Escolha uma Página

Levantamento nacional vai ouvir 2.000 pessoas, para ditar os rumos da Força

Hugo Marques
O Exército tem sido uma das instituições de Estado mais pressionadas pelo presidente Jair Bolsonaro nestes três anos de governo. Desde o regime militar, nunca tinha sido tão utilizado como instrumento de governo, que entregou cargos de primeiro e segundo escalões a oficiais e usa a Força, sobretudo o presidente Jair Bolsonaro, para tentar intimidar outras instituições, como o Supremo Tribunal Federal. Ciente do potencial de dano de imagem decorrente de seu envolvimento no debate político, a Força decidiu fazer uma pesquisa nacional para ouvir o povo brasileiro.
Serão gastos 206 mil reais para um levantamento com pelo menos 2.000 brasileiros, em 50 municípios, abrangendo todas as regiões do país. As entrevistas, face a face, terão mais de 40 perguntas. Trata-se de um questionário que poderá ajudar o Exército a traçar suas atividades nos próximos anos. A última pesquisa parecida foi feita em 2017, durante o governo de Michel Temer.
O Estudo Técnico Preliminar do Exército detalha os objetivos da pesquisa: “Tão importante quanto a legalidade e o aspecto formal da legitimidade do emprego de forças militares é a percepção que a sociedade e a população local da área de operações têm sobre o emprego de forças militares numa operação, pois a opinião pública, tanto nacional quanto internacional, pode estar menos propensa a aceitar o emprego da Força para a solução de antagonismos”, diz o documento, que faz referência também ao emprego político da força. “A participação do Exército Brasileiro em eventos e momentos políticos nacionais, como integrante legítimo da sociedade brasileira, desde os primórdios da sua formação em 1648, obriga-o a estar em permanente sintonia com a sociedade quanto aos rumos que espera dar a suas políticas de desenvolvimento institucional”.
Ao justificar a realização da pesquisa, o Exército recorre à sua doutrina interna e novamente destaca a importância de se ouvir o povo, e não o governo de ocasião. “Os rumos dos caminhos que o Exército deve tomar a fim de poder se desenvolver institucionalmente dependem da percepção que a Sociedade Brasileira tem de seu emprego e de sua finalidade, bem como dos resultados obtidos nos diversos empregos atuais. Anualmente, o Exército recebe vultosas somas de recursos do contribuinte para desenvolver-se e estar à altura da importância que o País tem galgado no concerto das nações e necessita ter a exata noção de como a sociedade vê o emprego maciço desses recursos”.
Veja/montedo.com

Skip to content