Mauro Cid circula por Brasília após fechar delação com a PF e diz que ‘está tudo tranquilo’

Mauro Cid circula por Brasília após fechar delação com a PF — Foto: Cristiano Mariz

Ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, que ficou preso durante quatro meses, deixou a sua residência na tarde desta segunda-feira

Patrik Camporez
Brasília – O tenente-coronel Mauro Cid foi visto na tarde desta segunda-feira circulando por Brasília pela primeira vez dois dias após fechar uma delação premiada com a Polícia Federal e deixar a prisão, onde ficou durante quatro meses. O ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro na Presidência saiu de sua residência no Setor Militar Urbano por volta de 13h30, acompanhado pela mulher, Gabriela Cid.

Por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o tenente-coronel pode sair de sua residência ao longo do dia, mas está impedido de deixar a sua casa à noite e aos finais de semana. Além disso, está proibido de manter contato com outros investigados — as exceções são a mulher, a filha e o pai, também alvos de inquéritos. O militar deve ainda comparecer à Justiça toda segunda-feira.

Cid visitou, às 13h45, um conhecido em um prédio localizado a oito quilômetros de distância da sua residência. O edifício abriga apartamentos funcionais que servem de moradia para militares. Questionado sobre a rotina após deixar a cadeia e assinar um acordo de delação premiada com a Polícia Federal, o ex-ajudante de ordens foi lacônico.

— Está tudo tranquilo — afirmou ao GLOBO.

Perguntado sobre o acordo de delação premiada, homologado pela Justiça no sábado passado, Cid disse apenas que não queria falar a respeito das investigações, que estão em andamento.

O ex-ajudante de ordens usava tornozeleira eletrônica, vestia calça jeans e camisa polo azul. Após conversar com o conhecido por cerca de vinte minutos, sob a sombra de uma árvore, Cid retornou para a sua casa.

Cid mora com a família em uma residência bancada pelo Exército e localizada numa região reservada aos militares, com praças, escolas e academias. Em cada quadra há guaritas com vigilância de soldados 24 horas e uma ampla área verde.

Por determinação de Moraes, Cid foi afastado de suas funções no Exército, mas vai manter o salário de cerca de R$ 27 mil. A expectativa dos investigadores é que a delação do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro contribua principalmente em três investigações: sobre o suposto esquema irregular de venda de joias; a inserção de dados falsos em cartões de vacinação; e as tratativas que resultaram inclusive em uma minuta golpista.

Veja as condições estabelecidas por Moraes para a soltura de Cid:

    • Proibição de deixar Brasília e recolhimento domiciliar no período noturno e nos finais de semana mediante uso de tornozeleira eletrônica
    • Obrigação de apresentar-se semanalmente, às segundas-feiras,à Justiça
    • Proibição de deixar o Brasil, entregando os passaportes
    • Cancelamento dos passaportes
    • Suspensão do porte de arma e de certificados de CAC
    • Proibição de usar redes sociais
    • Proibição de comunicar-se com outros investigados, com exceção da mulher, Gabriela Cid; do pai, Mauro Cesar Lourena Cid; e da filha, Beatriz Cid

O Globo

 

Uma resposta

  1. Para os bozoloides se o Cid falar toda a verdade e entregar o Minto…será chamado de traidor, mas se mentir e não entregar o Minto será chamado de Herói…vai entender esse povo!!! Kkkkkkkkkkkkk

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo