Ex-major discutiu golpe de Estado com Mauro Cid em dezembro de 2022

Militar Ailton Barros intitula-se "01 do Bolsonaro no Rio de Janeiro" nas suas redes sociais

Ex-militar preso cobrou adesão do então comandante do Exército, Freire Gomes, ao plano
Ailton Barros, ex-major do Exército, advogado e aliado de Mauro Cid, discutiu, em dezembro de 2022, um golpe de Estado com o ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL). As informações são de Daniela Lima, âncora da CNN.

Segundo a Polícia Federal (PF), esse aliado de Cid também integrou o que foi identificado como uma associação criminosa que forjou registros de vacinas para o ex-ajudante de ordens e outras pessoas, incluindo Bolsonaro. Ele também foi preso nesta quarta-feira (3), em operação da corporação sobre o caso.

A CNN teve acesso à transcrição de três áudios, que estão em posse da PF. Nos arquivos, Ailton descreve o “conceito da operação”. No plano, deveria haver participação do então comandante do Exército, Freire Gomes, ou de Jair Bolsonaro, então presidente da República.

Também foi idealizada a prisão de Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Entenda o plano para golpe de Estado
No dia 15 de dezembro, ele diz: “É o seguinte, entre hoje e amanhã, sexta-feira, tem que continuar pressionando o Freire Gomes [então comandante do Exército] para que ele faça o que tem que fazer”.

Conforme explicou Leandro Resende, analista de Política da CNN, Freire Gomes assumiu o comando do Exército em março de 2022, ficando no posto até dezembro do mesmo ano.

“Até amanhã à tarde, ele aderindo… bem, ele faça um pronunciamento, então, se posicionando dessa maneira, para defesa do povo brasileiro. E, se ele não aderir, quem tem que fazer esse pronunciamento é o Bolsonaro, para levantar a moral da tropa. Que você viu, né? Eu não preciso falar. Está abalada em todo o Brasil”, complementa.

Ele ressalta a necessidade de Gomes ou Bolsonaro realizarem o pronunciamento comentado no áudio, destacando “de preferência, o Freire Gomes. Aí, vai ser tudo dentro das quatro linhas”.

O ex-militar pontua que seria necessário ter, até o dia seguinte, 16 de dezembro, pela tarde, “todos os atos, todos os decretos da ordem de operações” prontos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Pô [sic], não é difícil. O outro lado tem a caneta, nós temos a caneta e a força. Braço forte, mão amiga. Qual é o problema, entendeu? Quem está jogando fora das quatro linhas? Somos nós? Não somos nós. Então nós vamos ficar dentro das quatro linhas a tal ponto ou linha? Mas agora nós estamos o quê? Fadados a nem mais lançar. Vamos dar de passagem perdida?”, indaga.

Ailton continua descrevendo o plano, afirmando que “se for preciso, vai ser fora das quatro linhas”. “Nos decretos e nas portarias que tiverem que ser assinadas, tem que ser dada a missão ao comandante da brigada de operações especiais de Goiânia de prender o Alexandre de Moraes no domingo, na casa dele”, adiciona.

De acordo com o que diz o advogado a Cid no áudio, a ideia é que na segunda-feira, 19 de dezembro, fossem lidas as portarias, decretos de garantia da Lei e da Ordem e “botar [sic] as Forças Armadas, cujo Comandante Supremo é o presidente da República, pra agir”.

Não foi possível saber o que Mauro Cid respondeu ao ex-militar.

A CNN entrou em contato com Jair Bolsonaro, Mauro Cid e Freire Gomes e aguarda retorno. Também estamos tentando contato com Ailton Barros.

CNNBrasil/montedo.com

22 respostas

  1. Esse da com a ficha corrida de tantos IPM, ações Penais e Um acórdão no Conselho de Justificação com mais De 56 páginas cotando incontáveis transgressões contra a ética e moral militares e ainda tem a coragem de conspirar para um golpe? Imagine o país que ele queria e que fosse. Esses, são os naipes de quem Quer um golpe para obter Ganhos secundários.

  2. Esse é aí é bandido de carteirinha. Fazia negociações com traficantes e conspirou para acabar com a democracia brasileira. Para não falar que é Indisciplinado e foi expulso do exército, mas isso é fichinha, pequeno detalhe.
    Pergunto, O Cid é amigo dele? se for, podem alegar que estavam de “brincadeirinha”.
    Se não for, o que é pior e o mais provável, estavam seriamente tramando crimes. Daí vem a segunda pergunta, quem seria o beneficiado?

  3. Fui militar por quase 12 anos dentro do Exército, e Sei de todas as nuances de dentro da caserna. Graças a Deus fui aprovado em outro concurso público. Só um sujeito desse naipe mesmo, para acreditar que os oficiais iriam colocar seus cargos a Prêmio, dando um golpe de estado. kkkkkkkkk

    Olha o naipe do cara que estava planejando abolir o Estado Democrático de Direito. kkkkkkkk

  4. Uma Observação, No Portal Da Transparência Esse Cidadão, Por Intermédio De Sua Esposa/Viúva, Recebe Bruto 22 Mil, E Líquidos Cerca De 15 Mil. Foi Declarado Indigno E Expulso, Depois De Tantas Transgressões E Ações Penais. As Regras Da Pensão Militar Já Deveriam Ter Sido Alteradas Nesse Ponto, Tivemos Uma Agora E Esse Teratologia Já Deveria Ter Sido Extinta, Expulso Deve Ir Para A Contagem No INSS. Olha O Valor E Veja Se Não Impacta Na Tão Combalida Pensão Militar. Isso Aínda Fomenta A Possibilidade De O Militar Ser Um Mal Profissional.

      1. Pelo amor de Deus, tu tem a capacidade limitada, parece até disco furado só fala em recalque, inveja, invidia e outros, já saquei. Em todas as postagens é sempre a mesma coisa de mim e dia outros. Recalcado é você.

        1. É inveja sim! Imagina quantos ex-militares expulsos, milicianos e outros marginais em geral, não sentem inveja! Com uma vasta ficha corrida e próximo do “melhor Presidente que o Brasil já teve”.

    1. Considerado morto para fins militares, considerado indigno, mas como contribuía obrigatoriamente para a Pensão Militar, o beneficiário da pensão recebe e ele deixa de receber o salário.

  5. kkkk… comédia essa PF e essas investigações. Aqui no Amarelinho, na Cinelândia/RJ (para quem não conhece ) se planeja mil estratégias de todos os vieses políticos todos os dias, em todas as horas, destituindo e constituindo governos, planos econômicos e geopolítica.

  6. Ailton Bruxo.

    Ninguém vai questionar como ele fez AMAN e chegou só até Major?

    Meu irmão, olha o tipo de gente que o “Messias” meteu no governo dele.

    Pessoal, se tem companheiros no GA (galera da Old school), perguntem quem é o Ailton Bruxo.

    1. Bolsonaro, como é um intelectual da mais alta capacidade, pensou: “Bah, mas se eu totalmente errado cheguei a Capitão imagine esse que chegou a Major, deve ser muito bom!”

  7. Olha o respeito que o Bozo tinha pelo Exército, tinha como braço direito um major expulso pelo EB é porque não valia nada e agora se mostra um verdadeiro criminoso.

    1. Nossa! Olha o nível dos nossos estamentos superiores!!

      Acredita mesmo que para um golpe de Estado necessita-se apenas do concorde do Comandante do Exército?!

    2. Nada mais natural. O próprio Parmito tambem seria expulso do Exército. Não o foi por uma jogada do então ministro do Exército, general Leônidas Pires Gonçalves, que esperaram a posse do Parmito Como vereador para transferi-lo para a Reserva Remunerada.

  8. Trata-se da mais clara e canhestra perseguição contra um incólume Oficial e mais uma vez foi ele! Sim, ele mesmo, o abominável alexandre de Moraes que na sua sanha e vaidade não pode ver nenhum outro careca se dando bem e por isso investe contra pessoas que podem ofuscar o brilho de testa estendida: Luciano Hang, tenente-coronel Paulo Jorge Fernandes da Hora e agora este incólume Oficial e exemplo de militar. Baaaaaaaaaaaaaaaaaaaast! Maldito, maldito, maldiiiiiiilto! às armas patriotas!

  9. Para um Major ser expulso do Exército tem que chegar todo o dia atrasado, cumprir o expediente pelado e ainda kgar na comida do rancho. O próprio Bozo quis explodir as adutoras do RJ e não foi expulso, Pazuello botou soldado puxar carroça com ele em cima e chegou ao topo da carreira, o General Villas Boas era incapaz para o Serviço Militar e Comandava o Exército e por aí vai …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo