“Erro das Forças Armadas foi permitir entrada de ônibus no QG”, diz Múcio

Acampamento foi desfeito após os ataques de 8 de janeiro. Eraldo Peres - AP - Image Plus

Segundo o ministro da Defesa, José Múcio, se os militares não tivessem permitido a entrada dos veículos, o problema teria sido da PMDF

MARIANA COSTA
O ministro da Defesa, José Múcio, disse, nesta terça-feira (24/1), que um dos erros das Forças Armadas nos atos terroristas de 8 de janeiro – que acabaram com a destruição das sedes dos Três Poderes, em Brasília – foi permitir a entrada de mais de 140 ônibus após ameaças por parte dos extremistas.

Segundo o ministro, se os militares não tivessem permitido a entrada dos veículos, o problema teria sido apenas da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). “Se tivéssemos impedido [a entrada dos ônibus], talvez hoje não estivéssemos falando sobre isso. Houve uma série de erros que, infelizmente, nos machucam até hoje. Todos terão de pagar”, disse Múcio, em entrevista à Globo News.

“Se você perguntar qual foi o erro, que é uma ótima pergunta, foi ter-se permitido que as pessoas que vieram nos 130 ônibus para Brasília pudessem entrar no acampamento. Se tivessem ficado do lado de fora, numa praça qualquer, o problema era do GDF [Governo do Distrito Federal]. Como entrou no território do Exército, parece que aqueles 200 se multiplicaram, viraram 5 mil e aconteceu aquela vergonha”, acrescentou o ministro da Defesa. Leia mais.

METRÓPOLES/montedo.com

Uma resposta

  1. O Exército está sendo enxergado pela sociedade com outros olhos e isso vem se agravando muito e muito rapidamente desde o tuíte do Villas Boas.
    Todo mundo vê que quem combinou e articulou essa invasão à Brasília foram os próprios generais do Exército.
    A fragmentação legal do Exército é uma coisa que vai se agravar ainda mais.
    Tenho dito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo