Escolha uma Página

O general teve o depoimento adiado para o dia 19 de maio após alegar que esteve com duas pessoas que testaram positivo para o vírus

Barbara Baião Da CNN, em Brasília
Integrantes da CPI da Pandemia têm demonstrado resistência ao requerimento apresentado pelo vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues, para que o ex-ministro Eduardo Pazuello apresente o resultado de teste para Covid-19. O general teve o depoimento adiado para o dia 19 de maio após alegar que esteve com duas pessoas que testaram positivo para o vírus.
A exigência para obter o teste vai na contramão do que disse o presidente da CPI, Omar Aziz, ao ser informado pelo Comando do Exército de que o general da ativa não poderia comparecer pessoalmente ao depoimento, agendado inicialmente para ocorrer no último dia 5. Na ocasião, o senador do PSD reforçou que o Exército tem fé pública e que os senadores iriam aguardar o prazo para o cumprimento da quarentena do general.
Aziz também chegou a ser informado da intenção de Pazuello em ir de farda para ser ouvido no Senado, e fez questão de discordar da ideia justamente para evitar a associação entre a situação do general na investigações e a relação institucional com as Forças Armadas. Até o momento, o ex-ministro não confirmou se desistiu da ideia.
Segundo relatos de integrantes do colegiado, o mais adequado a ser feito é esperar o dia do depoimento porque, até lá, há uma avaliação de que a maioria com posição independente ao Planalto estará melhor abastecida por documentos que, eventualmente, podem comprometer a gestão do ex-ministro.
Os próprios senadores aliados do governo admitem, reservadamente, que terão dificuldade em fazer uma defesa mais ostensiva de Pazuello. E, de acordo com essa ala, o adiamento do depoimento só cria uma atmosfera de mais pressão sobre ele.
CNN Brasil/montedo.com

Skip to content