Exército reconhece dedicação e compromisso das praças

Imagem: CCOMSEx

Mudança marca o fim de um ciclo na carreira das praças e o ingresso no Quadro Auxiliar de Oficiais

Brasília – O dia 1º de junho é uma data muito esperada por centenas de militares todos os anos. É neste dia que ocorre a promoção de subtenentes ao posto de segundo-tenente. Mas qual o significado dessa promoção?
Não se trata de uma simples mudança de posto. Essa mudança marca o fim de um ciclo na carreira das praças e o ingresso no Quadro Auxiliar de Oficiais (QAO). Em 2023, essa conquista é ainda mais especial. Neste ano o Exército Brasileiro comemora os 200 anos do Tenente Antônio João, herói da Epopeia de Dourados e Patrono do QAO.
445 militares integram o efetivo da primeira promoção ao Quadro Auxiliar de Oficiais no ano do bicentenário de nascimento do Patrono. Um dos promovidos nesta data é o Segundo-Tenente Ageu Souza. Oriundo da arma de Comunicações, ele atingiu o oficialato depois de 30 anos de serviço.
O Tenente Ageu ingressou no Exército para o serviço militar inicial em 1993 no 1º Batalhão de Comunicações, em Santo Ângelo (RS). Um ano depois foi promovido a cabo. Outro ano se passou e ele foi aprovado no concurso da Escola de Sargentos das Armas.
Ao final de 1996, após o curso de formação, se tornou sargento do Exército Brasileiro e foi servir no 57º Batalhão de Infantaria Motorizada, no Rio de Janeiro. Também na capital fluminense, serviu no Comando Militar do Leste. Ageu Souza fez o curso de Operador de Equipamentos Audiovisuais e se especializou em fotografia – função que desempenha até hoje.
O Tenente Ageu Souza serve no Centro de Comunicação Social do Exército, onde chegou em 2016 como primeiro-sargento. Ele ainda acumula experiências em Missão de Paz no Haiti, monitor de fotografia na Escola de Comunicações e também como sargento no 1º Batalhão de Comunicações, a mesma organização militar em que ingressou no Exército em 1993.
“Para a carreira do Praça, atingir o oficialato é o coroamento, com êxito, para o militar que chega ao QAO. É o reconhecimento do Exército à carreira do Sargento”, relata o Tenente Ageu. “Estou muito feliz em ser promovido ao posto de Segundo-Tenente no Bicentenário do Patrono do Quadro Auxiliar de Oficiais, o Tenente Antônio João”, completa o oficial.

História do herói
Antônio João Ribeiro nasceu na vila de Poconé, Província de Mato Grosso, em 24 de novembro de 1823. Ele ingressou no Exército como soldado voluntário em 6 de março de 1841, no Batalhão de Caçadores nº 12, sediado em Cuiabá. Antônio João desenvolveu grande valor profissional e galgou as graduações de cabo e sargento. Por todo o mérito demonstrado ao longo da carreira, ele foi promovido ao oficialato, chegando o posto de alferes em 29 de julho de 1852.
Já como tenente, Antônio João foi designado para comandar a Colônia Militar dos Dourados no final de fevereiro de 1862. Sua missão era o controle da via de acesso fluvial, a defesa e a proteção dos moradores brasileiros daquela parte do território nacional.
Foi no cumprimento desse dever que Antônio João se eternizou. No início da Guerra da Tríplice Aliança, conflito que durou de 1864 a 1870, a Colônia Militar dos Dourados enfrentou as tropas paraguaias e se opôs à invasão do território brasileiro. Em 29 de dezembro de 1864, liderando um punhado de destemidos, Antônio João não se intimidou contra a investida das forças paraguaias, muito mais numerosas. Resolvido a se sacrificar para cumprir seu dever militar, enviou um mensageiro para o comandante do Distrito Militar de Miranda com o alerta da iminente invasão e a demonstração de seu valor.
“Sei que morro, mas o meu sangue e o de meus companheiros servirá de protesto solene contra a invasão do solo de minha Pátria”, foram as palavras escritas pelo oficial. O mensageiro nunca chegou ao destino. Foi capturado pelo inimigo.
A tropa paraguaia deu o ultimato para a rendição brasileira, o que rejeitado pelo tenente Antônio João. Mais uma vez, não se negou ao confronto desigual. Travado o combate, o tenente Antônio João tombou atingido pelas primeiras balas inimigas.
Antônio João Ribeiro foi escolhido como Patrono do Quadro Auxiliar de Oficiais por meio do Decreto nº 85.091 de 24 de agosto de 1980.
CCOMSEx

48 respostas

  1. Parabéns Ageu, grande camarada , excelente profissional e pessoa formidavel, fomos soldados juntos e Sgt juntos no 1° B com e agora QAO.
    Feliz por sua promoção meu nobre.
    Forte abraço.
    Ten André Luís/ Foz do Iguaçu – Pr.

      1. Não ia me meter no assunto mas já que você provocou. As promoções para QAO são cercadas de vícios, em qualquer outro órgão da Administração Pública não se sustentaria. Não é a toa que desembargadores e juízes são convidados pela instituição para estágios e formaturas para receber medalhas, é por isso que muitos processos contra estas injustiças não vingam. O acesso ao CHQAO deixou de receber o nome “concurso” para “processo seletivo” . Por que? Porque o primeiro por imposição da Lei deveria ser TRANSPARENTE. Procura na intranet o vídeo do QAO que fazia parte da comissão de promoção em audiência falando que fez os cálculos de um militar numa folha de rascunho kkk fOLHA DE RASCUNHO. O militar passa 30 anos suados numa instituição cheia de regras para no final de carreira ter a sua vida definida numa FOLHA DE RASCUNHO. E você debilóide vem aqui fazer uma pergunta destas?

  2. A regra é Simples, faz idioma, faculdade, curso no portal de educação e sai promovido.
    Agora, o camarada preguiçoso, indisciplinado, reclama e tem preguiça até para entrar em forma, semi analfabeto com certeza vai morrer ST. Acho que o critério é justo e cada um escolhe o seu próprio destino, conscientemente ou não kkkk

    1. Na minha atual OM tem 6 oficiais QAO. Dos seis, quatro, repito, quatro são “Semi analfabetos” como você se referiu. Nenhum deles tem “faculdade”, apenas o “tecnólogo” do CHQAO; nenhum tem idioma cadastrado; um deles é indisciplinado e, inclusive ingressou no QAO com punição na ficha, comportamento “ótimo”; e somente um, repito, somente um consegue redigir um simples DIEx inteligível.

      Então, no mundo real as coisas não acontecem como no “Maravilhoso Mundo do Bob”.

      1. Na minha atual OM tem 6 “Especiais” QE’s.
        Nenhum deles tem o fundamental completo.
        Nunca passaram em concurso Público, obviamente.
        o “Maravilhoso Mundo Master Bob Juruna”.

      2. As forças Armadas deveria sempre ter atitudes assim infelizmente perde muitas pessoas de valores por diversos motivos os quais somos conhecedores que melhore cada vez mais pois no momento só resta a memória dos pracinha que deram suas vidas Que dias melhores venham assim seja.

      3. Agora os praças podem estudar, antigamente era o contrário, não podiam nem entrar em trajes civis no quartel, os oficiais entravam até de sunga, Tinha que alugar um quartinho, próximo onde serviam para trocar Roupa, os oficiais sempre foram os donos dos quartéis, cheios de regalias, agora, aos poucos está mudando, parecendo favor aos serviçais!

    2. Olá. Tenho tudo isso que escreveu e mais algumas. Fiquei para trás! sabe porquê? Por que nunca coloquei cafezinho, levei malas, nunca deixei passarem por cima mim e muito menos fiquei de papinho nos corredores com os “chefes”. Alegaram também que fiquei 21 anos na mesma guarnição. Fiquei sim, foi por escolha. minha família sempre em primeiro, sempre. Fui para reserva ST com 50 anos. Cumprir o tempo previsto e mais nada. meus objetivos foram alcançados: filhos formados e trabalhando, esposa trabalhando. É! seu Exército deve ser bom para você. Não sei o que você fez, mais aconselho nunca deixarem romper seu caráter. Seja feliz.

      1. Excelente! Fiz a mesma coisa, me preocupei com o conjunto da obra como costume dizer, quem sai junto chega junto, esposa formada e atuando somando nos Proventos, filho único na Academia, sem muitos filhos pra não passar dificuldades pra educar, enfim muito realizado e abençoado. Admiro muito os QAOS, em especial os da minha oM no Qual pude ver a dedicação, Profissismo e competência, sei que nem todos chegarão ao QAO Por méritos
        Enfim A vida é feita de escolhas o importante é estar realizado. Deus abençoe a todos. Deixa aqui um Versiculo biblico para meditar. O que adianta o homem ganhar o mundo e Perder a sua alma.🙏🙏🙏

      2. sempre alegam alguma coisa pra nao te promover: você nao tem curso, Você nao tem idioma, Você nao tem movimentação, não tem medalha etc…. Como se todos os promovidos tivessem tudo isso!
        O fato é que sem transparência essa promoção é uma fraude!

  3. Parabéns aos promovidos!

    Mas não vamos “tapar o sol com a peneira”. Há muito que a meritocracia no EB não é assim tão “meritória”.

    Muitos militares excepcionais, com currículo impecável, são alijados das promoções porque não aceitam a conivência com erros e Injustiças.

    E sabem os srs que o maior crime que um militar pode cometer é mostrar que o eB erra e comete injustiça. Aí não tem medalha Pacificador que o ajude.

    Sem contar a diferença de tratamento para quem está na tropa e para quem está nas Diretorias. Mesmo que esses últimos tenham, em suas funções “militares”, atribuições como fotógrafos e diagramadores do jornal da Diretoria, são muito mais agraciados do que tropeiro que está contribuindo efetivamente na atividade-fim.

    1. Se depender deste seu “Proficionalismo” você não vai chegar lá. Uma dica, começa hoje a estudar português que talvez dê tempo de alcançar este farol. Por enquanto, você alcançou apenas uma luz de vela, bem fraquinha. 😂😂😂

  4. Pura hipocrisia. Praça não quer ir a oficial, praça quer um salário decente e digno.
    Só burro entra hj em dia para FFAA.

  5. Tenho o maior Respeito pelos Oficiais do QAO, sou Oficial RR de quadro paralelo da PMERJ, tenho um filho que foi promovido a 1° sgt, agora em 1° de junho e acredito que alcançará o Oficialato Sem puxar saco ou babar o ovo de ninguém.

  6. A dica primordial é fazer a receita da casa:
    – estudar para o chqao para ficar acima de 9.
    – idioma de preferência dois.
    – cursos no portal de educação.
    – curso superior

    Sem esses ingredientes acima, você pode enfiar os dois dedos no coturno e rasgar que não sai QAO.

    Outra coisa, se você não sabe redigir um diex, sai sub e vaza pra não passar ( mais) vergonha, vai carpir um lote…

    1. Exigem mais instrução para o graduado ser 2° Ten do que pra ser General no exército, estão de Brincadeira! e tudo isso pra ir , no máximo, pq alguns nem a isso chegam, a Cap que é início de carreira de oficial. Pelo tanto de coisas que cobram, tipo: Nível superior, 02 Idiomas e blá blá blá tinha que ir a major ou a TC pelo tanto de exigência que Fazem. É uma sacanagem com o Graduado que não tem tamanho.

  7. Não sei o motivo de tanta discussão, o início da carreira de oficial começa com posto de 2° Tenente, posto que qualquer concludente de CPOR/NPOR, consegue sem concurso público, sem profissão anterior ou qualquer vínculo anterior com o Exército, esse mesmo posto pode ser obtido após um estágio de 45 dias de quem possui curso superior.

    Tambéem Não vejo motivo de tanta nobreza, em um posto que não precisa de vínculo anterior ou qualquer formação para conseguí-lo ou experiência, bastando para isso um curso ou estágio.

    Da forma que escrevem, a impressão que se tem, que a situação de praça é a pior no Exército e todos querem as regalias dos oficiais, não existindo nenhum valor em ser praça, a não ser para ser usado, manipulado ou se matar para se tornar oficial.

    Na verdade, o Exército está desmerecendo a carreira de praça, dizendo que se você é um excelente militar então você é oficial, típido da época da escravidão, onde os nobres ofereciam a liberdade para quem lutasse por eles, mantendo a tradição até hoje, mas com outras recompensas.

    essa tradição do exército está voltada para educação eugênica (letra b, do art 138, da CF 1934), típico da época onde os bem nascidos não precisavam fazer esforço para chegar ao oficialato ou cargos de chefia. Felizmente essa tradição está acabando, apesar que alguns seguimentos da sociedade ainda se prendem a ele.

    Não podemos esquecer que muitas atrocidades aconteceram na guerra do paraguai, época da tríplice aliança. Agora carreira e promoções todos devem ter.

    O que deve ser destacado que existem duas carreiras distintas, uma de praça que começa como 3°sargento com o final em subtenente e outra de oficial que começa como 2°tenente e termina como general. Não se pode dizer que existe mérito em ingressar em um posto inicial de outra carreira depois de tantos anos e dedicação, onde o início da mesma basta apenas um curso ou estágio.

    Assim caminha a humanidade……….

  8. Fico feliz de ver companheiros de farda sendo promovidos. Todavia, a grande relevância que um praça é reconhecido é por “favores”: administrar uma subtenecia, uma “chateação”, ser babão e todo tipo de subserviência. O praça nunca é promovido por ter ensino superior ou por trabalhos relevantes fora da força.

  9. A vida é cheia de renuncias, um camarada escolhe dedicar mais tempo ao EB e menos a familia é justo que saia QAO, só espero que o sistema não cague para ele no fim de seu rastejo. Kkkk, quanto aos subs que não sairam, não os julgo, são camaradas que muitas vezes preferiram a familia que ficar depois do exped para ganhar sgd alto. Moral da história, entrei para ser praça se for promovido é erro do sistema.

    1. Priorizar a família é argumento usado por pelo menos três tipos de individuos:
      – cachaceiro,
      – fracos intelectualmente
      – preguiçosos e ciumentos da conquista alheia…

      Quem prioriza a família se dedica e sai Oficial QAO, daí sim vai deixar uma condição melhor para a família, agora não me venha com hipocrisia de “cuidar da família” pois conheci muitos que usavam esses argumentos por serem invejosos e incompetentes demais…

  10. Fui Sgt de Com no EB Durante 17 anos. Servi no 3 bCom, CComGex, 1 CiaComSl, 6
    BIS e etc. Carreira impecável…mas percebi que realmente o EB não reconhece o empenho das praças. Na carreira de oficiais até os incompetentes chegam a TC. As praças de tropa não são muito lembradas nesta disputa ao oficialato. Passei em outro concurso…

  11. O fotógrafo como conheci é mais que merecedor por ser uma pessoa íntegra, honesta e saber o significado da palavra respeito e camaradagem. Se fossem de outra instituição, muitos dos chorões “com estudo” seriam Soldados ainda, pois teriam que passar em um processo seletivo, concurso, e mesmo que estude, nem todos passam, ou seja um com três faculdades passou na prova junto com quem tinha o ensino médio, quem tem direito a anos não passou. Então agradeçam a meritocracia (que por mais mal avaliado, como alguns dizem), com certeza quem fizer como cabo Padilha disse irá sair promovido.

  12. Poxa chefe! preciso que me um conceito bem alto e depois fale com SUBCMT para colocar alto desempenho, assim consigo sair QAO, já estou com 53 anos. Depois mais 5 anos saio CAP com 58 anos, quase 60. Agradeço. Lá na confraternização da OM converso mais com Sr, vou sozinho. Isso é caso real que presenciei em vários momento no QGEX. Duvidam!

  13. É um quadro em extinção. Acredito que ficará para pouquíssimos no futuro, talvez 20% da turma de formação. Hoje, um 1SGT Ganha quase o rendimento líquido de um 2Ten temporário. Para a instituição, desconsiderando os óbices da vivência regional para a família, o praça antigo ganha razoavelmente bem.

  14. Parabéns praça. Passe mais uns 10 anos, vire ptcc, esqueça sua família e seja feliz ao lado de quem vc ama…o exército é tudo para aqueles que não querem nada.

  15. Não servem pra nada para o povo brasileiro só visam os próprios interesses fábrica de marajás vitalícia isso sim sugam o povo brasileiro a muito tempo pra quem eles são tudo isso que está escrito não sei pra quem só para os marajás das forças armadas que sinceramente não faria falta nenhuma para o Brasil economizaria muito dinheiro público.

  16. Fui pra reserva como 2⁰ Ten…pedi muitos cursos e nunca me deram oportunidade de fazer, nunca fui punido mas respondi “N” Sindicancias por não aturar postura de oficiais perante praças e não ser lambe botas. Qdo chegava em nova OM a capivara chegava antes, e nunca mudei minhas atitudes esperando promoções. Nunca desrespeitei QE e tenho hoje vários que considero amigos e que muito me ajudaram no meu período no EB…O que falta para as praças, na minha opinião, é lembrarem que são praças e da sua origem, quem quiser ser babão e Carreirista que seja e tenha um bom proveito. Só 1 simples exemplo da mega carreira de praça a oficial…tive um 3⁰ mais moderno que roubou cheque do armário de outro, 8 dias de prisão 1 em separado…promovido a oficial na frente de muitos. Não me venham com “meritocracia” é peixada pra grande maioria sim. O teatro FFAA ainda vive no imaginário de alguns….acordem. Aiinnnn eu passei em concurso…vai a m… concurso é Min Público, PF, Juiz….

  17. Acho que é o mínimo, estudar ….e o mínimo ter que esperar , porém os critérios devem ser bem claros, caso contrário, como alguns dizem, acaba virando peixaria… Mando,.mas não vou poder ajudar a mudar o sistema.

  18. Todos os puxa sacos que encontrei no EB não gostavam de estudar…
    O conhecimento liberta e concede autoridade e moral ao indivíduo seja ele praça, qE ou general.
    Em resumo; qdo não se tem a abordagem técnica, o assessoramento a nível de universitário, só resta ao indivíduo apostar no relacionamento interpessoal e na vergonosa e desonrosa puxação de saco que geralmente leva o camarada a derrocada pois na hora de fazer o SGD muitas questões objetivas levam os OF a ferrar esses puxa sacos fazendo justiça ao demais que gostam de pegar os cadernos no dia a dia e estudar….
    Brasil acima de tudo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo