Escolha uma Página


Polícia Militar disse que o soldado não tinha permissão para pilotar moto, que também estava sem placa. FAB informou que a arma encontrada com a vítima não pertence à corporação.

Rafael Oliveira e Adriel Morais, G1 GO e TV Anhanguera
Um soldado da Base Aérea de Anápolis, a 55 km de Goiânia, foi morto a tiro depois de uma perseguição policial na cidade. A Polícia Militar disse que Guilherme Souza Costa, de 19 anos, não tinha permissão para pilotar a moto, que estava sem placa, e chegou a atirar contra a equipe ao tentar fugir da abordagem na noite de quinta-feira (4).
O soldado era militar da Aeronáutica e estava há dois anos na Base Aérea de Anápolis. A Força Aérea Brasileira disse em nota que a arma encontrada com o soldado não pertence à corporação e que colabora com a investigação.
Em nota, a Polícia Militar disse que vai apurar as circunstâncias da ocorrência para se posicionar sobre o caso.
Um vídeo mostra quando policiais da Companhia de Policiamento Especializado (CPE) tentam abordar o soldado, que pilotava a moto pela Avenida Brasil, uma das principais de Anápolis.
O boletim de ocorrência da PM relata que o soldado não parou numa blitz de trânsito. Foi quando os policiais iniciaram a perseguição.
Segundo a PM, a equipe o seguiu por cerca de 5 km antes de ser feita a primeira tentativa de abordagem. Câmeras de segurança de diferentes locais registram vários momentos da perseguição.
Conforme o boletim de ocorrência, ao perceber que os policiais estavam atrás dele, ele jogou a moto em cima dos carros da corporação. Depois, foi baleado.
O soldado foi socorrido e levado para o Hospital de Urgências de Anápolis (Huana), onde morreu.

Nota da Força Aérea Brasileira
A Força Aérea Brasileira (FAB) lamenta informar o falecimento de um militar do efetivo da Ala 2 – Base Aérea de Anápolis, nesta quinta-feira (04/03), em Anápolis (GO). A Instituição expressa suas condolências e presta todo o apoio à família do militar nesse momento de luto.
A FAB informa que a arma encontrada com o militar não pertence à Ala 2 – Base Aérea de Anápolis e que colabora com as investigações da autoridade policial responsável pelo caso.
G1/montedo.com

Skip to content