Escolha uma Página

Presidente defendeu indicação de militares no governo e afirmou que Ministério da Defesa foi criado por “imposição política”

Flávia Said
Em cerimônia realizada no Palácio do Planalto nesta segunda-feira (27/9), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que as Forças Armadas não vão cumprir “ordens absurdas” de seu governo, ou de qualquer outro, e defendeu que Exército, Marinha e Aeronáutica devem ser tratados com respeito.
“As Forças Armadas estão aqui, e elas estão sob meu comando, sim. Se eu der ordem absurdas, elas vão cumprir? Não, nem a mim nem a governo nenhum. E as Forças Armadas têm que ser tratadas com respeito”, defendeu.
O mandatário também afirmou que o grande número de militares presentes no governo – que supera, inclusive, o quantitativo registrado durante o regime militar (1964-1985) – existe porque seu ciclo de amizades é composto por pessoas originadas das três Forças.
“Alguns criticam que eu botei militar demais, mais até, proporcionalmente, do que os governos de Castello Branco a Figueiredo. Sim, é verdade, é meu ciclo de amizades, assim como de outros presidentes foram de outras pessoas. Era o ciclo de amizades deles. Comparem hoje todos os nossos ministros, incluindo os civis, com os que nos antecederam. É simples: queremos a volta disso?”, questionou Bolsonaro.
Em seguida, o presidente criticou as gestões passadas e afirmou que pastas como a dos Transportes, hoje Infraestrutura, eram foco de corrupção e escândalos semanais.
METRÓPOLES/montedo.com

Skip to content