Escolha uma Página

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, atendeu parcialmente ao pedido do tenente-coronel Marcelo Blanco, ex-assessor do Ministério da Saúde, permitindo que ele fique em silêncio perante o colegiado em relação aos fatos que o incriminem. A decisão desta quarta-feira (14), beneficia também o reverendo Amilton Gomes de Paula, fundador da Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários; Túlio Belchior Mano da Silveira, representante da Precisa Medicamentos; e Cristiano Alberto Carvalho, representante da Davati Medical Supply.
Fux negou pedidos para que os convocados pela CPI não comparecessem ou se retirassem das sessões do colegiado, destacando ainda que os quatro tem o dever de depor e de dizer a verdade com relação a fatos de que tenham conhecimento na qualidade de testemunha.
Além disso, o presidente do STF ressalvou, nos despachos, que a CPI da Covid tem autonomia para analisar se os depoentes abusam ou não do direito de ficar em silêncio sobre questões que podem incriminá-los, assim como fez no caso da diretora técnica Emanuela Medrades, da Precisa Medicamentos.
Com Agência ESTADO

Skip to content