Garimpo ilegal na Amazônia: Exército já destruiu 29 dragas de mineração, avaliadas em R$ 19 mi

Mais uma balsa do garimpo ilegal na Amazônia foi destruída pelas forças de segurança na região do Vale do Javari (Foto: Divulgação/Exército)

Dragas utilizadas para mineração ilegal empregam metais pesados ​​e causam danos ambientais severos

O Comando Militar da Amazônia (CMA), durante a Operação Curaretinga IV, neutralizou 29 dragas avaliadas em mais de R$ 19 milhões de reais. A operação conta com o apoio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ​​(Ibama).
Essas dragas, utilizadas para mineração ilegal na região, empregam metais pesados ​​e causam danos ambientais severos, afetando vastas áreas de floresta. O prejuízo em lucros cessantes chega a R$ 13,9 milhões de reais até o momento. Essa ação resultou na preservação de mais de 23 hectares de floresta amazônica.
Além da neutralização das dragas, o Comando de Fronteira Solimões / 8º Batalhão de Infantaria de Selva, sob a coordenação da 16ª Brigada de Infantaria de Selva (16ª Bda Inf Sl), tem realizado diversas apreensões de materiais ilegais, incluindo motosserras, armamentos, motobombas, balanças, entre outros, totalizando R$ 130.000,00 em apreensões.
O uso do mapeamento de imagens aéreas na área de operações, feita com o apoio do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (CENSIPAN) facilitou o acesso a informações relevantes para identificação de atividades ilegais e a localização das 29 dragas na região. Com esses dados, a inteligência por trás das operações teve uma visão mais ampla e detalhada da área, o que favoreceu o planejamento de ações eficientes e eficazes para garantir uma abordagem mais assertiva no enfrentamento dessa questão ambiental.
Os esforços coordenados e sinérgicos do Exército Brasileiro junto às interagências têm se mostrado altamente eficazes no combate a diversas atividades ilegais na região da Tríplice Fronteira (Brasil/Colômbia/Peru) e no Vale do Javari. Desde o início de julho, a operação vem obtendo resultados positivos, interrompendo a poluição de 7,73 kg de produto no ecossistema da Amazônia Ocidental.
A 16ª Bda Inf Sl, que recentemente completou 30 anos da sua transferência para a cidade de Tefé, no Amazonas, tem intensificado a presença na região ao realizar as Operações Ágata nos níveis I, II e III. Essas ações têm sido cruciais para conter a mineração ilegal, somando mais de R$ 100 milhões de reais em neutralizações de dragas de garimpo ilegal, o que também evitou a extração ilegal de ouro presumido em mais de R$ 44 milhões de reais.
O balanço do primeiro semestre das ações operacionais da 16ª Bda Inf Sl inclui também outras apreensões impressionantes, como 4.740,8 kg de drogas do tipo skunk avaliadas em R$ 94.816.000,00 milhões, 480 kg de pasta base de consumo em R$ 57.600.000,00, 245 g de ouro com valor estimado em R$ 73.500,00, mais de R$ 45 mil em dinheiro em espécie e 50 mil litros de óleo diesel com valor de mercado estimado em R$ 268 mil reais.
Essas ações destacam o compromisso do Exército Brasileiro e das instituições envolvidas em proteger o meio ambiente e combater crimes que ameaçam a região amazônica.
a crítica.com – edição: Montedo.com

2 respostas

  1. Convenhamos, quem tem dinheiro para pagar 19 milhões em dragas? não é para qualquer. Portanto, só atear fogo nos meios de produção dessas mineradoras e bater nos caboclos explorados não vai resolver. deve-se correr atrás do dinheiro e ver quem pagou por essas dragas e que ficam com os lucros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo