O comandante da Marinha que quebrou protocolo

O comandante da Marinha, almirante Almir Garnier Santos, participa do programa A Voz do Brasil

Trata-se da primeira vez que ato ocorre na Força

Cristyan Costa
O almirante Almir Garnier Santos, agora ex-comandante da Marinha, não compareceu à cerimônia de transmissão do cargo ao sucessor, Marcos Sampaio Olsen, na tarde da quinta-feira 5. É a primeira vez na história que uma troca de chefia ocorre na Marinha sem a presença do antecessor.
Apesar de ausente, Santos deixou uma mensagem escrita, na qual destaca os valores de Olsen e, usando uma alegoria militar, disse que vai “procurar manter a mais precisa posição”. Em linhas gerais, isso significa que Santos vai manter-se fiel à Força.
No discurso de posse, o novo comandante da Marinha agradeceu ao presidente Lula pelo “privilégio da nomeação”. O militar também citou objetivos e desafios que considerou importantes para cumprir as metas estratégicas da Marinha do Brasil. Olsen emocionou-se, ainda, ao lembrar da família.
O ministro da Defesa, José Mucio, compareceu à cerimônia. Como manda a praxe, foi agraciado com a Ordem do Mérito Naval. Em discurso, ele destacou o papel da Marinha no apoio à política externa brasileira e à diplomacia naval, o suporte na repressão de crimes e o trabalho científico da Armada.
REVISTA OESTE/montedo.com

22 respostas

  1. Completa ausência de ética militar e cortesia ao contemporâneo de Escola Naval. Jamais, a posteriore, deveria ser chamado a qualquer cerimônia, pois não demonstrou amor e respeito a Força, afinal ela e maior que política.

  2. é por aí…
    a boa e velha cortesia. a cerimônia marcaria o auge da carreira de quem assumiu e foi manchada pela pirraça de alguém que, em sua carreira até o momento em que virou CM, veria esse comportamento como transgressão. muita gente boa teve carreira comprometida por episódios bem menos ostensivos que este.
    a própria posse dele contou com a presença do que foi defenestrado para ele assumir. se não houvesse aquele expurgo, ele não seria CM.
    e o pior: o exemplo. pode o comandante de um navio que passa rebarbar a cerimônia por causa de diferenças com o almirante?

  3. de acordo com a própria MB, coragem moral pressupõe situações de crise. a passagem de cargo é algo extremamente rotineiro.
    como os almirantes gostam de dizer, uma cerimônia de passagem “não é o foro adequado” para arejar lamúrias.
    e exemplo houve: almirante Ilques, provavelmente descontente, lhe passou o Comando normalmente, sem demonstraçao pública de descontentamento.

  4. Aprendi, desde a tenra idade, que a escola militar forja e estimula a honra, caráter e camaradagem entre os pares, sejam contemporâneos ou veteranos. A nomeação ao cargo máximo da Força é uma atribuição e reconhecimento àquele que demonstrou características ímpares. Tal reconhecimento, além de vir do comandante supremo deve também do sucedido não somente por questões de cortesia, mas pelo estabelecido em Lei (Decreto 2.513/98. Vergonha e um exemplo a não ser seguido.

    1. de acordo com o legitimo processo penal sexual brasileiro defendido pelos guardioes do ssssttufss nomeaçao a cargo maximo ou minimo seja lomgo ou curto alto ou baixo sera feita pelo comandante maximus supremus e o indicado nao podera ser descortes ou sera incriminado como antidemocratico decreto lei normativo informativo difundido difuso 2.786543\23…………….rabulas tambem com oab

  5. Indisciplinado igual ao ex chefe, regulamento nele, o Bolsonaro corrompe tudo que ele mete a mão,FA, igrejas,famílias,…. realmente é mito,kkkk

  6. Pura quebra de disciplina, alguém deveria dar um puxão de orelha bem dado ou qualquer militar que se recuse a passar sua função para outro terá uma “jurisprudência” formada.

  7. Se tivessem escolhido Nelson Jobim como ministro da defesa, duvido que esse Almirante Mentex (branquinho por fora e fresquinho por dentro) não teria passado o comando. Esse vai entrar no limbo da história, e deixa uma péssima imagem e exemplo para os seus pares e subordinados de que é ser um verdadeiro militar.

  8. O cara já chegou ao posto máximo, vai temer a que e a quem?
    Fez certíssimo, um belo recado ao quadrilheiro e sua quadrilha!

    Só tenho duas palavras a dizer ao militar em questão:

    Para-béns!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    kkkkkkkkkkk

  9. Subverteu a liturgia da instituição por birra política. Apenas isso. Demonstra que alguns valores tão cultuados nas FA também estão sendo relativizados na balança moral de cada um, o que, na minha opinião, evidencia a incompatibilidade com a profissão militar.

  10. Que coragem moral!? Na verdade ele e a mulher que era comissionada do bozo foram mandados embora e aí veio esse choro dele. Perderam a boquinha e por isso ficou raivoso…kkkkkk…só isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo