Escolha uma Página

A manchete aí em cima é do editor. As fotos também: à esquerda, o General Heleno quando foi Comandante Militar da Amazônia. À direita, Valdemar Costa Neto deixando a cadeia para trabalhar, com José Dirceu e Delúbio Soares. 
Leia a notícia e meu comentário no final

Para Valdemar Costa Neto, general Heleno é um “bobão”
Recentemente, Heleno fez malabarismos e tentou se retratar com os políticos do Centrão, mas pelo visto não convenceu um dos chefes do grupo

Guilherme Amado
Lucas Marchesini

O general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e aliado próximo do presidente Jair Bolsonaro, não está em alta conta com o presidente do PL, Valdemar Costa Neto.
Na opinião do político que comanda o partido escolhido por Bolsonaro para concorrer à reeleição em 2022, o general é um “bobão”.
Recentemente, Heleno fez malabarismos e tentou se retratar com os políticos do Centrão, recuando da postura toda valente que teve em 2018, na campanha de 2018. Na ocasião, foi filmado cantando “Se gritar pega Centrão, não fica um, meu irmão”.
Em agosto, Heleno reclamou em uma entrevista a uma militante bolsonarista que ficou carimbado como um inimigo do Centrão após a cantoria. Disse Heleno:
“Eu fiz uma brincadeira com o Centrão. A partir daí, fiquei carimbado, criou-se o estigma de ser contrário ao Centrão e que o Centrão só tinha mau elemento. Isso não tem nada a ver”, declarou.
Pelo visto não convenceu um dos chefes do grupo.
METRÓPOLES/montedo.com

Comento:
Duvido que exista algum militar profissional – digno dessa designação – que não sinta-se envergonhado por ver um general tríplice coroado, considerado em outros tempos um dos oficiais mais brilhantes do Exército, tratado dessa forma por um notório delinquente, que esteve preso sete meses por corrupção.
O pior é que não se pode dizer que é uma injustiça. A fidelidade canina à Bolsonaro tem empurrado Heleno para uma pantomima que se torna mais constrangedora a cada aparição do general na mídia. De quebra, ele arrasta junto a credibilidade das Forças Armadas.
Patético!

Skip to content