Escolha uma Página

Fontes ouvidas pelo Radar tratam as críticas dos ministros como ‘cortina de fumaça’ para acusar Bolsonaro e inviabilizar a reeleição

Robson Bonin
A caserna do governo de Jair Bolsonaro está em chamas com o falatório dos últimos dias protagonizado pelo presidente do TSE, ministro Luiz Fachin, e pelo ex-presidente do tribunal Luis Roberto Barroso.
Na avaliação dos militares, Barroso e Fachin tentam “construir uma narrativa contra Jair Bolsonaro” de que o presidente, apoiado por uma ala fardada das Forças Armadas, quer “desacreditar e tumultuar as eleições e, caso derrotado, promover um golpe para se manter no poder”.
“É uma medida desesperada e, na verdade, uma ‘cortina de fumaça’ para tirar o foco da população sobre as reais fragilidades técnicas apresentadas pelos sistema de urnas eletrônicas, já apontadas em 2018 e que foram potencializadas pelos questionamentos dos representantes das Forças Armadas na Comissão de Transparência das Eleições”, diz um militar ouvido pelo Radar.
“A verdade é que os ministros Barros, Fachin e Moraes se uniram, com apoio de políticos de esquerda e da maioria da imprensa, para atacar o presidente e inviabilizar a reeleição”, segue o militar.
RADAR(Veja)/montedo.com

Skip to content