Escolha uma Página

Ao menos 49 pessoas foram vitimadas pelos confrontos; um prédio residencial chegou a ser atingido por foguetes

O estado de Israel realizou centenas de ataques aéreos em Gaza nesta quarta-feira (12) e militantes palestinos retribuíram com vários disparos de foguetes em Tel Aviv e na cidade de Beersheba, no sul, em meio às hostilidades mais intensas da região em anos.
Pelo menos 49 pessoas foram mortas em Gaza desde a escalada da violência na segunda-feira (10), de acordo com o ministério da saúde do enclave. Seis pessoas foram mortas em Israel, disseram autoridades médicas.
Em Gaza, um prédio residencial de vários andares desabou depois que Israel avisou seus ocupantes com antecedência para evacuarem, e outro foi fortemente danificado, após serem atingidos pelos ataques aéreos.
Israel disse que seus aviões de guerra alvejaram e mataram vários líderes de inteligência do grupo islâmico Hamas na manhã de quarta-feira. Outros ataques atingiram o que os militares disseram ser locais de lançamento de foguetes, escritórios do Hamas e casas de líderes do Hamas.
A ofensiva mais pesada entre Israel e o Hamas desde a guerra de 2014 no enclave governado pelo Hamas aumentou a preocupação internacional de que a situação poderia sair de controle.
“Israel enlouqueceu”, disse um homem em uma rua de Gaza, onde as pessoas correram para fora de suas casas quando houve explosões.
Muitos israelenses também passaram uma noite sem dormir, com sirenes soando às 3h da manhã em Tel Aviv, anunciando várias ondas de ataques de foguetes no coração de Israel.
“As crianças escaparam do coronavírus e agora de um novo trauma”, disse uma mulher israelense na cidade costeira de Ashkelon em imagens mostradas pelo Canal 11 de televisão.
O enviado de paz da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland, disse que as Nações Unidas estão trabalhando com todos os lados para restaurar a calma. O Egito fez ligações durante a noite para os líderes palestinos pedindo moderação, disseram fontes de segurança egípcias.
As casas dos moradores de Gaza tremeram e o céu se iluminou com os ataques de foguetes e mísseis israelenses.
Os israelenses correram para abrigos ou espalharam-se nas calçadas em comunidades a mais de 70 km ao longo da costa de Gaza e ao sul de Israel enquanto explosões eram ouvidas e mísseis interceptores disparavam para o céu.
Um israelense foi morto nesta quarta-feira por um míssil antitanque disparado de Gaza contra um veículo perto da fronteira, disse o serviço nacional de ambulâncias de Israel. Duas pessoas foram mortas por um foguete que atingiu seu carro em Lod, perto de Tel Aviv.
Lod e outras cidades mistas de árabes-judeus foram tomadas por manifestações sobre a violência de Gaza e as tensões em Jerusalém.
Em Gaza, 11 pessoas foram mortas em ataques israelenses na quarta-feira, disse o Ministério da Saúde.

Membros das forças de segurança israelenses inspecionam um prédio depois de ser alvo de um foguete disparado da Faixa de Gaza em direção à cidade de Ashkelon Foto: Ilia Yefimovich/picture alliance via Getty Images

Novo desafio
O braço armado do Hamas disse que disparou 210 foguetes contra Beersheba e Tel Aviv durante a noite em resposta aos ataques às torres na Cidade de Gaza. Os militares de Israel dizem que cerca de um terço dos foguetes ficaram aquém, caindo dentro de Gaza.
Para Israel, o direcionamento de Tel Aviv, sua capital comercial, representou um novo desafio no confronto com o Hamas, considerado uma organização terrorista por Israel e pelos Estados Unidos.
A violência ocorreu após semanas de tensão em Jerusalém durante o mês de jejum muçulmano do Ramadã, com confrontos entre a polícia israelense e manifestantes palestinos dentro e ao redor da Mesquita de Al-Aqsa.
Isso se intensificou antes de uma audiência – agora adiada – que poderia levar ao despejo de famílias palestinas das casas de Jerusalém Oriental reivindicadas por colonos judeus.
A violência também aumentou na Cisjordânia ocupada. Fontes médicas disseram que um palestino de 16 anos foi morto em confrontos com as forças israelenses na quarta-feira.

“Preço muito alto”
O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse que os militantes pagariam um preço “muito alto” pelos ataques com foguetes.
O líder do Hamas, Ismail Haniyeh, disse que Qatar, Egito e Nações Unidas estiveram em contato, pedindo calma, mas a mensagem de seu grupo para Israel foi: “Se eles querem escalar, a resistência está pronta, se eles quiserem parar, a resistência está pronta . ”
A Casa Branca disse na terça-feira que Israel tem o direito legítimo de se defender de ataques de foguetes, mas pressionou Israel sobre o tratamento dos palestinos, dizendo que Jerusalém deve ser um lugar de coexistência.
Embora os últimos problemas em Jerusalém tenham sido o gatilho imediato para as hostilidades, os palestinos ficaram mais frustrados com os reveses em suas aspirações por um estado independente nos últimos anos.
Isso inclui o reconhecimento por Washington da disputada Jerusalém como a capital de Israel, um plano dos EUA para encerrar o conflito que eles viram como favorável a Israel e a construção de assentamentos.
Israel disse que despachou infantaria e blindados para reforçar os tanques já reunidos na fronteira, evocando memórias da última incursão terrestre israelense em Gaza para impedir ataques de foguetes em 2014.
Testemunhas disseram que aeronaves israelenses destruíram a sede da polícia de Gaza, administrada pelo Hamas, na cidade.
O ministério da saúde de Gaza disse que das pessoas mortas no enclave, 13 eram crianças. Os militares israelenses disseram que estão examinando esses relatórios e que prevenir vítimas civis é uma prioridade.
CNNBrasil/montedo.com

Skip to content