Interino do GSI suspeita do envolvimento de Heleno nos atos de 8/1: “Cadê a valentia dele?”

General Heleno: nota do chefe do GSI tem concordância ïntegral" do Clube Naval
Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Em entrevista ao site Congresso em Foco, o ministro interino do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Ricardo Cappelli, levantou suspeitas sobre a possível participação do general Augusto Heleno, ex-chefe do GSI durante o governo Bolsonaro, nos atos de 8 de janeiro.

Para Cappelli, as investigações em curso na Polícia Federal “muito possivelmente” indicarão a participação do militar, que está “escondido” e “não fala com ninguém”.

Para o ministro interino, o “desaparecimento” de Heleno é suspeito: “Ele desapareceu. Acho que quem se esconde teme a verdade, essa é minha opinião. O general Heleno está escondido. Onde? Quem consegue falar com ele? Todo dia recebo jornalistas que dizem que ele não recebe ninguém, não fala com ninguém. Por que o general Heleno se escondeu? Cadê a valentia dele?”.

Ele estende a crítica aos outros dois generais quatro estrelas que integravam o comando político do bolsonarismo: Walter Braga Netto, que foi candidato a vice-presidente da República na chapa de Bolsonaro, e Luiz Eduardo Ramos, que encerrou a gestão anterior como secretário-geral da Presidência da República, após ter servido ao ex-presidente como secretário de governo e ministro da Casa Civil.

“Cadê eles? Cadê o Braga Neto, o fortão, o valentão? Alguém consegue falar com ele? Você consegue falar com ele?”

Apesar de líderes governistas apoiarem a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar os atos, Cappelli argumenta que a CPI apenas “reafirmará a tentativa de golpe do dia 8” e que é importante “virar essa página o mais rápido possível e retomar a agenda que realmente faz o Brasil se desenvolver”, como o ajuste fiscal e a reforma tributária – disse o ministro interino.

Durante a entrevista, Cappelli elogiou o general Gonçalves Dias, que se demitiu da chefia do GSI na quarta-feira (19/4), e afirmou estar trabalhando em “absoluta harmonia” com o Ministério da Defesa e os comandos militares. Ele também discorreu sobre a importância das funções do GSI e relatou o que fez nos dois primeiros dias de interinidade.

Com Congresso em Foco e Blog do Esmael

11 respostas

      1. Essa CPMI que Criaram teria intenção d criar Palco para edição de vídeos para a Rede, jogar a culpa para quem não possui, mas pode Provar muitas coisas obstaculizadas pelo governo Anterior e que o golpe veio da Direita, afinal tudo que vimos pela TV.

        1. Esse indivíduo, realmente, é uma sumidade, portanto é um privilégio tê-lo nos comentários do blog.
          E mais: poderia contribuir de forma decisiva na resolução do que foi registrado pelas câmeras do GSI, já que a PF não resolveu, o governo, o GSI.
          É bem verdade que o governo Tentou, ao impor o sigilo de 5 anos, mas vazou.
          Fica a sugestão.
          Apesar que, esse Capelli, do alto do seu conhecimento obtido no curso de jornalismo, Seguramente, vai por ordem no GSI.

  1. Esse Ricardo Cappelli é adorador de Fidel Castro. Se receberam 48 notificações e avisos sobre as movimentações e não tomaram providências é um sinal claro de que algum setor de inteligencia estava agindo para prevenir enquanto o resto, todos que receberam os avisos, prevaricaram, consentiram e permitiram o vandalismo.

  2. Fala o que e para quem. A palavra está com o governo atual que não teve competencia para impedir o ato do dia 8/1. Tem e que ficar calado o Gov. do JB.

  3. alguem acredita que o chefe de um órgao responsável pela segurança de uma instalação importante, iria ver a depredação dessa instalação, com a calma que o general apresentava nos videos, até um cabo, que comanda frações menores, teria comportamento diferente. a menos que soubesse exatamente o que estava previsto acontecer no local. fizeram exatamente o que um policial desonesto, que planta droga numa residencia, para incriminar o morador,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo