Escolha uma Página

Causo domingueiro

Ricardo Montedo
O 144 RC sempre contou com figuras folclóricas, que ajudaram a construir sua história, as quais passaram a ser personagens de causos repetidos ao pé do fogo nas madrugadas geladas dos bivaques, nos intervalos de ronda noturna, na “tora” dos alojamentos.
O Cabo 67-SANTO foi um desses, e dos mais notórios, ele que respondia pela alcunha de Catatumba, corruptela de catacumba, fruto de seu ar soturno e perturbador, a esconder a alma pura que habitava o coração do competente ferrador.
Por ser simplório, era alvo de muitas peças por parte dos colegas, das quais, até onde sei, a maior foi esta:
Ocorre que Frei Sério, antigo capelão da 33ª Divisão de Cavalaria, recorria regularmente os quartéis, realizando celebrações religiosas de toda ordem.
E assim fez o bom frei, naquele dezembro calorento. A missa, a cujo comparecimento todos estavam obrigados, começou pontualmente a uma e meia da tarde, no lotado auditório do regimento. Vale lembrar que os militares classificam esse horário como “nobre”, pois o processamento do almoço pelo organismo recém inicia e a letargia é inevitável, a tal ponto de tornar-se um espetáculo divertido observar, durante uma ocasião destas, os companheiros cabeceando para lá e para cá, numa luta desesperada contra o sono.
Era o caso do Cabo Santo naquele dia, bom garfo que era, entregue à modorra, enquanto o dedicado frei desfiava sua ladainha que, pelas circunstâncias já descritas, revestia-se de poderosas qualidades soporíferas.
A identidade do gaiato que protagonizou tamanha maldade constitui-se num grande mistério, mas o fato é que, quando o capelão abriu os braços dizendo:
– Santo, santo, santo, senhor Deus do universo …
O indigitado cutucou o pobre e adormecido cabo, sussurrando:
– Tchê, Santo, o padre tá falando contigo…
Ao que o infeliz Catatumba, pondo-se em pé de um pulo e tomando a posição de sentido, respondeu, garbosamente:
– MEIA SETE!
Ante o olhar atônito de todos, o pobre Santo tratou de disfarçar a esparrela ensaiando um sinal da cruz e sentando-se o mais rápido que pode.
Não adiantou muito: na “hora do pato” do dia seguinte, foi dureza explicar a história para o subcomandante; mas o bom cabo conseguiu e o “causo” virou mais uma lenda das tantas da velha Cavalaria do Rio Grande.

Skip to content