Escolha uma Página

General cita Ucrânia, pede investimento e afirma que a guerra forma “elo indissociável entre os militares e a Nação”

MURILO FAGUNDES
O chefe do Estado-Maior do Exército, general Marcos Antonio Amaro dos Santos, disse nesta 5ª feira (7.abr.2022) que o Brasil precisa estar de prontidão para uma possível guerra. Citou o conflito no leste europeu para dizer que a tropa deve estar preparada.
“A guerra não precisa de convite. E ela chega mais cedo para os despreparados. Assim, devemos ter poder dissuasório para desencorajar, com meios convencionais, ameaças à nossa soberania”, disse Amaro em cerimônia de promoção de oficiais-generais, no Clube do Exército, em Brasília.
Participaram do evento o presidente Jair Bolsonaro (PL), a primeira-dama Michelle Bolsonaro, o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, e o comandante do Exército, Marco Antônio Freire Gomes. Nenhum deles discursou.
O general disse que é função do Estado viabilizar recursos orçamentários para ampliar e renovar o efetivo de equipamentos com itens mais tecnológicos.
“A Estratégia Nacional de Defesa prevê que ao menos 2% do Produto Interno Bruto do País devem ser destinados ao preparo das Forças Armadas. A responsabilidade pelo cumprimento e pela satisfação das demandas da Defesa Nacional não cabe exclusivamente aos militares. Ao contrário, cabe ao Estado Brasileiro”, declarou.

Assista

UCRÂNIA
Segundo o chefe do Estado-Maior, há a guerra travada no Leste Europeu, há “a tentativa de imposição da narrativa pelos contendores, a ameaça da utilização de armamento nuclear, a percepção de lideranças fracas e fortes em nível mundial e o valor moral das tropas em confronto”.
O general finaliza seu discurso dizendo que a guerra ou a possibilidade de sua existência forma “ um elo indissociável entre os militares e a Nação”.
Poder360/montedo.com

Skip to content