MPF abre inquérito contra Bolsonaro e ex-ministros por voos da FAB

© Foto : Isac Nóbrega/PR

Colaboração para o UOL, em Salvador
O MPF (Ministério Público Federal) no DF (Distrito Federal) instaurou inquérito civil contra o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e três ex-ministros.
O objetivo é apurar a suposta prática de ato de improbidade administrativa na utilização de aeronaves oficiais, pertencentes às FAB (Forças Aéreas Brasileiras), para o transporte de parentes, pastores e lobistas.
Além do ex-presidente, são alvos do inquérito:

a ex-ministra dos Direitos Humanos e senadora eleita Damares Alves (Republicanos);
o ex-ministro da Saúde Marcelo Queiroga;
e o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo.

O pedido de investigação foi feito ao Ministério Público pelo deputado Jorge José Santos Pereira Solla (PT-BA). Segundo ele, o ex-presidente e os ex-ministros deram “caronas” a parentes e pastores.
O inquérito foi aberto pelo procurador Paulo Roberto Galvão de Carvalho na última terça-feira (10).
Conforme apontou o jornal Folha de S.Paulo em 2021, com base em dados extraídos de registros de 68 voos do Ministério da Saúde de 25 de março a 8 de agosto, o ex-ministro Marcelo Queiroga levou sua esposa, filhos e outros parentes em pelo menos 20 voos oficiais feitos com aviões da FAB.
Em 2021, Damares foi acusada de usar um voo da FAB para dar “carona” a sete parentes da então primeira-dama Michelle Bolsonaro.
O UOL tenta contato com Bolsonaro e os ex-ministros.
UOL/montedo.com

Uma resposta

  1. Todos uns caras de pau, padrão Pançuello.
    Usufruem da máquina pública a bel-prazer, como lhes pertencessem.
    Sim, não são apenas o presidente, Chefes militares, políticos, ministros do STF, primeira-dama, ‘amigos do rei’.
    É todo mundo nessa suruba explicita nas alteradas asas esvoaçantes dessa FAB (inclusive o bolsominion Decréscimo).
    Combustíveis e ‘comes & bebes’ pagos com os nossos impostos.
    Ministros e mito nessa orgia pública, e vai ficar por isso mermo.
    Brazil, o “país do jeitinho”, onde o crime compensa e recompensa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo