CPI no DF: deputado apresenta requerimento para convocar Mauro Cid

Mauro Cid (de farda verde) caminha ao lado de Bolsonaro em viagem aos EUA: ajudante de ordens tornou-se mais do que um 'carregador de pasta' do presidente Foto: Alan Santos/Presidência da República/08-03-2020

Requerimento convoca Mauro César Cid a prestar depoimento como testemunha sobre atos terroristas cometidos em 12/12/2022 e 8/1/2023

Alan Rios, Marcus Rodrigues
O deputado Fábio Felix (PSol) apresentou requerimento para convocar o tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), para prestar explicações à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Atos Antidemocráticos, na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). O pedido, no entanto, ainda precisa de aprovação dos demais integrantes do colegiado.

A convocação requer depoimento de Mauro César Cid na condição de testemunha diante dos atos terroristas cometidos por bolsonaristas em Brasília, em de 12 de dezembro de 2022 — data da tentativa de invasão à sede da Polícia Feral (PF) — e em 8 de janeiro de 2023, quando da depredação das sedes dos Três Poderes.

“Pesam sobre Mauro Cid diversos indícios de que [ele] teria ultrapassado limites legais na defesa dos interesses de Bolsonaro e de familiares [do presidente], como nos casos das joias [doadas pela Arábia Saudita] e da fraude nos cartões de vacina. Os áudios divulgados ontem [quinta-feira] levantam suspeitas de que Cid pode ter envolvimento direto com a conspiração que levou aos ataques dos dias 12 de dezembro e 8 de janeiro. É fundamental que ele seja ouvido pela CPI dos Atos Golpistas”, destacou Fábio Felix.

Preso preventivamente em operação da Polícia Federal (PF) por supostamente fraudar dados de vacinação contra a Covid-19, Mauco César Cid participou de conversa que tratava sobre o planejamento de um golpe de Estado no Brasil, segundo divulgado pela jornalista Daniela Lima, da CNN Brasil.

Segundo a apuração, Mauro César e Ailton Barros, ex-major do Exército Brasileiro e advogado, discutiram, em dezembro de 2022, a execução de um golpe de Estado, por meio do qual as Forças Armadas tomariam o poder no país. A conversa, registrada em três áudios, está sob análise da Polícia Federal (PF).

Em 2022, Ailton Barros se candidatou a deputado estadual do Rio de Janeiro pelo Partido Liberal (PL). Durante a campanha, apresentava-se como “01 do Bolsonaro”.

Um dos áudios recebidos pela PF é de 15 de dezembro de 2022. Na gravação Ailton Barros afirma: “É o seguinte, entre hoje e amanhã, sexta-feira, tem que continuar pressionando o Freire Gomes [então comandante do Exército] para que ele faça o que tem de fazer”.

“Até amanhã à tarde, [com] ele aderindo bem, [que] ele faça um pronunciamento, então, posicionando-se dessa maneira, para defesa do povo brasileiro. E, se ele não aderir, quem tem de fazer esse pronunciamento é o Bolsonaro, para levantar a moral da tropa — que você viu, né? Está abalada em todo o Brasil”, completou o militar.

Ailton Barros também foi preso na Operação Venire, deflagrada pela PF nessa quarta-feira (3/5) para investigar uma associação criminosa acusada de inserir dados falsos de vacinação contra a Covid-19 nos sistemas do Ministério da Saúde.

No total, a PF cumpriu 16 mandados de busca e apreensão, bem como seis de prisão preventiva, em Brasília e no Rio de Janeiro. Os investigadores vão analisar o material apreendido na operação e colher depoimentos.

Metrópoles

3 respostas

  1. Tem que convocar também os melancias Disseminadores de Fake news.
    Que dizem que a Lei 13:954 foi Prepucial pra carreira e que houve Decréscimo de salários.

  2. Só se for no seu pagamento

    Houve decréscimo sim

    Pracas e Pensionistas

    Lei 13954 tem inconstitucionalidade e será revista

    A verdade apareceu
    Adeus Bolsotrevas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo