado sob suspeita de envolvimento na compra e venda ilegal de presentes oficiais dados a Bolsonaro no exterior.

No ano passado, o governo Bolsonaro convocou as Forças Armadas, a partir do Ministério da Defesa, para integrarem uma comissão de fiscalização das eleições. Um relatório elaborado pelos militares reconheceu, após o segundo turno do pleito presidencial, que não havia evidências de fraudes nas urnas, mas deixou em aberto a possibilidade de irregularidades, sem apresentar indícios concretos.

A derrota de Bolsonaro nas urnas levou uma parcela de seus apoiadores a acampar em frente a quartéis do Exército na esperança de uma intervenção que pudesse reverter o resultado eleitoral. Esse movimento culminou na invasão e depredação das sedes dos Três Poderes, em 8 de janeiro, seguida pela demissão do então comandante do Exército, general Júlio César Arruda.

A pesquisa “A Cara da Democracia” também indica que decaiu o nível de confiança da população em outras instituições-chave para o funcionamento da democracia no país. O Supremo Tribunal Federal (STF) e a Justiça Eleitoral tiveram resultados piores no novo levantamento do que no anterior.

A pesquisa “A Cara da Democracia” foi feita com 2.558 entrevistas presenciais de eleitores em 167 cidades, de todas as regiões do país, entre 22 e 29 de agosto. O levantamento é financiado pelo CNPq, Capes e Fapemig e é feito pelo Instituto da Democracia (IDDC-INCT), que reúne pesquisadores das universidades UFMG, Unicamp, UnB e Uerj. A margem de erro é estimada em dois pontos percentuais para mais ou menos e o índice de confiança é de 95%.

PLENO (O Globo)

7 respostas

  1. Excelente! Agora que todo mundo já sabe o que são realmente os covardes gestores de pintura de meio-fio mamadores das tetas do erário público esperando a aposentadoria, o Brasil pode ter claro quem é quem.

    o embuste que sustentou a imagem por cerca de 30 anos acabou. Agora é hora de tratorar os covardes, afinal, não há com o que se preocupar.

    É maravilhoso imaginar esses generais se borrando de medo do STF, Lula, da mídia e até da própria sombra.

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    E é hilário imaginar esse grupelho falando pra si mesmo tentando manter um ar de auto-controle: a culpa é de Bolsonaro, a culpa é de Lula, a culpa é do povo que não entende que o Exército é apolítico, nós somos instituição de Estado, blá blá blá.

    são covardes demais para assumirem que a culpa é da própria covardia.

    1. Depois que o Minto e os militares golpistas forem condenados e lançados na prisão, será feita justiça e o povo volta a ter credibilidade nas Forças Armadas.

  2. Meu Deus, onde colocaram nossa Fôrças Armadas. ok os praças tem com isso?. a culpa disso tudo não são dos praças, que são a maoria na Forças, mas tamos pagando o preço por essas confusão que se meteram os generais no dia 8 de Jan de 23. Bolsonaro quase destroi as Fôrças Armadas, com sua ganância pelo Poder.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo